• Mercado

    Saturday, 18-Nov-2017 19:23:03 BRST
    Guia da Micro, Pequena e Média Empresas (MPME)

    Crescem nos EUA estúdios para beber, pintar e curtir a 'experiência'

    ANN CARRNS
    DO "NEW YORK TIMES"

    06/11/2017 02h00

    Divulgação
    PAINTING WHILE DRINKING - estúdio da Pinot's Palette em Nova York
    Unidade da rede texana Pinot's Palette, que tem 70 franquias nos EUA

    Clientes começaram a se reunir num estúdio de arte num shopping em Bentonville, no Estado do Arkansas, nos EUA.

    Enquanto batiam papo, as pessoas, principalmente mulheres, pediam vinho ou cerveja diante de mesas forradas de papel e iniciavam sua tarefa: pintar.

    Era o início de uma aula de "paint-and-sip" –pintar e beber–, uma atividade na moda que mistura arte e álcool.

    A aula aconteceu numa filial da Painting With a Twist, uma das redes de franquia em crescimento, presentes em centenas de lugares.

    Mas há negócios de um estúdio só surgindo, atraindo adultos que querem descontrair, encontrar gente e exercitar seus músculos artísticos.

    "Achamos que esta tendência não vai se esgotar por um bom tempo", diz Marci Freede, que em 2014 abriu a Paint Place, no Upper West Side de Manhattan e, no ano passado, abriu um segundo espaço em Astoria, Queens.

    Operadas por franqueados ou proprietários únicos, as aulas seguem uma estrutura semelhante: um artista dá instruções passo a passo sobre como pintar uma imagem predeterminada.

    Os participantes pintam e ao mesmo tempo tomam um drinque. Ao término da aula, levam suas criações para casa. O preço da aula varia de US$ 35 a US$ 65 por pessoa, dependendo do local e do formato.

    Cathy Deano é uma das fundadoras da Painting With a Twist, sediada em Mandeville, Louisiana.

    Ela diz que a maioria dos participantes nunca pegou em um pincel antes de fazer a primeira aula e que tomar uns goles de vinho acalma a "ansiedade da tela em branco".

    "Eu falo a meu marido: 'É como sair para pescar'", disse Susan Jean, dona da filial da Painting With a Twist em Bentonville, Arkansas. "A gente bebe um pouquinho, joga conversa fora e ainda leva alguma coisa para casa."

    Jean, 59, contou que sempre quis ter seu próprio negócio e optou por um ateliê de paint-and-sip depois de fazer uma aula com sua irmã.

    Jean contrata artistas locais; ela e sua filha cuidam da parte comercial. Algumas aulas estão abertas a qualquer pessoa; outras são voltadas a casais ou grupos fechados de amigas fazendo noitadas femininas.

    Empresas contratam aulas de paint-and-sip para servir como atividade de "team building".

    A moda é alimentada em parte pelo interesse crescente por vinhos, disse Ben Litalien, instrutor no programa de certificação em gestão de franquias da Escola de Estudos Continuados da Georgetown University.

    Além disso, os consumidores manifestam interesse crescente por experiências que exigem sua participação, "em lugar de simplesmente comprar algo".

    Para abrir um estúdio da Painting With, a Twist paga-se uma taxa de franquia de US$ 25 mil.

    Os custos iniciais totais podem variar de US$ 89 mil a US$ 188 mil, dependendo da localização.

    O acordo prevê que o franqueado mantenha seu estúdio por um mínimo de sete anos. De acordo com a Painting With a Twist, a receita anual bruta dos estúdios individuais é de US$388 mil em média.

    Litalien diz que a demanda por "aulas experienciais" é grande. Um possível desafio de longo prazo será conseguir que os fregueses voltem ao estúdio "à medida que a atividade perder seu caráter de novidade".

    Quantas pinturas de crepúsculos ou borboletas as pessoas podem querer, mesmo que elas mesmas as tenham pintado?

    Alguns estúdios testam outras abordagens para conservar o caráter inovador da atividade. A Bottle & Bottega, em Chicago, promove aulas de personalização de cálices de vinho e enfeites natalinos.

    Também oferece festas de despedida de solteira em que as participantes podem pintar um modelo masculino nu.

    Marci Freede, da Paint Place, disse que seus estúdios também procuram apimentar as aulas um pouco, propondo noites de pintura "erótica" para casais. "Não é vulgar", ela ressalvou.

    Tradução de CLARA ALLAIN

    *

    US$ 43,9 bilhões
    é o tamanho total da indústria de diversões criativas nos EUA

    63%
    das famílias americanas participaram em pelo menos uma atividade artística no último ano

    36%
    dos americanos de entre 18 e 34 anos têm hobbies relacionados às artes

    41 milhões
    de famílias americanas optaram por atividades relacionadas à pintura e desenho

    Fonte: AFCI (Associação das Indústrias Criativas dos Estados Unidos)

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017