• Mercado

    Monday, 20-Nov-2017 01:57:27 BRST

    Previdência

    Maia se contrapõe a Temer e cobra esforço para salvar Previdência

    MARINA DIAS
    BRUNO BOGHOSSIAN
    DE BRASÍLIA

    07/11/2017 13h16 - Atualizado às 19h51

    O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (7) não ter visto com tanto "pessimismo" o discurso em que Michel Temer admite uma possível derrota na aprovação da reforma da Previdência e, ao mesmo tempo, tenta transferir o ônus desse fracasso para o Congresso.

    Um dia após a fala de Temer em reunião no Palácio do Planalto, Maia disse que a situação da base "é muito difícil" depois da votação que barrou a segunda denúncia contra o presidente e que o governo precisa fazer o último esforço para que avancem as mudanças na aposentadoria.

    "Não interpretei desse jeito tão pessimista", disse o presidente da Câmara ao ser perguntado por jornalistas sobre a possibilidade de Temer ter jogado a toalha quanto à aprovação da reforma.

    "A base está muito machucada pós-denúncia. Quem votou [com Temer] teve uma atitude muito corajosa, então não dá para cobrar nada nesse momento. O governo precisa chamar seus líderes, os presidentes dos partidos, individualmente, e tentar mais uma conversa mostrando qual o impacto da não realização da reforma já em 2018", completou Maia.

    O presidente da Câmara se reuniu com Temer nesta terça por duas vezes e afirmou que o peemedebista "disse de forma muito clara que não desistiu" de aprovar as mudanças na aposentadoria.

    A reforma da Previdência, pouco palatável aos parlamentares às vésperas de um ano eleitoral, tornou-se mais um dos temas para a disputa entre o deputado e Temer na condução da agenda econômica do país.

    Ambos querem acenar ao mercado –um dois principais pilares de sustentação do governo e que cobra a aprovação da medida–, mas nenhum quer arcar sozinho com a culpa pelo eventual fracasso.

    Durante o dia, Maia insistiu no discurso de que é preciso aprovar a reforma e que "ninguém vai poder prometer nada" no país, em termos de segurança, saúde e educação, por exemplo, "antes de reorganizar a Previdência".

    "Esse é um tema de governo, e é por isso que é preciso reorganizar o governo. A Câmara, sozinha, não consegue tocar essa pauta. Mas consegue ajudar, como fez com a PEC do Teto de Gastos, que diziam que não passaria, e com a reforma trabalhista, que veio do governo muito menor do que saiu no final", disse Maia à Folha.

    No discurso desta segunda (6), Temer jogou justamente para o outro lado: "[Se] o parlamento, que ecoa as vozes da sociedade, também não quiser aprová-la, paciência".

    ELETROBRAS

    Maia elogiou a decisão do governo de enviar a proposta de privatização da Eletrobras ao Congresso esta semana, via projeto de lei e não como medida provisória.

    O assunto foi tema de discussão entre o presidente da Câmara, que defendia o PL, e a equipe econômica de Temer, que preferia via MP. Na semana passada, Maia acertou com o ministro Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) como seria a tramitação.

    Como PL o projeto precisa de aval dos parlamentares, enquanto uma MP teria vigência imediada.

    "Foi o caminho certo a privatização da Eletrobras ter sido por projeto de lei. Não dá para vender ativo por MP, não é democrático", declarou Maia.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017