• Mercado

    Wednesday, 22-Nov-2017 10:44:56 BRST

    Macri sofre derrota, e cai proposta de aumentar imposto sobre o vinho

    SYLVIA COLOMBO
    DE BUENOS AIRES

    09/11/2017 22h15

    Juan Mabromata/AFP
    Argentine President Mauricio Macri looks on during a press conference at Casa Rosada presidential palace in Buenos Aires on October 23, 2017 in the aftermath of national legislative elections. Argentina's President Mauricio Macri's center-right coalition swept crucial midterm elections Sunday and emerged with a strengthened hand to carry through pro-market economic reforms. Macri's Cambiemos, or "Let's Change," won in 13 of Argentina's 23 provinces, as well as in the capital Buenos Aires, according to almost completed counts early Monday. / AFP PHOTO / JUAN MABROMATA ORG XMIT: MAB2187
    Mauricio Macri, presidente da Argentina

    O governo de Mauricio Macri teve sua primeira derrota, nesta quinta-feira (9), na tentativa de realizar uma reforma tributária no país. O presidente não resistiu às pressões das províncias produtoras de vinho, encabeçadas pelo governador de Mendoza, Alfredo Cornejo, e teve de tirar do projeto a ser enviado ao Congresso a proposta de aumentar em 10% o imposto pago pela comercialização desse produto.

    "Ficamos em 0% de aumento", comemorou Cornejo, ao deixar a reunião.

    O Ministério da Fazenda confirmou que a queda do imposto também valia para os espumantes, enquanto o aumento ao uísque ainda estava em estudo.

    Macri se reuniu nesta quinta-feira (9) com os governadores das 23 províncias que compõem o país, e com a chefatura da cidade de Buenos Aires, que tem status de província.

    Além dos que estavam incomodados com os aumentos dos tributos para as bebidas alcoólicas, também compareceram os que produzem aparelhos eletrônicos e que terão impostos diminuídos. Estes, por sua vez, reclamam que essa redução afetará a competitividade da região e impediria a produção, pois faltariam recursos para manter as fábricas e seus funcionários —a maioria delas se encontra na Terra do Fogo, onde o custo do emprego formal é maior, em razão das condições climáticas adversas do local.

    Na província de Buenos Aires, apesar de ser governada por uma forte aliada de Mauricio Macri, Maria Eugenia Vidal, há uma reivindicação de que uma fatia maior dos impostos fique na região —a província é responsável por cerca de 40% da arrecadação nacional, mas recebe de volta em forma de serviços de saúde, educação e subsídio à moradia apenas 19%. A
    governadora pediu a criação de um Fundo para o Conurbano, ainda em estudo.

    Após a reunião, o ministro do Interior, Rogelio Frigerio, afirmou que as reclamações foram ouvidas e registradas e que em uma semana se apresente uma análise do impacto da reforma como um todo nas economias regionais.

    Na próxima quinta-feira (16), haverá uma outra reunião com os governadores. A partir daí, será feita nova redação do projeto de reforma tributária para que seja enviado ao Congresso.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017