• Mundo

    Sunday, 22-Oct-2017 20:44:19 BRST

    Faltam luz e água em embaixadas brasileiras, dizem diplomatas

    PATRÍCIA CAMPOS MELLO
    ISABEL FLECK
    DE SÃO PAULO

    21/01/2015 18h17

    Diplomatas brasileiros em Tóquio, Lisboa, na Guiana, Estados Unidos e em Benin, na África, enviaram telegramas ao Itamaraty nos últimos dias advertindo para estado de penúria nas representações do Brasil no exterior, que estavam prestes a sofrer corte de energia por atrasos no pagamento, além de estarem sem dinheiro para comprar papel para impressoras e materiais, pagar a conta do aquecimento, internet e outros.

    Sem receber nenhum recurso do governo brasileiro há 50 dias, a embaixada do Brasil em Benin (oeste da África) está com apenas US$ 83 (R$ 215) em caixa e chegou a ter o fornecimento de energia cortado e o gerador desligado.

    Na residência, o diplomata responsável está apelando para velas e lanternas, porque falta dinheiro para comprar combustível do gerador. Às vezes toma banho de caneca, pois a bomba de água quebrou e não há recursos no momento para o conserto. Ele teve de pagar a conta de telefone e de energia, que estavam atrasadas, do próprio bolso.

    Essas reclamações constam de um telegrama enviado na terça (20) pelo encarregado de negócios da embaixada em Cotonou, João Carlos Falzeta Zanini, ao Itamaraty, que vazou na internet. Parte do teor foi divulgado pelo sindicato do servidores do Itamaraty.

    "Vivemos uma situação financeira muito difícil, é impossível para o Itamaraty manter os postos atuais com os cortes sucessivos que o governo vem fazendo no orçamento do ministério", disse à Folha.

    "Ficamos de mãos atadas, sem poder exercer a política externa e a assistência aos brasileiros como seria ideal."

    A participação do orçamento do Itamaraty no total do Executivo, que já era pequena, caiu quase à metade em 2014 em relação a 2003 –de 0,5% para 0,27%.

    RECURSOS PESSOAIS

    Zanini, que é o único diplomata da embaixada, tem capitaneado à distância a assistência aos 33 brasileiros que vivem no vizinho Níger e estão sob ameaça. Nos últimos dias, duas igrejas e uma escola de brasileiros foram destruídas por manifestantes muçulmanos, em reação à capa do jornal francês "Charlie Hebdo" que traz o profeta do islamismo, Maomé. Ele está em contato constante com os brasileiros e tem ajudado a desenhar os planos de contingência caso a situação piore.

    "Após interrupção no fornecimento de energia da Embaixada, paguei, com recursos pessoais, a fatura do mês de novembro; já tinha me valido dessa alternativa para pagar a fatura de telefone
    que também estava atrasada; ante a perspectiva de corte do serviço de internet no próximo dia 24 de janeiro, entendo que deverei também adiantar o pagamento", escreveu ele no telegrama enviado a Brasília.

    No texto, ele informa que o gasto semanal para o abastecimento dos geradores da Chancelaria e da Residência está estimado em aproximadamente U$ 180,00. A conta do posto reúne, no momento, o equivalente a U$ 83,00.

    No telegrama, ele aponta também para o risco de malária. "Em cidade onde a malária é endêmica, o ar-condicionado serve de poderoso inibidor da proliferação do mosquito. Quando o fornecimento de energia é interrompido e os aparelhos de ar-condicionado desligados, utilizo inseticidas para amenizar o problema." Nos últimos anos, pelo menos dois diplomatas brasileiros morreram de malária na África.

    Segundo a presidente do Sinditamaraty, Sandra Nepomuceno dos Santos, "todo mundo está chocado com a gravidade do que está acontecendo" no posto de Benin. "Ainda mais numa área de doença endêmica como a malária", disse Santos, que destacou que a preocupação do sindicato é, principalmente, com a saúde dos diplomatas e servidores.

    O sindicato já havia feito um pedido de audiência com o ministro antes dos telegramas, por conta das restrições de orçamento, mas o tema de Benin certamente entrará na agenda agora.

    Apesar de evitar discutir "temas políticos" como o fechamento de postos, a presidente do sindicato diz que, a partir do momento que o corte de orçamento coloca em risco a saúde dos servidores, é preciso debater se "há condições" de manter todas as representações do país.

    SUSPENSÃO DE SERVIÇOS

    A penúria no Itamaraty não se restringe à embaixada em Benin.

    Nesta quarta (21), telegrama enviado por Marco Farani, cônsul-geral do Brasil em Tóquio, e obtido pela Folha, informa: "Todas as contas de Serviços e Manutenção deste Posto do mês de dezembro/2014 encontram-se pendentes de pagamento, o que tem gerado insistentes cobranças dos credores e, em casos mais extremos, há o risco de suspensão de serviços essenciais à Chancelaria como internet, telefonia celular e fixa, eletricidade, serviço de franquia de correspondências e fotocópias, caso não seja possível quitar os débitos até o final de janeiro."

    A embaixada em Tóquio informa que acaba de receber notificação para corte de energia, porque a conta, de US$ 3.924, não é paga desde dezembro, conforme diz o embaixador André Corrêa do Lago em telegrama de terça (20), obtido pela Folha.

    Na residência do embaixador em Lisboa, Mario Vilalva, o fornecimento de energia só não foi suspenso "porque a Embaixada entrou em contato direto com o gabinete do presidente da EDP [empresa de eletricidade local], conseguindo postergação do pagamento da fatura impreterivelmente até o dia 28 de janeiro", conforme informa telegrama de 14 de janeiro. A dívida é de € 1734.

    Na Guiana, o embaixador Lineu de Paula afirmava que a empresa de internet já havia prorrogado do valor devido até 18 de janeiro, mas que agora iria cortar o serviço por atraso. "Tendo em vista a possibilidade de que até o próximo fim de semana esta Embaixada fique sem comunicações com a SERE e eventualmente sem eletricidade e outros serviços básicos nas próximas duas semanas, muito agradeceria receber autorização
    para efetuar o pagamento das contas vencidas e a vencer com meus recursos para posterior reembolso."

    No consulado brasileiro em Hartford, Connecticut, o cônsul-geral Cézar Amaral avisa em telegrama que "os serviços de internet, telefone, TV a cabo e alarme da residência já foram interrompidos há cerca de quarenta dias, em sacrifício de minha família, que passou o Natal sem serviços e agora aguarda o fim do aquecimento". No telegrama do dia 14 de janeiro, ele também reclamava que "o toner [da impressora] está no final e o papel para impressão está acabando. Por outro lado, os materiais de limpeza da copa da Chancelaria já se esgotaram."

    Segundo o Itamaraty, "os recursos para a manutenção dos postos referentes ao mês de dezembro foram liberados hoje, após o processamento de repasse financeiro do Tesouro."

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017