• Mundo

    Saturday, 16-Dec-2017 12:34:17 BRST

    Especialista fala da dor do fracasso após suspensão de buscas por avião

    KRISTEN GELINEAU
    DA ASSOCIATED PRESS, EM SYDNEY

    17/01/2017 17h00

    Rob Griffith - 31.mar.2014/Associated Press
    FILE - In this March 31, 2014 file photo, HMAS Success scans the southern Indian Ocean, near the coast of Western Australia, as a Royal New Zealand Air Force P3 Orion flies over, while searching for missing Malaysia Airlines Flight MH370. After nearly three years, the hunt for Malaysia Airlines Flight 370 ended in futility and frustration on Tuesday, Jan. 17, 2017, as crews completed their deep-sea search of a desolate stretch of the Indian Ocean without finding a single trace of the plane.
    Navio australiano busca por destroços do voo MH370 na costa oeste da Austrália em 2014

    O sentimento de frustração dos envolvidos na busca pelo voo 370 da Malaysia Airlines é enorme, abrangendo desde as ondas monstruosas que fustigaram as equipes de busca em uma das áreas oceânicas mais desertas do mundo até a falta de informações sobre o voo, fatores que bloquearam a ação das equipes.

    O anúncio feito pela Austrália na terça-feira (17) da suspensão oficial da busca infrutífera pelo avião no oceano Índico, levada adiante por quase três anos, desencadeou um processo inevitável de questionamento dos responsáveis pela operação, que custou US$160 milhões.

    Poucos conhecem tão bem a agonia pela qual a equipe de busca está passando quanto o oceanógrafo americano David Gallo.

    Em 2010, Gallo e sua equipe do Instituto Oceanográfico Woods Hole, em Massachusetts, foram incumbidos de uma tarefa: teriam dois meses para ajudar a localizar os destroços do avião que fez o voo 447 da Air France que caiu no oceano Atlântico em 2009 quando voava do Rio de Janeiro a Paris.

    Quando a aeronave não foi localizada até o fim desse prazo, as autoridades suspenderam a busca. Gallo ficou doente com o fracasso; ele não conseguia dormir e ficava apenas olhando para fotos que tinha sobre sua mesa de pessoas que estavam a bordo do avião.

    Associated Press
    Destroços do avião Airbus -A330/200 da Air France encontrado no Oceano Atlântico. O avião caiu com cerca de 228 pessoas. O voo ia do Rio de Janeiro para a França. *** ORG XMIT: TH101 FILE - In this Monday, June 8, 2009 file photo released by Brazil's Air Force, Brazil's Navy sailors recover debris from the missing Air France Flight 447 in the Atlantic Ocean. A combination of faulty sensors and mistakes by inadequately trained pilots caused an Air France jet to plunge into the Atlantic Ocean in 2009, killing all 228 people aboard in the airline's deadliest ever crash, French investigators said Thursday July 5, 2012. (AP Photo/Brazil's Air Force)
    Destroços do avião Airbus da Air France encontrado no Oceano Atlântico

    Ficou torturado por dúvidas, perguntando-se se sua equipe tinha de alguma maneira deixado passar os destroços.

    "Foi horrível", ele se recorda. "As famílias ficaram tremendamente desapontadas, as empresas envolvidas –Airbus, Air France– queriam saber o que tinha acontecido. Perguntavam quem eram esses sujeitos que
    disseram que conseguiriam localizar os destroços, mas não os encontraram."

    Depois de um ano de esforços de persuasão, as autoridades deixaram Gallo e sua equipe retomar as buscas. Eles localizaram o avião em pouco mais de uma semana.

    Como os investigadores do voo 370, Gallo e sua equipe foram acusados inicialmente de não saber o que estavam fazendo, de fazer uma leitura equivocada dos dados, de utilizar os equipamentos errados. Mas Gallo, que manteve contato estreito com as autoridades australianas no comando das buscas pelo voo 370, acredita que elas fizeram tudo o que estava ao seu alcance, em vista dos dados limitados disponíveis.

    Recentemente os investigadores fizeram nova análise de todas as informações disponíveis sobre o avião da Malaysia Airlines e sugeriram que as equipes de busca vasculhassem uma nova região ao norte da área de 160 mil quilômetros quadrados que acabaram de examinar.

    O governo australiano vetou a ideia, mas Gallo considera imperativo que as equipes sejam autorizadas a estender a busca.

    "Se você termina de examinar uma área, pode dizer com a consciência limpa 'fizemos tudo que foi possível na época para encontrar o avião'", ele diz. "Mas, se não levarem a busca àquela área, isso vai nos assombrar para sempre."

    E, segundo ele, localizar a aeronave é crucial, por muitas razões.

    Gallo ainda pensa nas pessoas que morreram no voo 447 da Air France. Ele vive no litoral do Massachusetts, onde frequentemente vê aviões partindo para atravessar o Atlântico, de Boston à Europa. Ele pensa nos passageiros a bordo, cada um deles com seus entes queridos em casa.

    A segurança dos passageiros é sua preocupação e é uma das principais razões por que ele acha crucial que o voo 370 seja localizado –pelo bem da segurança de todos que viajam de avião e pelas famílias das pessoas que estavam a bordo da aeronave que desapareceu.

    "Aquelas 239 pessoas sumiram sem deixar rastros. Que preço podemos atribuir a isso?", ele diz. "E o público geral que viaja de avião. Enquanto não soubermos o que aconteceu ali, há o risco de isso acontecer com qualquer um de nós."

    Tradução de CLARA ALLAIN

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017