• Mundo

    Friday, 17-Nov-2017 19:06:46 BRST

    Governo Trump

    Conteúdo russo para eleição dos EUA foi visto por 126 milhões, diz Facebook

    ISABEL FLECK
    DE WASHINGTON

    31/10/2017 02h00

    Cerca de 126 milhões de usuários do Facebook podem ter tido acesso ao conteúdo produzido e postado por operadores russos durante e após as eleições presidenciais americanas de 2016, segundo um levantamento que a empresa deve mostrar nesta terça-feira (31) a membros da Comissão de Justiça do Senado.

    O executivo Colin Stretch, responsável pela área legal do Facebook, se sentará ao lado de Sean Edgett, principal advogado do Twitter, e do diretor de Segurança da Informação e Aplicação da Lei do Google, Richard Salgado.

    Os três deverão responder à comissão sobre "formas de combater e reduzir a quantidade de propaganda e conteúdo extremista russos on-line". Na quarta (1º), eles falarão às comissões de Inteligência da Câmara e do Senado.

    Essa será a primeira vez que altos representantes das três empresas respondem às perguntas de deputados e senadores em sabatinas abertas nas comissões que investigam a interferência russa nas eleições do ano passado.

    O número de 126 milhões a ser divulgado pelo Facebook —que foi vazado antes à imprensa— é equivalente a 92% do universo estimado de 137 milhões de eleitores que votaram em 2016.

    Segundo o levantamento, 120 páginas ligadas à "fazenda de trolls" russa Internet Research Agency (IRA) postaram o material entre janeiro de 2015 e agosto de 2017, e cerca de 29 milhões de pessoas receberam os posts diretamente em seus "feeds".

    Esse tipo de postagem "orgânica" é diferente dos 3.000 anúncios que, em setembro, o Facebook havia dito ter atingido 10 milhões de usuários.

    Matt Rourke - 16.mai.2012/Associated Press
    Logo do Facebook; site revelará ao Senado que conteúdo russo pode ter sido visto por 126 milhões
    Logo do Facebook; site revelará ao Senado que conteúdo russo pode ter sido visto por 126 milhões

    Os anúncios, a maioria com conteúdo que instigava a divisão no país, promovendo a hostilidade a imigrantes e negros, direcionava os leitores às páginas ligadas à IRA.

    Edgett, do Twitter, deve também falar que a empresa descobriu e fechou 2.752 contas ligadas ao mesmo grupo —número 14 vezes maior que o informado pela empresa ao Senado há três semanas.

    A companhia anunciou na semana passada que impedirá a compra de propaganda pelos sites Sputnik e Russia Today (RT), ligados ao Kremlin.

    Nesta segunda, foi a vez de o Google reconhecer, pela primeira vez, que suas plataformas também foram comprometidas , com os operadores russos publicando milhares de vídeos em 18 diferentes canais no YouTube.

    O Congresso tem pressionado as empresas de tecnologia a determinarem como os russos usaram seus sistemas para influenciar a eleição e cobrando mais controle para anúncios políticos.

    Trump emparedado

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017