• Mundo

    Friday, 17-Nov-2017 18:50:43 BRST

    Arábia Saudita diz ter investigado mais de 200 em operação contra corrupção

    DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

    09/11/2017 14h11

    Mais de 200 pessoas foram investigadas na Arábia Saudita como parte de uma operação anticorrupção que começou no último sábado (4), anunciou nesta quinta-feira (9) o procurador-geral do país, Saud Mojeb.

    A operação atingiu príncipes, ministros e empresários, e diz respeito a desvios de fundos que chegariam a US$ 100 bilhões (R$ 326 bilhões) em dez anos, disse Mojeb.

    "No total, 208 pessoas foram convocadas para interrogatório até o momento. Dessas 208 pessoas, sete foram liberadas sem acusação. A amplitude potencial dos atos de corrupção revelados é enorme", afirmou em nota o ministério da Informação.

    O governo não esclareceu se os 201 que não foram liberados continuam detidos.

    Príncipes, incluindo o famoso bilionário Alwaleed bin Talal, ministros e empresários foram apreendidos no sábado à noite durante uma operação que se seguiu ao estabelecimento de uma nova comissão anticorrupção presidida pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, 32.

    Fayez Nureldine/AFP
    O príncipe herdeiro saudita Mohamed bin Salman, 32
    O príncipe herdeiro saudita Mohamed bin Salman, 32

    As autoridades congelaram as contas bancárias dos acusados e anunciaram que qualquer atividade relacionada a temas de corrupção seria confiscada como propriedade do Estado.

    As prisões são consideradas uma tentativa de Bin Salman consolidar seu poder, prendendo famílias rivais dentro do clã que comanda o país. Ele foi apontado em junho como príncipe herdeiro por seu pai, o rei Abdulaziz Al Saud, 8.

    LÍBANO

    Também nesta quinta, Riad recomendou que sauditas não viajem para o Líbano e pediu que aqueles que já estejam no país saiam imediatamente.

    "Devido à situação no Líbano, o reino [saudita] pede aos seus cidadãos que visitam ou vivem no Líbano para sair o mais rápido possível e aconselha seus cidadãos a não viajarem" para esse país, disse a agência de notícias oficial do governo, citando uma fonte não-identificada.

    O Líbano passa por uma crise desde sábado, quando o premiê Saad Hariri renunciou ao cargo dizendo que corria risco de ser morto e que o Hizbullah, aliado do Irã, queria assassiná-lo.

    Hariri fez a declaração de Riad, onde está desde o anúncio de sua saída do cargo.

    A ação aumentou a tensão entre Riad e Teerã, rivais no Oriente Médio.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017