• Mundo

    Monday, 18-Dec-2017 08:36:30 BRST

    Sete semanas depois das eleições, Merkel patina para formar governo

    DIOGO BERCITO
    DE MADRI
    CAROLINA VILA-NOVA
    DE SÃO PAULO

    17/11/2017 02h38

    Quase dois meses após vencer as eleições gerais na Alemanha, Angela Merkel enfrenta um teste decisivo para seu mandato de chanceler.

    Sem obter maioria em 24 de setembro, ela tinha até as primeiras horas desta sexta (17) para dar início às negociações formais de uma coalizão. Agora, o fracasso em fazê-las avançar pode levar a um novo pleito.

    Odd Andersen/AFP
    A chanceler alemã, Angela Merkel, aparece ao lado do Joachim Hermann, líder do CSU
    A chanceler alemã, Angela Merkel, aparece ao lado do Joachim Hermann, líder do CSU

    Sua sigla, a conservadora CDU (União Democrata-Cristã), vem conduzindo, nas últimas três semanas, conversas preliminares com a legenda-irmã bávara CSU, Verdes e com os liberais do FDP, sem conseguir superar impasses em questões relevantes como política migratória.

    Os três partidos se reuniram madrugada adentro, e até o momento não havia anúncio de uma aliança formal para governar.

    É possível alongar o prazo, estipulado pela própria chanceler —em 2013, a formação do governo levou 86 dias. Mas caso as siglas não cheguem a acordo, Merkel tem poucas opções: buscar outras alianças, tentar governar em minoria ou dissolver o Parlamento, convocando novas eleições em dois meses.

    Essa última perspectiva preocupa a chanceler, pois o novo pleito pode ampliar o espaço da sigla da direita nacionalista AfD (Alternativa para a Alemanha), que em setembro entrou no Parlamento com 92 assentos de 709. Foi a primeira vez, desde o pós-guerra, que uma legenda dessa faixa do espectro político emplacou no Bundestag.

    Criada em 2013 com plataforma antieuropeísta, ela conquistou um eleitorado descrente das agremiações tradicionais com uma retórica anti-islã e anti-imigrantes.

    O fracasso em formar a aliança com CSU, Verdes e FDP —conhecida como "Jamaica", porque as cores de cada um dos três partidos remetem ao verde, amarelo e preto da bandeira do país caribenho— também será visto como fracasso pessoal de Merkel, há 12 anos no poder.

    VOTAÇÃO POR PARTIDO - Em %

    DIVERGÊNCIAS

    A migração é um dos temas mais complicados nas negociações. Os Verdes querem facilitar a vinda das famílias de refugiados à Alemanha, algo a que CDU e FDP se opõem.

    Estima-se que 300 mil pessoas poderiam vir para o país dentro do plano dos Verdes, e Merkel já sofreu danos políticos por ter permitido a entrada de quase 1 milhão de pessoas em 2015 com sua política de portas abertas.

    Após as eleições, a CSU ameaçou romper sua parceria de mais de 40 anos com a CDU por causa de seu péssimo resultado na Baviera, que a primeira atribuiu ao acolhimento maciço de estrangeiros preconizado por Merkel.

    A ruptura não aconteceu, mas a CSU imprimiu caráter mais conservador às conversas —é dela, por exemplo, a exigência da cota de 200 mil refugiados por ano—, ampliando a rixa com os Verdes.

    Outra divergência entre os partidos em tratativas está na política ambiental: os Verdes querem fechar 20 termelétricas a carvão e reduzir emissões de carbono em 120 milhões de toneladas métricas, quase o dobro dos 66 milhões propostos por CDU e FDP, que aceitam fechar dez usinas.

    Há ainda desacordo quanto à agenda de reformas da União Europeia, proposta pelo presidente francês, Emmanuel Macron, com apoio de Merkel.

    A QUALQUER PREÇO

    Joachim Herrmann, aliado de Merkel, afirmou ter dúvidas sobre a superação das diferenças. Jens Spahn, também da CDU, disse que não se buscava uma "coalizão a qualquer preço".

    A chanceler, por sua vez, disse a repórteres mais tarde que via chance de desfecho positivo. O governo anterior de Merkel, que segue no poder até o anúncio de nova aliança, era formado pela "grande coalizão" com os rivais SPD (sociais-democratas).

    Mas o SPD declarou que voltará à oposição, onde pode fortalecer sua atuação.

    Mesmo que a coalizão Jamaica seja confirmada pelos líderes dos partidos, ela precisará do aval dos demais filiados, um obstáculo extra.

    Os Verdes, por exemplo, examinariam o acordo em sua conferência de 25 de novembro, e concessões sobre imigração e ambiente podem ser rechaçadas por sua base.

    "A CDU estava preparada para entrar numa coalizão com os Verdes ou com o FDP. Nunca houve uma coalizão entre CDU e Verdes, mas dizem que era o que Merkel preferia", explica Ulrike Franke, do Conselho Europeu de Relações Exteriores, baseado em Berlim.

    "O problema é entre Verdes e FDP, primeiramente, e para completar, a CSU virou quase um partido independente. Nunca teve papel tão importante em conversas de coalizão."

    País de tradições políticas, a Alemanha quer manter esta: a de que, após uma curta campanha, apesar das diferenças, há consenso.

    "Pode ser que desta vez haja um consenso que não dure quatro anos. Pode ser que ele se baseie no mínimo denominador comum", afirmou Sudha David-Wilp, vice-diretora do German Marshall Fund em Berlim.

    *

    IMPASSE ALEMÃO
    Principais obstáculos para a coalizão 'Jamaica'

    Imigração
    Os Verdes defendem a reunião familiar e se opõem à cota de 200 mil refugiados/ano. São contra manter refugiados que aguardam definição de status em centros

    Clima
    Os Verdes querem fechar 20 usinas de carvão cortar 120 toneladas métricas de emissões de carbono. Os demais propõem 10 usinas e o corte de 66 toneladas de emissões

    União Europeia
    Merkel acata a proposta da França para apontar um ministro das Finanças do bloco, com poderes orçamentários na zona do euro. O FDP é contra. Os Verdes a apoiam

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017