• Opinião

    Friday, 24-Nov-2017 05:35:18 BRST

    CARLOS LIMA E GUIDO SOLARI

    Um chamado ao capital externo

    08/11/2017 02h00

    Divulgação
    Premiação paga até R$ 12,5 mil para reportagens de economia
    Brasil registrou queda de 23% no fluxo de investimento estrangeiro em 2016

    O Brasil enfrenta o colossal desafio de recolocar a economia no rumo do crescimento consistente e contínuo. Só assim será possível superar graves problemas que afligem a sociedade, como o desemprego que atinge 13 milhões de pessoas.

    Nesse esforço, não podemos abrir mão do investimento externo, sobretudo numa conjuntura em que a União, os Estados e os municípios apresentam baixa capacidade de investimento.

    O que vemos, porém, é uma retração no fluxo de recursos externos para o Brasil. Em 2016, o volume caiu para US$ 50 bilhões, contra US$ 65 bilhões registrados no ano anterior, segundo a Unctad (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento) —uma queda de 23%, bem superior à média global de 13%.

    Mesmo assim, o Brasil foi o sexto principal destino de investimentos externos no mundo, demonstrando que, apesar da instabilidade política e econômica, o país desperta o interesse dos investidores.

    Ou seja, a atração desse capital é factível e deveria constar da agenda deste e do governo que será escolhido pela população nas eleições do próximo ano.

    É certo que o ambiente de negócios brasileiro não é amigável em função da burocracia, da carga tributária e da complexidade da estrutura fiscal. Por outro lado, o Brasil possui um mercado interno de enorme potencial e com grandes oportunidades de negócio.

    Sua liderança econômica no continente também o credencia a se tornar base de exportação para os demais mercados da região.

    Assim, além de começar a remover os obstáculos já citados, o país deveria assumir uma atitude ousada na disputa pelos recursos disponíveis para investimentos ao redor do mundo, promovendo eventos e "roadshows" para apresentar as oportunidades e potencialidades encobertas nos últimos anos pela recessão e por acontecimentos negativos, como a corrupção exposta pela Lava Jato.

    Pode parecer irreal defender a alocação de dinheiro público para essa tarefa num momento de forte restrição orçamentária. Há, porém, programas de atração de investimentos baseados em parcerias com empresas privadas, que não requerem grandes volumes de dinheiro.

    Em 2014, por exemplo, o governo do Reino Unido promoveu uma licitação pública para selecionar consultorias que conduzissem o processo de busca de investimentos em diversas regiões do planeta.

    Na América Latina, com exceção do Brasil e do México, a escolhida foi a consultoria brasileira Integration.

    Os resultados obtidos com esse trabalho, que motivou mais de 50 empresas latino-americanas a se instalarem no mercado britânico, revelam que parcerias bem construídas e criativas podem ser um importante aliado na atração do capital externo e na recuperação do crescimento econômico, sem a necessidade de investimentos vultosos.

    Eis aí um debate obrigatório para um país que, como o Brasil, necessita urgentemente retomar o desenvolvimento e se integrar à economia mundial, assumindo um protagonismo que perdeu nas últimas décadas.

    No próximo ano, graças à campanha eleitoral, a sociedade mergulhará num profundo processo de reflexão sobre grandes temas nacionais. Este é um ponto que deverá estar presente na agenda de todos os candidatos e ser exaustivamente debatido em função de sua importância para o futuro do país.

    CARLOS LIMA, formado em administração de empresas pela FGV-SP com especialização em filosofia, é sócio-fundador e presidente da Integration Consulting
    GUIDO SOLARI, formado em Economia pela Universidad Torcuato Di Tella (Buenos Aires) e pela Paris IX Dauphine, é diretor da Integration

    PARTICIPAÇÃO

    Para colaborar, basta enviar e-mail para debates@grupofolha.com.br

    Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017