• Opinião

    Friday, 17-Nov-2017 19:08:34 BRST

    RICARDO PATAH

    Pimenta nos olhos dos outros...

    10/11/2017 02h00

    Pedro Ladeira/Folhapress
    BRASILIA, DF, BRASIL, 11-07-2017, 12h00: Senadoras da oposição fazem obstrução e tentam impedir a votação da reforma trabalhista no senado federal. Elas sentaram na cadeira do presidente do senado e não deixaram o presidente Eunício Oliveira (PMDB-CE) iniciar a sessão. Houve um impasse entre Eunício e os senadores da oposição e a presidência ordenou o desligamento das luzes do plenário. Após cerca de 5 horas no escuro, as luzes do plenário foram religadas, porém, o impasse sobre o funcionamento da sessão continua. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)
    Sessão de votação do projeto da reforma trabalhista no Senado, em julho

    A tempestade perfeita desaba neste sábado (11) sobre os trabalhadores, com a entrada em vigor da "reforma trabalhista", que nada mais é do que um eufemismo para um retrocesso, inédito, nos nossos direitos, com precarização total de empregos e salários em todos os níveis e em todas as profissões.

    Há também o objetivo principal —esta é a grande e indiscutível verdade— de aniquilar o movimento sindical, nossa representação maior. A reforma, ditada pelo mercado e sem um mínimo de debate com a sociedade, foi feita por um Congresso envolvido em denúncias da Operação Lava Jato.

    Assinada pelo presidente Michel Temer, que teve de vender a alma a deputados e senadores para se manter no poder depois das denúncias da PGR (Procuradoria-Geral da República), a "reforma" agride a cidadania e desequilibra a relação entre capital-trabalho a favor dos patrões, como nunca ocorreu antes no Brasil. Um atentado à democracia.

    Esse fenômeno vem ocorrendo em vários países da Europa. O FMI avaliou recentemente a reforma trabalhista da Espanha. Viu que houve recuperação, mas com empregos e salários precarizados. Isso já vem ocorrendo por aqui, diz o IBGE. Há emprego (vamos ser honestos, "bicos"), enorme taxa de informalidade e salários baixíssimos.

    E não há como comparar países europeus com o Brasil na flexibilização. Até porque aqui foi na base da terra arrasada. E como desgraça pouca é bobagem, não temos nenhum fiapo de proteção social, ao contrário da Europa.

    O Congresso pode ter praticado na reforma, segundo especialistas, violações constitucionais e agressões a normas da Organização Internacional do Trabalho. Tanto que juízes, fiscais e procuradores afirmam que poderão não aplicar o que foi decidido. Mas há também quem queira seguir em frente, o que pode gerar grande imbróglio jurídico.

    O imposto não foi criado pelos trabalhadores nem pelos empresários, mas vale para ambos. Faz parte das instituições nacionais, como o voto obrigatório, o fundo partidário e outros mecanismos importantes para o funcionamento da sociedade. A vida sindical foi estruturada com esse dinheiro. Não temos acesso a outras fontes de renda.

    Entendemos que é normal que a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), com 74 anos, seja modernizada. Mas nós da UGT (União Geral dos Trabalhadores) sempre defendemos a reforma do Estado como um todo. Esta é a prioridade zero de nosso país. Esta reforma trabalhista criou mais um inferno para os trabalhadores, que já convivem com a dolorosa desgraça de 13 milhões de desempregados.

    Toda reforma tem um rito de passagem. Menos numa ditadura, não é mesmo?

    A nossa teria que ser um imposto transitório, para nos reorganizarmos e continuar a defender os interesses dos trabalhadores. Até porque um dos pontos fundamentais da reforma é a prevalência do negociado sobre o legislado. Esse estrangulamento financeiro vem na contramão dessa lei. Tentamos explicar isso ao presidente Temer e aos congressistas. Sem chances.

    Deputados, senadores, ruralistas e outros aliados do governo receberam todas as graças que pediram, e nós vamos ter que pagar a conta deles. Assim como vamos pagar a conta do novo fundo partidário, de R$ 1,8 bilhão, para as próximas eleições, para reeleger políticos que acabaram com o nosso imposto sindical, pago pelos trabalhadores. Não tinha dinheiro público.

    Resumo da ópera: os nossos sindicatos estão diante de uma tragédia: muitos vão fechar as portas (os irregulares, tudo bem), serão cortados quase todos os serviços. E o que é mais cruel –cerca de 200 mil trabalhadores dessas entidades serão demitidos. Pimenta nos olhos dos trabalhadores é refresco...

    RICARDO PATAH, formado em direito e administração, é presidente nacional da UGT (União Geral dos Trabalhadores)

    PARTICIPAÇÃO

    Para colaborar, basta enviar e-mail para debates@grupofolha.com.br

    Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017