• Poder

    Monday, 23-Oct-2017 04:05:44 BRST

    Recém-formado, filho de Cabral é nomeado secretário estadual no Rio

    ITALO NOGUEIRA
    DO RIO

    22/12/2014 15h31

    O governador reeleito do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), anunciou nesta segunda-feira (22) o filho do ex-governador Sérgio Cabral, o deputado eleito Marco Antônio Cabral (PMDB), 23, como o futuro secretário de Esporte, Lazer e Juventude. Ele assumirá o cargo no início de 2015.

    Estudante de Direito da PUC-RJ, Marco Antônio vai se formar no início do ano que vem, segundo sua assessoria de imprensa. Ele foi eleito deputado com 119 mil votos, com uma campanha com forte apoio do PMDB-RJ —a sigla financiou 68,6% dela. Diferentemente de Pezão, o filho do ex-governador apoiou a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB) à Presidência.

    O futuro secretário foi presidente nacional da Juventude do PMDB e vice-presidente do PMDB-RJ. Ele também ocupou por um ano, entre 2011 e 2012, um cargo comissionado na Secretaria Municipal da Casa Civil do Rio, onde tinha como atribuição auxiliar na elaboração de projetos de PPP (parceria público-privada). A assessoria de Marco Antônio afirmou que ele não poderia dar entrevistas nesta segunda por estar ocupado com reuniões de preparação para assumir o cargo.

    Sergio Lima - 1.mar.13/Folhapress
    Marco Antonio Cabral, filho do governador do Rio, Sérgio Cabral, em convenção do PMDB, em Brasilia
    Marco Antonio Cabral, filho do governador do Rio, Sérgio Cabral, em convenção do PMDB, em Brasilia

    Um dos motivos da renúncia de Sérgio Cabral em março foi permitir a candidatura de Marco Antônio –a Justiça Eleitoral proíbe que parentes do chefe do Executivo concorram a cargo no mesmo Estado. O ex-governador deixou o cargo com baixa popularidade e pouco apareceu no programa de TV da campanha de Pezão ou do próprio filho.

    Marco Antônio acompanhou ao lado do pai diversos momentos importantes da gestão Cabral (2007-2014), entre eles a ocupação do Complexo do Alemão, em 2011. O engajamento na política também atrapalhou os estudos: ele repetiu duas das oito matérias que cursou naquele ano.

    "Herdei do meu pai essa capacidade de agregar pessoas em torno de um projeto, de uma candidatura. Acho que isso é bem importante na política", disse ele, em entrevista este ano durante a campanha.

    Foi também ao lado do filho, o segundo dos cinco de dois casamentos, que Sérgio Cabral viveu a maior crise dos dois mandatos. Em junho de 2011, Marco Antônio perdeu a namorada, Mariana, em um acidente aéreo de helicóptero no litoral da Bahia. Os dois se conheciam desde os 12 anos. O acidente revelou a relação do governador com os empresários Fernando Cavendish (dono da empreiteira Delta) e Eike Batista.

    Marco Antônio disse, em entrevista à Folha em março de 2012, que o pai errou ao viajar no jatinho de Eike, o que Cabral reconheceu à época. Mas considerou "babacas" as críticas à amizade com Cavendish, cuja empresa tem mais de R$ 1 bilhão em contratos com o governo.

    "A amizade antecedia o mandato. O cara é governador e só pode ter amizade com gente pobre?", disse ele há dois anos.

    Pezão anunciou todo o futuro secretariado nesta segunda. Como já anunciado, não há representantes do PT no primeiro escalão do governo estadual. O PSDB indicou o deputado José Luiz Nanci (PPS) como secretário de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida –sua nomeação abre uma vaga a ser ocupada pelo PSDB na Assembleia Legislativa. No total, Pezão nomeou 12 deputados para as 25 pastas. Eram 11 em março, quando Cabral deixou o governo.

    A maioria dos partidos mantiveram as secretarias que ocupavam em abril, após a saída do PT do governo e reformulação da aliança em torno de Pezão. A principal mudança ocorreu na Secretaria de Saúde, pela primeira vez ocupada por um deputado desde o início do governo Cabral. O escolhido foi o deputado Felipe Peixoto (PDT).

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017