• Poder

    Wednesday, 22-Nov-2017 01:25:13 BRST

    folha, 95 anos

    Redação de jornal tem mais machismo que áreas de conflito, diz espanhola

    FERNANDA MENA
    DE SÃO PAULO

    26/02/2016 02h00

    Danilo Verpa/Folhapress
    SAO PAULO - SP - 19.02.2016 - 10h - mesa 6 - NAO ATIRE, SOU JORNALISTA - COBERTURA EM AREAS DE CONFLITO - Os jornalistas Mayte Carrasco, James Harkin, Joao Wainer com mediacao de Patricia Campos Mello durante o Evento Folha 95 anos. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress, PODER) ORG XMIT: EVENTO FOLHA 95 ANOS
    A jornalista espanhola Mayte Carrasco durante o Encontro Folha de Jornalismo

    A mais conhecida correspondente de guerra espanhola, Mayte Carrasco, 41, costuma inverter o senso comum de que jornalistas mulheres teriam desvantagens ao atuar em zonas de conflito.

    "Nunca tive problemas por ser mulher. Além disso, eu tinha acesso à comunidade feminina local, coisa que nenhum colega homem tinha."

    Ela avalia que a próxima fronteira da cobertura sobre o Estado Islâmico deve se voltar ao deserto da Líbia, seu provável próximo destino.

    *

    Como e por que começou a cobrir conflitos?
    Nunca quis cobrir guerras, mas tive essa oportunidade quando era correspondente na Rússia e teve início a guerra da Geórgia. Decidi ir para lá e descobri que cobrir conflitos era jornalismo na veia, era ser testemunha da história e falar com seus protagonistas. Dizem que quem tem coragem tem colhão; eu digo que tenho ovários.

    E como é ser mulher nesse contexto?
    Eu me incomodo quando me perguntam se tenho filhos, porque é algo que nunca se pergunta aos homens. O machismo não está tanto na zona de conflito como está nas Redações e na sociedade.

    Os talibãs no Afeganistão me davam acesso e entrevistas. Só não me olhavam nos olhos nem apertavam minhas mãos. No entanto, com militares espanhóis e italianos eu tinha de ser agradável para quebrar certos obstáculos.

    Você já esteve sequestrada na Síria sem perceber. Como?
    Estava com outro freelancer tentando sair do país para o Líbano e nos abrigamos na casa de uma família, porque a cidade em que estávamos havia sido cercada pelas tropas de Bashar Al-Assad. A família nos tratou muito bem, mas não nos deixava sair da casa nem nos comunicarmos por telefone.

    Quando conseguimos sair, fomos informados de que o chefe da família era um contrabandista e havia tentado nos vender, sem sucesso. Tenho muitos colegas que estão sequestrados ou que foram mortos. A exibição propagandística da morte desses colegas é algo obsceno e triste.

    Por que os jornalistas se tornaram alvos do EI?
    Desde que comecei a cobrir guerras, o risco aumentou muito. Conflitos se tornaram complexos, incontroláveis. A tênue linha de confiança está cada vez mais frágil. E, nesses momentos, valemos o que valem nossos passaportes.

    Disse que não volta à Síria. Quais conflitos planeja cobrir?
    Quero investigar a dimensão que o EI está tomando fora da Síria, especialmente na Líbia, cujo deserto é um epicentro dos negócios antes liderados pela Al Qaeda, como tráfico de drogas e pessoas.

    Encontro Folha

    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017