• Poder

    Sunday, 17-Dec-2017 06:13:36 BRST

    o impeachment

    Gilberto Carvalho é chamado de 'ladrão' ao visitar Lula em hotel

    AGUIRRE TALENTO
    DE BRASÍLIA

    15/04/2016 11h37

    O ex-ministro petista Gilberto Carvalho foi hostilizado por manifestantes na manhã desta sexta-feira (15) ao chegar ao hotel Royal Tulip, em Brasília, para encontrar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está hospedado no local.

    Carvalho chegou ao hotel no mesmo horário em que um grupo de cerca de dez manifestantes de Curitiba e São Paulo, dos movimentos Mais Brasil Eu Acredito e nasruas, também chegava, mas para se hospedar no local. Foi, então, abordado por eles na entrada.

    "Tem orgulho dos seus companheiros presos?", questiona a manifestante Claudia Zambelli, do movimento nasruas. Carvalho responde: "Não, eu tenho orgulho de não ser ladrão e de que a imensa maioria dos nossos companheiros não são ladrões. Os que roubaram estão presos".

    Ao ser interrompido, Carvalho tenta encerrar a conversa dizendo respeitar a opinião deles. "Eu sou ladrão?", pergunta. A manifestante responde: "O senhor é. E o senhor vai ser preso também".

    O ex-ministro continua tentando debater, mas encerra dizendo que "vocês são governados pelo [vice-presidente Michel] Temer e pelo [presidente da Câmara Eduardo] Cunha". Ambos foram criticados pela presidente Dilma Rousseff nessa semana como "conspiradores".

    Após a conversa que durou pouco mais de um minuto, Carvalho entrou no hotel e foi em direção ao elevador, para ir ao encontro de Lula.

    Negou que o quadro político esteja difícil para o governo apesar da debandada de diversos partidos da base aliada. "Essa debandada era coisa esperada por nós. O importante é que os partidos não fecharam questão", disse à Folha.

    Os manifestantes, que vieram de fora para os protestos se hospedar em um dos hotéis mais caros de Brasília, o Royal Tulip, cujas diárias são superiores a R$ 300, afirmam que quiseram ficar no local justamente para estarem próximos de Lula e seus aliados.

    "A ideia de ficar nesse hotel foi para a gente estar em contato com eles", afirmou Rafaela Pilagallo, do movimento Mais Brasil Eu Acredito, que se declara ser da "República de Curitiba".

    Rafaela ressalta que o movimento é pacífico e que, ao ficar no hotel, a intenção é ter a chance de debater com aliados da petista sobre as razões de seu impeachment. "Não somos contra diálogo e podemos até reverter alguns votos contra o impeachment", disse. Os manifestantes vieram para participar dos protestos deste fim de semana em Brasília e, por isso, devem ficar até segunda-feira (18).

    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017