• Poder

    Saturday, 16-Dec-2017 12:38:56 BRST

    Doria pede 'oração para o Brasil' em igreja de amigo bispo

    ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
    DE SÃO PAULO

    20/05/2017 21h18

    Anna Virginia Balloussier/Folhapress
    Doria discursa na Assembleia de Deus Madureira
    Doria discursa na Assembleia de Deus Madureira, em São Paulo

    A festa de 47 anos do bispo Samuel Ferreira, líder de uma das mais poderosas Assembleias de Deus, a Madureira, ganhou ares de ato político com o discurso de um bom amigo do aniversariante: o prefeito de São Paulo, João Doria.

    Por "um país mais decente e honesto", diante de uma plateia lotada, Doria pediu uma oração para o Brasil, na noite deste sábado (20).

    "Vou tomar liberdade de pedir uma oração pro Brasil. Nosso país vive momento delicado, mas que vamos superar. O Brasil tem raízes mais profundas do que qualquer crise. Um povo que supera tudo porque tem Deus no coração."

    Apostou ainda na ideia de "um Brasil se renovando, como disse o bispo Manoel Ferreira [pai de Samuel e fundador da igreja]". Na eleição municipal, a aura de novidade foi uma das que mais colaram no prefeito que se diz gestor.

    O patriarca Manoel pediu em seguida uma oração para "o país" e "o presidente Temer". De manhã, o prefeito defendeu a permanência do PSDB no governo de Michel Temer –fragilizado após delação premiada dos donos da JBS que o atinge pessoalmente.

    Minutos depois, o bispo Abner Ferreira, irmão de Samuel, confundiu-se e chamou Doria de prefeito do Rio. Logo se corrigiu: "É que ele é prefeito de São Paulo e presidente no coração dos cariocas".

    No mês passado, reportagem da Folha esmiuçou a rede evangélica que se forma em torno da chapa "Doria presidente" para 2018.

    "Você não está ouvindo isso", disse Samuel a João, antes de despejar elogios para um homem que teria ficado pequeno para o Executivo municipal (Doria não assume abertamente ambições eleitorais para o ano que vem). "O Brasil está precisando de alguém para reunir o país."

    O prefeito passou na sede paulista da Assembleia de Samuel, no Brás (região central), após outro aniversário à tarde, desta vez do católico padre Marcelo Rossi, 50.

    Foi com Geraldo Alckmin na primeira celebração. O governador era esperado na segunda, mas faltou. O secretário estadual de Saúde, David Uip, cotado para disputar sua sucessão, o representou.

    O compromisso com os evangélicos não foi incluído na agenda oficial do prefeito. É a segunda visita ao Brás em dois meses: em março, Doria recebeu uma bênção coletiva na igreja, com vários pastores repousando as mãos sob sua cabeça para lhe oferecer uma oração.

    Doria saudou nominalmente o presidente do PSC, pastor Everaldo, e o deputado estadual Cezinha de Madureira, braço da igreja na Assembleia Legislativa de SP. Celebrou sobretudo Samuel, que em março já se gabava de trocar mensagens no WhatsApp com o prefeito.

    "Não tinha never hipótese de eu não estar aqui", disse no púlpito, num afago ao amigo bispo. "Se tivesse outra coisa marcada, iria cancelar."

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017