• Poder

    Monday, 20-Nov-2017 05:24:38 BRST

    Lava Jato

    Compra de silêncio foi 'forjada' para derrubar Temer, diz Cunha

    FÁBIO FABRINI
    REYNALDO TUROLLO JR.
    DE BRASÍLIA

    06/11/2017 15h55

    O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou nesta segunda (6) que seu silêncio tenha sido "comprado" para evitar que fizesse delação e implicasse o presidente Michel Temer.

    Em depoimento prestado à Justiça Federal em Brasília, ele disse que a suposta trama –levantada na colaboração do empresário Joesley Batista, da JBS– foi montada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) para provocar a queda do presidente.

    A acusação embasou a segunda denúncia ajuizada pelo ex-procurador geral da República Rodrigo Janot contra Temer. A Câmara negou prosseguimento à ação.

    "Queriam atribuir isso para justificar uma denúncia que pegasse o mandato do senhor Michel Temer. Prova forjada, deram uma forjada e o senhor Joesley foi o cúmplice dessa forjada. Ele está pagando por isso o preço agora", declarou Cunha, referindo-se ao pedido de rescisão da delação do empresário por suspeitas de que tenha omitido informações dos investigadores.

    Cunha alegou que o MPF (Ministério Público Federal) não lhe havia proposto uma colaboração. "Ele [Joesley] construiu a retórica de que o senhor Michel Temer era complacente com a compra do silêncio para eu não delatar", comentou.

    Cunha está sendo interrogado desde as 9h30 na ação em que é réu por suposto envolvimento em esquema de corrupção na Caixa. Também são acusados o corretor Lúcio Funaro e o ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto, ambos delatores do caso, além do ex-ministro e ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

    Trecho depoimento Cunha

    PERÍCIA

    O ex-deputado negou todas as acusações de recebimento de propina feitas pelo MPF e pelos colaboradores. Disse que sua defesa vai pedir perícia de planilhas apresentadas por Funaro, nas quais constariam os pagamentos ilícitos feitos a ele.

    Para confrontar Cunha, o corretor mostrou uma dessas planilhas durante a audiência. No papel, constaria uma anotação feita pelo ex-deputado. Ele, no entanto, afirmou que não queria "nem olhar" o documento para dizer se o manuscrito é seu.

    "Vossa Excelência faça a perícia e comprove que é minha a letra", disse, dirigindo-se ao procurador Anselmo Lopes, que o inquiria. "Vamos representar à PGR [Procuradoria-Geral da República] para fazer reexame na delação do senhor Lúcio Funaro."

    Trecho depoimento de Cunha

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017