• Poder

    Monday, 20-Nov-2017 02:03:38 BRST

    Lava Jato

    Ex-assessor de Cabral confirma pela primeira vez propina a ex-governador

    ITALO NOGUEIRA
    DO RIO

    08/11/2017 21h03

    José Lucena - 10.jul.2017/Futura Press/Folhapress
    O ex-governador Sérgio Cabral deixa sede da Justiça Federal no Rio de Janeiro
    O ex-governador Sérgio Cabral deixa sede da Justiça Federal no Rio de Janeiro

    Principal auxiliar do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) de acordo com o Ministério Público Federal, o economista Carlos Emanuel Miranda confessou em depoimento nesta quarta-feira (8) que gerenciava a propina paga ao peemedebista por fornecedores do Estado. É a primeira vez que ele depõe num processo da Operação Lava Jato –nas outras seis oportunidades, ele permaneceu em silêncio.

    Miranda depôs em ação penal em que é acusado por desvios no setor de saúde. Ele afirma ter ouvido de Cabral que o ex-secretário Sérgio Côrtes organizaria as vantagens.

    "Fui informado pelo Sérgio Cabral que o Sérgio Côrtes iria organizar umas compras [no setor de saúde] e que dessas compras existiria um pagamento de propina", disse Miranda.

    Côrtes afirmou que recebeu recursos, mas sem vínculos com seus atos no cargo. Cabral diz que os valores se referiam a caixa dois de campanha eleitoral, do qual ele reconhece ter usado para gastos pessoais.

    O ex-assessor de Cabral negou a principal tese de defesa do peemedebista.

    "Não [era contribuição para campanha política]. Eventualmente alguns valores foram gastos em campanha, mas não era contribuição para campanha", declarou ele.

    Miranda é apontado pelas investigações como o principal responsável por gerenciar o recolhimento do dinheiro com fornecedores do Estado. Ele afirmou que tinha "encontros regulares" com Cabral para discutir o gerenciamento dos recursos.

    O ex-assessor decidiu adotar a mesma estratégia de defesa de um dos principais recolhedores dos recursos a partir de 2011, Luiz Carlos Bezerra. Este já havia confessado os crimes em processo anteriores e conseguiu redução de pena nas condenações.

    Até 2010, Miranda gerenciava e recolhia o dinheiro, segunda as investigações. Ele afirmou que deixou a função de buscar os recursos em razão de "rumores de que meu nome havia sido citado na Operação Castelo de Areia".

    "Sérgio Cabral e Wilson Carlos me pediram para me afastar do recolhimento de dinheiro e colocar o Bezerra. Mas continuei gerenciando os recursos", disse Miranda.

    O ex-assessor, assim como Cabral, já foi condenado em três processos. Ele soma pena de 47 anos de reclusão.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017