• Ambiente

    Sunday, 23-Jun-2024 18:49:46 -03

    Cabras arrasaram com espécie nativa da ilha de Trindade; conheça a história

    RICARDO BONALUME NETO
    ENVIADO ESPECIAL À ILHA DA TRINDADE

    19/09/2016 02h00

    Ilhas oceânicas evoluíram durante milhões ou milhares de anos, produzindo ambientes muito originais e equilibrados. Isso, até o homem introduzir uma planta ou um animal invasor.

    A introdução fazia sentido aos marinheiros das grandes navegações europeias, iniciadas no século 15. A ideia era criar um supermercado próprio de vegetais e especialmente animais, com ênfase naqueles que comem de tudo e se reproduzem rápido –cabras, galinhas, bodes, e porcos.

    Só que esses bichos arrasavam a fauna e flora locais. Como aconteceu em várias ilhas famosas –como o Havaí e as Galápagos– e também na pequenina brasileira Trindade.

    Segundo Ruy José Válka Alves, do Museu Nacional da UFRJ (Universidade Nacional do Rio de Janeiro), até o século 17 as florestas dominadas pela árvore conhecida pelo nome científico Colubrina glandulosa cobriam 80% da Ilha.

    "Essas florestas ainda estavam vivas e saudáveis em 1700, quando a Ilha foi visitada pelo famoso astrônomo sir Edmund Halley.

    Porém, das duas visitas em 1881 e 1889, Edward Frederick Knight (1852-1925) relatou uma floresta morta. As causas de tal degradação podem ser seguramente atribuídas às sucessivas ocupações da ilha por humanos e seus animais domésticos", escreveu Alves.

    "A diversidade de espécies vegetais antes de 1700 foi certamente maior que a atual. Como a primeira observação florística da ilha foi feita em 1783, acreditamos que muitas espécies que aí ocorriam já teriam sido eliminadas pelas cabras. Mesmo o quadro da devastação mais recente é impressionante", afirma o pesquisador.

    Entre 1959 e 1965, Johann Becker (1932-2004), naturalista e professor do Museu Nacional, fez várias campanhas de coleta em Trindade ele encontrou e amostrou o último espécime vivo de C. glandulosa.

    O jornalista viajou a convite da Marinha do Brasil, a bordo do NDCC Almirante Saboia

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024