​

Folha de S.Paulo

'Seguimos no limite', diz especialista em crise hídrica sobre represas de SP


Em vez de ficar flertando com o fundo vazio das represas, a gestão de água em São Paulo precisa melhorar de nível, diz o biólogo Samuel Barreto, especialista em recursos hídricos da ONG The Nature Conservancy no Brasil.

Para Barreto, essa seria uma grande lição da crise hídrica paulista, a ser lembrada hoje (22), Dia Mundial da Água, e daqui pra frente.

"O Brasil precisa mudar de patamar, assim como fez a Austrália, depois da severa crise hídrica que ela viveu entre o fim dos anos 1990 e primeira década deste século."

No caso paulista, o abastecimento de água da região metropolitana entrou em colapso entre 2014 e 2015. No fim de janeiro de 2015, o sistema Cantareira registrou só 3,9% da sua capacidade.

Apesar dos esforços do governo estadual e da mobilização da população, a inesperada chuva acima da média de fevereiro de 2015 foi decisiva para evitar o rodízio.

A experiência australiana, esmiuçada por Barreto e vários estudos internacionais, deixa dois pontos centrais como alertas para o futuro.

"É importante que a gestão hídrica seja uma política de Estado, independentemente dos governos", afirma.

Na Austrália, a atual política de recursos hídricos prevê uma série de gatilhos para que ações de redução da oferta de água sejam deflagradas em áreas mais suscetíveis à seca.

O estado de emergência, o pior entre os cinco previstos na lei, entra em funcionamento quando a represa atingir 25% da sua capacidade.

"Outro ponto fundamental adotado lá é poder responsabilizar legalmente os gestores que não administrarem corretamente os recursos hídricos", diz o biólogo.

Todas as análises internacionais, que englobam também o caso da Califórnia, mostram que não existe saída que não seja coletiva. Governo, usuários e sociedade civil organizada precisam entender o problema para um trabalho em sintonia.

Em São Paulo, de acordo com Barreto, "o governo teve papel importante, mas a mobilização da sociedade [que consumiu menos água] não foi desprezível".

Considerando que a fase aguda da crise hídrica está superada, o biólogo não descarta a possibilidade da estiagem voltar a atingir os paulistas no médio prazo, algo como cinco ou seis anos.

"Nós continuamos no limite da oferta e da demanda. Não temos reserva", diz Barreto. Na contabilidade do especialista, é como se houvesse um orçamento de R$ 100 para um gasto de R$ 97.

"O risco é grande. A chance de estourar o limite está sempre presente", afirma.

Uma gestão mais moderna dos recursos hídricos não pode se concentrar apenas no aumento da oferta.

"A gente bateu na trave, com a bola quicando sobre a linha do gol. Havia um plano B para sustentar o consumo de 5 milhões de pessoas?", pergunta Barreto, caso o Cantareira tivesse secado.

"Só estamos em situação confortável porque choveu muito acima da média em fevereiro de 2015".

Mobilizar a população e olhar além dos mananciais são ações essenciais, segundo mostram os estudos. "Quase 70% das matas das represas precisam ser recuperadas. Não podemos perder os 30% que ainda existe."