Folha de S.Paulo

Teste genético ajuda médico a indicar o melhor antidepressivo


Depois do sequenciamento do genoma humano, veio a promessa da medicina personalizada. O objetivo final seria encontrar um remédio ideal para tratar não só uma doença, mas as minúcias e especificidades que se manifestam em cada indivíduo.

Mas se ainda está distante aquela ideia de ficção científica de pingar uma gota de sangue (ou inserir um fio de cabelo) em uma máquina e o dispositivo produzir a cura para todas as doenças que aquela pessoa tem –ou vai ter–, o caminho até lá está sendo pavimentado.

Uma das bases modernas da medicina personalizada é a área de pesquisa conhecida como farmacogenética. Ela se baseia na premissa de que é possível buscar, no genoma do indivíduo, pistas de quais drogas podem ou não funcionar para tratar determinadas doenças.

Os cientistas hoje se esforçam para destrinchar o que alterações em genes do complexo citocromo P450 (presente em células hepáticas e importante para a metabolização e eliminação de uma grande variedade de drogas) querem dizer para os tratamentos medicamentosos.

Se em um paciente esse complexo enzimático tem a característica de destruir rapidamente uma determinado calmante, a eficácia da droga provavelmente será afetada.

De posse dessa informação, algo pode ser feito para controlar a ansiedade dessa pessoa: entre as possibilidades estão aumentar a dose ou tentar uma opção de droga que não tenha esse perfil de metabolização tão acelerado.

Descobrir na base de tentativa e erro qual remédio funciona pode ser uma tarefa especialmente exaustiva, já que saber se um antidepressivo está funcionando pode demorar semanas.

Até remarcar a consulta com o médico e fazer uma nova tentativa, a saúde pode degringolar. Foi o que aconteceu com Thaís Helena dos Santos, 57.

Por 17 anos ela brigou contra a depressão e estava quase perdendo a luta. "Fiquei oito dias sem comer, cheguei a perder 24 quilos. Meus filhos achavam que eu não iria sobreviver."

Ela relata que foram oito internações em um ano e várias tentativas de remédio, seja para conseguir dormir ou para tentar tratar a doença, sem sucesso.

"Pedi licença do emprego achando que logo estaria de volta. Sem me recuperar, três anos depois fui aposentada por invalidez", relata.

A peregrinação de remédio em remédio estava ainda longe do final. "Eu estava sempre chapada por causa dos medicamentos, cheguei a ficar dependente de ansiolíticos e até participei de reunião dos narcóticos anônimos."

Uma das consequências desse período conturbado da vida de Thaís foi o diagnosticada com síndrome do intestino irritável. Ao investigar a doença, seu médico concluiu que as razões para o transtorno provavelmente eram psicológicas.

Thaís deixou de lado o neurologista e foi procurar um psiquiatra, que por sua vez recomendou a realização de um teste farmacogenético, que seria capaz de ajudar na seleção de um tratamento.

De fato, as drogas que até então vinha usando tinham boa chance de não funcionar ou de ter efeitos colaterais intensos. O médico escolheu uma das alternativas que pareciam promissoras e, desde então, 14 dos 25 quilos já foram recuperados.

"Ganhei de volta a capacidade de administrar minha vida, de dirigir um carro e de cuidar dos meus problemas, coisas das quais eu já não dava mais conta", conta ela.

Ao ver um amigo melhorar de uma depressão com o auxílio de um teste que investiga aspectos da ação de cerca de 70 drogas que agem no sistema nervoso central, o ex-piloto de corrida Cezar "Bocão" Pegoraro, 67, transformou-se em um entusiasta dessa modalidade de teste e até mesmo realizou o exame para tentar achar um meio de tratar a própria depressão.

"Eu estava há seis anos sem tomar remédio. Há coisas que me abalam que não abalariam normalmente. Por mais que fossem coisas consideradas leves, eu não me sentia estabilizado. Ao fazer o teste, eu queria saber se o DNA pode me dizer alguma coisa. Normalmente as pessoas tomam um remédio, depois outro, depois outro e mesmo assim têm as crises agudas. Um resultado que vai 'na mosca', pode ajudar bastante", conta ele.

A aposta de Gntech, empresa sediada em Florianópolis, foi começar suas atividades oferecendo uma avaliação do perfil de drogas que atuam no sistema nervoso central para problemas como depressão, ansiedade, deficit de atenção e psicoses.

O motivo disso, segundo Guido May, CEO da empresa, é que, nessa área médica, leva-se muito tempo até que se possa afirmar que a escolha de medicamento falhou.

O teste que a Gntech oferece, ao custo de R$ 3.990, é baseado em um sequenciamento genético de última geração, desenhado especificamente para essa modalidade de teste.

É um exame com objetivo diferente dos testes preditivos, que aferem a chance de uma pessoa desenvolver um tipo de câncer ou doença degenerativa, por exemplo.

No casos em questão, já existe um diagnóstico (depressão, por exemplo) e o teste serve como uma ferramenta de refinamento para o médico escolher a melhor droga, explica May.

Os maiores obstáculos para a consolidação dos testes farmacogenéticos, diz, são os próprios médicos, que têm que aprender a usar essa ferramenta, e a disponibilidade do exame, ainda restrita devido ao alto custo.

Se a promessa de que a farmacogenética seria parte integral do futuro da medicina parece se cumprir, a principal limitação ainda são as pesquisas que a embasam.

O que permite que se associem pequenas mudanças no DNA ao comportamento de drogas no organismo são estudos de ciência básica, feita na bancada de laboratórios de biologia molecular e farmacologia que acham essas pistas que, em grupo, alcançam um nível de relevância suficiente para embasar um laudo genético.

Na visão de especialistas, a falta desse tipo de estudos é o que define a limitação dos atuais testes para drogas que atuam no sistema nervoso central, no sistema cardiovascular ou em casos oncológicos.

Entre os milhares de possíveis variantes genéticas existentes na população, apenas algumas podem, de fato, dizer algo sobre o comportamento de drogas no organismo humano.

Entenda como funcionam os testes farmacogenéticos

COLETA
A pessoa recebe um tubo e um swab, haste usada para coletar células do interior da bochecha. O material deve ser enviado para o laboratório

ANÁLISE
Utilizando uma técnica de sequenciamento genético, a empresa identifica regiões no genoma associadas a melhor ou pior resposta de medicamentos

LAUDO
Um laudo é direcionado ao paciente e outro ao médico, o que pode ajudar na decisão sobre quais drogas podem ser utilizadas

CATEGORIAS
De acordo com as alterações, os medicamentos podem estar em três categorias: 'Usar conforme a bula', 'Usar com atenção' ou 'Usar com cautela e atenção'

PREÇO
Cerca de R$ 4.000, no caso de um painel genômico direcionado para drogas que agem no sistema nervoso central; o teste ainda não é coberto pelo SUS. A cobertura pelos planos de saúde não é obrigatória

Escolhas
Para doenças como depressão, psicoses, doenças cardíacas, deficit de atenção e transtornos de ansiedade há diversos tratamentos farmacológicos, mas nem todos funcionam bem para todas as pessoas

Efeitos indesejados
Não é raro que uma pessoa tenha de mudar de medicamento ou porque a primeira tentativa foi inócua ou porque os efeitos colaterais são intensos

Genes
Isso pode acontecer porque alguns genes do indivíduo podem ter "versões" favoráveis ou desfavoráveis ao desempenho da droga como previsto na bula

Citocromo
Várias mudanças em genes da família do citocromo P450 (CYP), por exemplo, estão associadas a diferentes respostas de drogas para uma metabolização mais rápida ou mais lenta

Rapidinho
Algumas "versões" de genes de proteínas do fígado podem fazer uma pessoa ser uma "metabolizadora rápida" –a droga é eliminada rapidamente e a atividade da droga não alcança o nível terapêutico desejado
Conduta possível: trocar de droga ou aumentar a dosagem

Encaixado
Certos remédios funcionam como uma chave que se encaixa em uma fechadura. Em algumas pessoas, esse encaixe pode ser mais eficaz; do mesmo jeito, se houver efeitos adversos, eles também podem ser maiores
Conduta possível: reduzir a dosagem

Droga preferida
Às vezes, por causa de alterações genéticas, a resposta a uma determinada droga é muito boa mas a resposta para outras moléculas é prejudicada
Conduta possível: adotar preferencialmente a droga de melhor resposta