• Ciência

    Monday, 20-May-2019 09:47:28 -03

    Cientistas investigam por que ave de Galápagos deixou de voar

    RICARDO BONALUME NETO
    DE SÃO PAULO

    16/06/2017 02h00

    Caroline Duffie Judy
    _Phalacrocorax harrisi_
    Phalacrocorax harrisi, o cormorão das ilhas Galápagos

    Um dos vários mistérios naturais que despertaram a curiosidade do naturalista britânico Charles Robert Darwin (1809-1882) e o estimularam a propor uma teoria para a evolução biológica teve suas bases moleculares decifradas.

    Um estudo publicado na revista "Science" revelou que uma série de genes pode estar envolvida na perda da capacidade de voar de uma ave aquática, o cormorão das ilhas Galápagos. E, surpreendentemente, os genes que estariam por trás das asas atrofiadas são semelhantes àqueles associados a problemas ósseos em seres humanos.

    Algumas aves voam e outras não, como avestruzes, galinhas e emas, mas o caso do cormorão é ainda mais curioso, já que, das cerca de 40 espécies dessas aves, apenas uma não consegue voar - aquela que Darwin encontrou nas Galápagos (nome científico Phalacrocorax harrisi).

    A evolução da perda de voo é uma das modificações de membros mais recorrentes na natureza. Para Darwin, seria mais um argumento em prol da sua teoria da evolução através da seleção natural.

    Pode-se definir a seleção natural como o processo na natureza pelo qual os organismos melhor adaptados ao seu ambiente tendem a sobreviver e a transmitir suas características genéticas. Ou, como diz a versão pop, "a sobrevivência dos mais aptos".

    O isolamento geográfico deste arquipélago no oceano Pacífico pertencente ao Equador contribuiu para que não houvesse nenhum grande predador terrestre, como os leões africanos. O topo da cadeia alimentar é constituído por aves de rapina, um tipo de gavião e um de coruja.

    Ou seja, não há predadores que demandariam que os cormorões mantivessem a capacidade de voo. Para Darwin, isso seria tanto resultado da "seleção natural positiva" para corpos maiores ou de uma seleção mais relaxada devido à ausência de predadores.

    O que a equipe de Alejandro Burga e Leonid Kruglyak da Universidade da Califórnia em Los Angeles (oeste dos EUA) fez foi comparar os genomas do cormorão de Galápagos e de outras três espécies de cormorões.

    Na ave das Galápagos, mas não nas outras três, foi achado um grande enriquecimento de genes associados a distúrbios do desenvolvimento humano, notadamente os que afetam o desenvolvimento dos membros.

    "Darwin, apenas examinando essas mudanças, inferiu o processo de evolução por seleção natural. Agora, temos ferramentas genéticas sofisticadas para reexaminar esses exemplos clássicos e descobrir o que aconteceu no nível molecular", disse Kruglyak.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019