• Ciência

    Wednesday, 03-Mar-2021 02:39:13 -03

    Software identifica 'rosto gay' e gera preocupação entre cientistas

    REINALDO JOSÉ LOPES
    COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

    25/09/2017 02h02

    Dboybaker/Flickr
    Olhar humano tem certo nível --pouco superior à aleatoriedade-- de sucesso nessa identificação
    Olhar humano tem certo nível –pouco superior à aleatoriedade– de sucesso nessa identificação

    O estudo americano que usou inteligência artificial para identificar pessoas homossexuais com base em traços do rosto tem bases científicas sólidas e pode até mesmo funcionar como alerta contra a discriminação, afirmam especialistas entrevistados pela Folha.

    Embora reconheçam a validade da preocupação gerada pela pesquisa, eles argumentam que suprimir esse tipo de análise é contraproducente, considerando que ela utiliza tecnologias que estarão disponíveis de forma cada vez mais ampla.

    A pesquisa foi aceita para publicação no periódico científico "Journal of Personality and Social Psychology".

    Michal Kosinski e Yilun Wang, da Universidade Stanford, usaram redes de computador que simulam, em parte, a capacidade de aprendizado dos neurônios humanos para identificar possíveis pequenas diferenças no aspecto facial de pessoas homossexuais e heterossexuais causadas por sutis diferenças hormonais (veja infográfico abaixo).

    O olhar humano tem algum sucesso –pouco superior ao esperado aleatoriamente– em identificar variações desse tipo, bem como diferenças no tom de voz e comportamento, mas a aposta dos cientistas era que o sistema poderia ser mais sensível.

    Após analisar milhares de fotos em sites de relacionamento, o sistema chegou a detectar quem era homossexual e quem era hétero, ao comparar duas fotos de indivíduos diferentes, com precisão de até 90% para homens e de até 80% em mulheres. Para comparação, o nível de acerto usando apenas o olhar humano fica entre 55% e 60%.

    PRIMEIRA IMPRESSÃO

    "Confesso que a primeira impressão que tive antes de ler foi de realmente ser um estudo muito perigoso, quase impublicável", diz Marco Antonio Correa Varella, que faz pós-doutorado em genética comportamental no Instituto de Psicologia da USP.

    No entanto, Varella ressalta o "cuidado metodológico" da pesquisa e o fato de que o próprio trabalho aponta "para uma vulnerabilidade real da invasão da privacidade, a ser considerada e regulada".

    "Para mim, o estudo foi muito bem feito, e os autores pensaram bastante sobre os abusos possíveis", diz Jaroslava Valentova, professora do Instituto de Psicologia da USP. Um dos trabalhos dela é citado pelos cientistas de Stanford por mostrar possíveis diferenças sutis de formato entre os rostos de gays e héteros.

    "Nenhum dos resultados é completamente novo", diz. "Já sabemos que indivíduos com diferentes orientações sexuais tendem a ter outras diferenças morfológicas, comportamentais, psicológicas, que geralmente são pequenas, e que a inteligência artificial consegue realizar várias tarefas com maior sucesso do que os humanos. O que pode parecer problemático é a mistura dessas duas linhas."

    Kosinski não respondeu aos pedidos de entrevista da Folha, mas publicou comentário sobre o assunto em seu site. Nele, diz que também teve dúvidas a respeito da publicação do estudo, mas decidiu que era mais responsável alertar as pessoas sobre a viabilidade da tecnologia e os riscos dela. Afirmou também que não disponibilizará o sistema –até porque ele foi montado com ferramentas disponíveis para qualquer programador.

    "É balela", diz Maria Emilia Yamamoto, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. "Certamente haverá acesso e reprodução de forma não autorizada, ou até mesmo a replicação da construção do algoritmo usando os parâmetros citados no artigo."

    Embora concorde com o valor científico do estudo, ela defende que ele deveria suscitar discussões mais profundas sobre o papel social da pesquisa e suas implicações no mundo fora dos laboratórios.

    Os pesquisadores também destacam que os resultados podem, ainda que de forma involuntária, transmitir uma visão estereotipada da homossexualidade.

    Os autores dizem que o computador pôde traçar uma distinção entre gays e héteros porque, de modo geral, as diferenças hormonais produzem homens com feições ligeiramente mais femininas (no caso dos gays) e mulheres com rosto um pouco mais masculinos (no caso de lésbicas).

    "Isso pode fazer a gente cair num essencialismo simplista", diz Varella.

    Em seu site, Kosinski afirma que será difícil, se não impossível, regular as redes sociais de maneira a evitar que imagens ou vozes postadas sejam analisadas por esse tipo de ferramenta. "A única proteção para os homossexuais é trabalharmos em favor de uma sociedade plural, radicalmente intolerante diante da intolerância", escreve ele.

    -

    QUEM VÊ CARA VÊ ORIENTAÇÃO?

    Como funciona o algoritmo que prediz se alguém é hétero ou gay

    1 - Os pesquisadores começaram criando um banco de dados com mais de 35 mil fotos de rostos obtidas em sites de relacionamento, correspondentes a:

    A orientação sexual dos usuários foi estabelecida com base no tipo de parceiro que eles diziam estar procurando na redes sociais

    Computador

    Para uniformizar a amostra, as fotos foram verificadas manualmente, confirmando que todos eram adultos e de aparência caucasiana (europeia)

    2 - O programa de computador analisou as imagens com base num sistema de pontos distribuídos por regiões específicas do rosto, o que permite a comparação entre diferentes fotos

    Rosto

    3 - As fotos do banco de dados foram divididas em 20 grupos.

    O programa de computador comparou 19 deles, já levando em conta a informação sobre orientação sexual, para que o software "aprendesse" quais as características faciais relevantes de cada grupo

    4 - O grupo final de imagens foi analisado pelo programa sem que ele "soubesse" quem era gay e quem era hétero.
    Os resultados:

    > Com uma única foto de um homem, a taxa de acerto do programa foi de 81%; com cinco fotos da mesma pessoa, a taxa subiu para 91%

    > Uma foto de mulher permitiu 71% de precisão na análise; com cinco, o desempenho foi de 83%

    Grafico 2

    POR QUE FUNCIONA?

    A hipótese mais provável, segundo os pesquisadores, é que pessoas com orientações sexuais diferentes tiveram níveis diferentes de hormônios em seu organismo durante o desenvolvimento, o que influencia tanto o comportamento quanto aspectos do formato do rosto

    Por isso, há uma tendência a ligeiras diferenças de aparência entre gays e héteros, como mostram estas imagens compostas, da "média" dos dois tipos de rosto

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021