• Colunistas

    Tuesday, 21-May-2019 03:33:12 -03
    Cidadona Roberto de Oliveira - Roberto Carlos Pereira de Oliveira

    Do rock à navalha

    02/08/2015 02h00

    Ao redor de uma cadeira de couro reclinável, ano 1830 e fabricação americana, Mário Pinheiro de Andrade Júnior acaba de passar a navalha no pescoço de um executivo.

    Delicadamente, desliza uma toalha aquecida sobre a região para, em seguida, aplicar uma colônia feita de folhas de louro com rum, inspirada numa mistura clássica entre os marinheiros do século 16, a "bay rum".

    Manusear tesouras, maquininhas e navalhas é a mais nova façanha de Marinho, como é conhecido, principalmente entre os roqueiros, o ex-baixista da banda de rap metal Pavilhão 9, sucesso nos anos 1990.

    Hoje, ele lidera 14 barbeiros que atuam em três unidades da Cavalera nos Jardins (Oscar Freire), no Bexiga e na Vila Madalena.

    Agora, o que nem mesmo seus fãs —sejam os de outrora, sejam os de tempos atuais— sabem é que Marinho, 48, já fez de tudo um pouco com seus falecidos cabelos: espetou a cabeleira em estilo punk, cortou-a à moicano e a pintou de verde.

    Karime Xavier / Folhapress
    O ex-músico devoto de Nossa Senhora de Guadalupe resgata o espírito das barbearias dos anos 1940
    O ex-músico devoto de Nossa Senhora de Guadalupe resgata o espírito das barbearias dos anos 1940

    Para conseguir chegar aos bolinhos cilíndricos que deram forma aos "dreadlocks", ele ficou três meses sem lavar a cabeça, só passando água para moldar os fios. Até que, em 1992, deu um basta aos pelos e, desde então, segue careca, com o couro todo desenhado de tatuagens.

    Marinho lembra que, desde menino, se encanta com o clima das antigas barbearias, que voltaram a fazer sucesso aqui e lá fora entre os jovens em boa parte por causa do culto à barba.

    Quatro anos atrás, ele fez um curso de corte masculino e embarcou para Los Angeles (EUA), onde foi conhecer de perto o diálogo entre a cultura "lowrider" —criada pelos imigrantes mexicanos, que transformam a suspensão, a pintura e as rodas de carros— e o "revival" em torno das barbearias.

    De volta a São Paulo, participou de todo o processo de criação e decoração das três barbearias da rede, ornamentadas com referências americanas e mexicanas, entre as quais pés de cactos, quadros de caveira e a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, santa da qual ele é devoto.

    Enquanto trabalha, o ex-roqueiro comanda a programação musical da barbearia, animada à base de mambo, "rockabilly" e "latin rock".

    Nos três salões, o corte que mais tem feito a cabeça dos paulistanos recentemente, segundo Marinho, é o "low taper side part".

    "É um clássico dos anos 1940, que exibe um acabamento bem raspado", explica o barbeiro. Custa R$ 60, o mesmo preço da barba —já os dois juntos saem por R$ 110.

    -

    NUMERALHA
    15 mil paulistanos (número aproximado) já assistiram à animação "Divertida Mente", legendada, no Espaço Itaú de Cinema da Augusta. Desse total, 32% foram crianças de até 12 anos acompanhadas pelos pais.

    Divulgação
    Tristeza, personagem da animação "Divertida Mente"
    Tristeza, personagem da animação "Divertida Mente"

    *

    NÃO QUERO NEM COMO VIZINHO
    "O estilista por trás do guarda-roupa da Ana Paula Padrão, no 'MasterChef', da Band. Minha gastrite ataca quando vejo aqueles looks indigestos. Torço para que aqueles vestidos se derretam em sal de fruta!" —Douglas Masi, 27, analista comercial, Morumbi

    Fábio Guinalz/Fotoarena/Folhapress
    A apresentadora Ana Paula Padrão durante coletiva de imprensa para a estreia do reality Master Chef, da rede Bandeirantes
    A apresentadora Ana Paula Padrão durante coletiva de imprensa para a estreia do reality Master Chef, da rede Bandeirantes

    *

    QUAL É A BOA DE DOMINGO?
    "O passeio com meu cachorro e meu namorado na vizinha praça das Corujas ganha um toque de arte no charmoso parque linear das Corujas ou ainda Beco das Corujas, espaço desenvolvido pelos próprios moradores do bairro. O parque traz, além de uma galeria de grafite a céu aberto, eventos com barracas de comida e bebida, música e intervenções sociais e culturais. Para finalizar a tarde, um chocolate quente belga no Le Pain Quotidien, mas tenha em mente que é domingo e que não há pressa —Luiza Meiodavila, 22, cantora, moradora da Vila Madalena

    Divulgação
    A cantora Luiza Meiodavila, moradora da Vila Madalena
    A cantora Luiza Meiodavila, moradora da Vila Madalena

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019