• Colunistas

    Saturday, 19-Oct-2019 00:09:40 -03
    Cidadona

    Atletas de elite evitam usar centro olímpico de SP por problemas

    11/01/2015 02h00

    Quer ver a nata do atletismo do Estado treinando? Prefira ir ao parque Ibirapuera e não ao Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, que fica a poucos quarteirões dali. Esportistas profissionais estão trocando as pistas, que custaram mais de R$ 10 milhões, por outros ginásios ou locais públicos.

    Cinco atletas e dois treinadores que pediram para não serem nomeados afirmaram que a estrutura do local fica aquém do desejado. "A pista já está desgastada, não faz mais diferença treinar lá ou numa rua de terra", disse um corredor. "A grama do parque é melhor, parece ser mais bem cuidada e simula melhor o ambiente que o atleta encontra numa competição de nível mundial", afirma um treinador com 20 anos de experiência.

    O COTP passou por duas reformas nos últimos anos: uma durou 18 meses, chegou ao fim em 2007 e consumiu R$ 5,85 milhões. Outra obra, apenas nas pistas de atletismo, foi terminada em 2010, com o custo de R$ 4,3 milhões. Ana Claudia Lemos, uma das maiores promessas de ouro no atletismo nacional, faz revezamento entre o COTP e o centro de treinamento da BM&F Bovespa, em São Caetano. "Treino metade dos dias em cada cidade. Em São Paulo não tem pista coberta, que para mim é essencial", diz a atleta de 26 anos, que percorre 100 metros em 11s05.

    Tirando a falta de teto, as instalações do centro de treino são "ideais", afirma Lemos.

    É natural que os atletas possam ter sua pista de preferência, das quatro ou cinco de qualidade na região de SP. Mas o centro olímpico segue sendo uma delas", diz Rogério Sampaio, coordenador do centro olímpico

    A Secretaria Municipal do Esporte, que cuida do centro olímpico, afirma que um convênio foi fechado com o Ministério dos Esportes nas últimas semanas para que a estrutura de atletismo e da casa de máquinas da piscina seja reformada ainda em 2015.

    "Chegou numa hora em que a pista e a grama estão precisando", diz o coordenador Rogério Sampaio.

    -

    FOTO DE PERFIL

    Yann Vadaru/Folhapress
    Paulo Barros e uma das suas 200 orquídeas, na rua Bélgica
    Paulo Barros e uma das suas 200 orquídeas, na rua Bélgica

    Inclua a rua Bélgica no seu trajeto no mês de fevereiro. É que devem florir ali as mais de 200 orquídeas que o segurança Paulo Barros de Oliveira, 41, plantou pela via nos 20 anos em que trabalha lá. "As pessoas compram as plantas e, quando elas perdem a flor, me dão. Eu coloco nas árvores, rego e trato com adubo", diz o Paulo das Orquídeas, como é conhecido na região.

    -

    COMER NA CASA DO OLIVIER
    O chef Olivier Anquier está arquitetando seu novo restaurante, que planeja abrir no apartamento onde morou até recentemente. A casa, francesa, tomará a cobertura que o cozinheiro tem no edifício Esther, que mistura escritórios, apartamentos de luxo e restaurantes a quilo na praça da República. Procurado, Olivier desconversa: "Talvez você tenha descoberto o segredo do francês. Talvez".

    -

    A MODELO BARRADA NA DISNEY
    A Disney pediu mais decência à modelo Talytha Pugliesi, 32. É que Talytha estampava seminua a camiseta que um amigo usava durante visita a Orlando. Quando ele foi posar para um fotógrafo oficial do parque, ouviu que precisaria cobrir as vergonhas da estampa. A manequim diz que achou graça. "Não esperava que uma camiseta pudesse ser 'agressiva' em lugares específicos. Depois, pensando bem, entendi que se trata dos EUA e da Disney, e além de ser um lugar frequentado por crianças, eles são supercaretas."

    -

    HAMBÚRGUER NOSSO DE CADA DIA
    O Holy Burger, aberto recentemente na Santa Cecília, não é santo só no nome: a casa repassa 5% das vendas para obras benemerentes de uma igreja. Quatro dos funcionários do lugar são jovens que passaram por projetos sociais da instituição.

    -

    QUALQUER NÚMERO

    13%
    Das mulheres com mais de 40 anos inscritas no site de relacionamentos Coroa Metade considera "fundamental" que o parceiro seja bom de cama. Já entre os mais de 8.000 coroas do sexo masculinos ouvidos, 42% consideram o atributo fundamental.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019