• Colunistas

    Sunday, 16-Jun-2019 10:26:18 -03
    João Manoel Pinho de Mello

    A gente somos inútil?

    16/09/2016 02h00

    Joel Silva/ Folhapress
    SAO PAULO, SP, BRASIL-09-08- 2016 : Rua Sergipe interditada para obras do metro em Higienopolis. ( Foto: Joel Silva/ Folhapress )
    Obra da estação Angélica-Pacaembu, em Higienópolis, da futura linha 6-laranja do metrô

    Mais uma obra do metrô paulistano foi paralisada, a linha 6. Vem à mente a montagem famosa nas redes sociais : à esquerda, o metrô do Rio em 1993 e 2013; à direita, o de Xangai. O metrô carioca, inaugurado em 1979, tinha 41 km de extensão em 2013. Xangai, cujo serviço começou em 1993, tinha 439 km em 2013.

    Somos inútil? Pergunta incômoda cuja resposta requer reconhecer o dilema das escolhas, seus custos e benefícios.

    Escolha, palavra ausente na nossa bipolaridade. Na euforia lulista, a autoexaltação escondeu os custos implícitos das escolhas. Na depressão dilmista, o vira-latismo turva a perspectiva.

    O desempenho da infraestrutura ilustra o dilema das escolhas. A complexidade da desapropriação dificulta a expansão do metrô, da oferta de energia e de vagas em creches. Mas é garantia contra expropriação.

    O licenciamento ambiental atrasou a expansão da Vale em Carajás. Contribuiu para a demora o mapeamento de cavernas que abrigam uma espécie de morcego. A empresa podia ter vendido muito mais quando o preço do minério estava alto. O erário perdeu receita de imposto. Mas o desastre de Mariana tornou palpável o custo ambiental. Por sinal, o imbróglio do oleoduto Keystone (EUA) –ambicioso projeto que levaria petróleo de Alberta (Canadá) até o Texas– coloca em perspectiva nossas dificuldades.

    Proteger o patrimônio histórico atrasa obras, mas preserva a memória. Intangível para alguns. Não para quem já visitou Ouro Preto. A escolha talvez seja injusta porque os mais pobres pouco se beneficiam. Tema para outro artigo.

    A linha 6 foi paralisada porque o concessionário está em dificuldades financeiras. A Lava Jato atrapalhou. Mas não queremos pecar por excesso de leniência com a corrupção. O BNDES reluta em aportar mais recursos. Com razão. Aprendemos, aqui e alhures, que o desrespeito à boa prática bancária cobra um preço alto.

    E na China? A construção da infraestrutura explica parte do 'espetáculo do crescimento'. Mas o custo ambiental, a princípio ignorado, tem se mostrado pedagogicamente tangível. O próprio Partido Comunista Chinês o reconhece, à sua maneira.

    Relatos sugerem que a construção da barragem de Três Gargantas "maior hidroelétrica chinesa" deslocou 1,3 milhão de pessoas (voluntariamente?) e inundou sítios arqueológicos e culturais. Empalidece Belo Monte.

    Há abuso de financiamento público para projetos de retorno duvidoso, privado ou social. A conta do dirigismo chegou no Brasil. Chegará na China.

    Ditaduras têm mais facilidade em fazer grandes obras. O Brasil tem infraestrutura semelhante às das democracias com renda similar, segundo o índice de qualidade de infraestrutura do Banco Mundial.

    Reconhecer que as escolhas produzem dilemas não significa complacência. Não falta incompetência. Desapropriar demora porque os valores venais dos imóveis estão desatualizados, causando insegurança jurídica e atraso. O licenciamento ambiental poderia ser mais previsível. Há muito o que avançar tanto no financiamento de projetos de longo prazo como nos modelos de concessão.

    E as escolhas têm custos. No caso do metrô, eles recaem cruelmente sobre os mais pobres na periferia, para quem o metrô tem enorme impacto na qualidade de vida.

    Como avançar a infraestrutura respeitando as escolhas coletivas e seus dilemas? Este é um dos temas que esta coluna tratará. E discutir as escolhas, claro.

    joão manoel pinho de mello

    Escreveu até março de 2017

    Economista trata de temas menos frequentes no debate econômico, como desenhos de leilões de concessão, custo da violência e causas da desigualdade.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019