• Colunistas

    Saturday, 07-Dec-2019 13:03:52 -03
    João Pereira Coutinho

    Quando foi que os nossos supermercados se transformaram em farmácias?

    08/08/2017 02h00

    Angelo Abu/Folhapress
    Ilustração João Pereira Coutinho de 8.ago.2017

    Começa a ser difícil comprar comida. Não falo da Venezuela. Falo de Portugal. Da minha cidade. Do meu bairro. Do supermercado do bairro. É uma tendência que se foi agravando: no início, havia uma prateleira modesta de alimentação orgânica. Depois, vieram mais duas. Hoje, há um corredor inteiro onde também existem biscoitos sem glúten, leite sem lactose e bolos sem açúcar.

    Quando foi que os nossos supermercados se transformaram em farmácias? Questionei o dono sobre o assunto. Resposta dele? É a demanda, estúpido!

    Admito que sim. E admito que existam razões de saúde que expliquem a medicalização da comida. Mas pergunto: será que a minha cidade foi tomada de assalto por uma população doente? Ou existe aqui um fenômeno social que suplanta as maleitas da carcaça?

    Elizabeth Currid-Halkett responde à pergunta. Li o seu "The Sum of Small Things" (a soma das pequenas coisas), um tratado sobre a nova elite dominante. Essa elite tem nome: "classe aspiracional".

    Conta a autora que, nos Estados Unidos, essa elite já não perde tempo com a ostentação material do passado (o "consumo conspícuo" de que falava Veblen). Isso é coisa de classe média arrivista que ainda precisa de roupas de grife ou carros absurdamente caros (e vulgares) para fins de afirmação social.

    A nova elite prefere o "consumo discreto", ou seja, o consumo daquilo que não se vê.

    A educação é o melhor exemplo: um curso em Princeton é tão caro como mil brinquedos de luxo; mas é mais exclusivo –cultural e até espiritualmente falando. O luxo se democratizou; Princeton ainda não.

    O mesmo vale para seguros de saúde (exorbitantes) ou planos de aposentadoria (idem): investimentos "invisíveis" que podem não trazer a "gratificação instantânea" de outros padrões de consumo; mas que garantem melhor saúde e melhor velhice.

    E quando é preciso comprar realmente "coisas" (o horror! o horror!), a "classe aspiracional" segue o mesmo padrão. Só arrivistas compram Ferrari. A verdadeira elite compra "com consciência" (um eufemismo para carros elétricos, por exemplo). Só arrivistas compram mansões com piscina e "court de ténis". A verdadeira elite prefere o apartamento na cidade, de preferência perto do trabalho, porque a cidade é o espaço insubstituível para cultivar e expandir o "capital cultural".

    E, na hora do jantar, a abundância perde para a distinção: comer bem é mais importante do que comer muito. Moral da história?

    A professora Currid-Halkett está alarmada. Segundo ela, a desigualdade criada pela "classe aspiracional" é muito mais difícil de suplantar do que as tradicionais desigualdades materiais. Entendo o alarmismo. Mas uma forma de não ceder a ele seria ler um autor que, sintomaticamente, está ausente da obra. Falo de Norbert Elias e do clássico "O Processo Civilizatório".

    Conta Elias que o nosso mundo não nasceu em 1789. Nasceu nos alvores do século 16, com o colapso da sociedade feudal e a quebra da unidade cristã. A emancipação do "indivíduo" foi, essencialmente, a entrada do indivíduo na "sociedade civilizada".

    No século 16, tal como no nosso século 21, havia guias para tudo: como falar; como olhar; como vestir; como comer; como viajar –verdadeiros manuais de autoajuda para que a aristocracia da província se aproximasse do requinte da corte. Esse mimetismo continuou no século 17, sobretudo entre uma burguesia que tinha excesso de dinheiro e deficit de maneiras.

    O processo civilizatório, explica Elias, nunca mais parou na sua dinâmica ascensional: as classes médias imitam as classes altas; e as classes altas, sempre em busca de comportamentos ou símbolos distintivos, lançam novas modas –"ad infinitum".

    Hoje, a "classe aspiracional" pode simbolizar o pináculo da sociedade. E os seus requintes podem parecer tão inatingíveis como os códigos da nobreza cortesã no século 16.

    Mas o processo civilizatório não para: a massificação do ensino universitário vai continuar; o medo da doença vai pesar cada vez mais nos orçamentos das famílias; e, em matéria gastronômica, o modesto supermercado aqui do bairro já caminha rumo ao futuro.

    Minha secreta esperança é que a elite, novamente copiada pelas massas, altere seus hábitos e retorne ao passado transgressivo. Uma vida sem glúten, sem lactose e sem açúcar não dá.

    P.S. O colunista sairá em férias e regressa em 5 de setembro.

    joão pereira coutinho

    Escritor português, é doutor em ciência política.
    Escreve às terças e às sextas.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019