• Cotidiano

    Sunday, 20-Jan-2019 07:25:27 -02

    Corpo do coronel Erasmo Dias, que morreu aos 85, é levado para Santos (SP)

    da Folha Online

    05/01/2010 11h31

    O corpo do ex-secretário de Segurança Pública de São Paulo Erasmo Dias, que morreu aos 85 anos na noite desta segunda-feira (4), foi velado na Assembleia Legislativa de São Paulo e por volta das 12h seguiu rumo à cidade de Santos, no litoral sul, onde o enterro ocorrerá no cemitério Paquetá.

    De acordo com o Hospital do Câncer A.C. Camargo, ele estava internado desde o dia 2 de janeiro em decorrência de um câncer no estômago e no fígado.

    "Sozinho você não ganha guerra nenhuma", disse Erasmo Dias em documentário premiado

    TV Globo
    Erasmo Dias, ex-secretário de Segurança, morreu aos 85 anos em São Paulo
    Erasmo Dias, ex-secretário de Segurança, morreu aos 85 anos em São Paulo

    Erasmo Dias ficou conhecido por comandar a invasão na PUC de São Paulo em setembro de 1977, durante um confronto dos estudantes com as forças do regime militar (1964-1985). Na ocasião, estudantes faziam um ato público pela reorganização da UNE (União Nacional dos Estudantes).

    Dias foi secretário da Segurança Pública de São Paulo entre março de 1974 e março de 1979 e depois ocupou cargos de deputado estadual, federal e vereador pelo Partido Progressista (PP).

    O coronel sempre disse que considera-se "um réu eterno" por ter comandado a invasão do prédio da PUC.

    "Minha filha, no final de 1977, prestou o vestibular de Direito na PUC. Passou. Quando foi fazer a matrícula, em 1978, identificaram-na e humilharam-na de uma forma intolerável para mim, como pai", relatou ele à Folha em agosto de 2004. A filha de Dias desistiu da PUC e foi para o Mackenzie.

    Erasmo Dias também afirmava ser contrário ao pagamento de indenizações por tortura na ditadura porque os presos políticos foram responsáveis pelos seus próprios destinos, pois desafiaram "o princípio da autoridade".

    Ele dizia que, se ex-preso político recebe indenização, os policiais que tiveram sequelas também deveriam ser beneficiados com a lei.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019