• Cotidiano

    Wednesday, 29-Jun-2022 09:41:49 -03

    Governo de SP vai indenizar família de motoboy morto após ser espancado

    colaboração para a Folha

    30/04/2010 19h54

    O governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), autorizou no início da noite desta sexta-feira o pagamento de indenização à família do motoboy Eduardo Luís Pinheiro dos Santos, 30, morto no último dia 10 após ser torturado. O valor será discutido por um grupo de trabalho. Policiais militares são suspeitos pelo crime.

    Secretário de Segurança acompanha investigação de denúncias
    Mãe de motoboy diz que filho foi morto por ser negro
    Comandante da PM de SP manda carta com pedido de desculpa
    Motoboy foi torturado por PMs, diz secretário
    Após prisão de PMs, comandante geral defende direitos humanos
    PMs detidos em SP negam envolvimento em morte de motoboy
    Justiça Militar decreta prisão de 12 PMs acusados de morte

    Segundo a assessoria do governo, o decreto será publicado neste sábado (1º), no "Diário Oficial" do Estado. Um grupo de trabalho formado pelo procurador-geral do Estado, mais dois procuradores, um representante da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania e outro da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo vai definir, no prazo de 30 dias, a proposta de valores de indenização.

    A Justiça Militar decretou na quarta-feira (28) a prisão temporária de 12 policiais militares acusados de participarem da tortura e morte do motoboy. Eles são acusados de homicídio, formação de grupo para prática de violência no quartel da PM e prevaricação, já que alguns dos policiais não participarem diretamente da agressão, mas também não impediram o crime.

    Na semana passada, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Álvaro Batista Camilo, enviou uma carta à mãe do motoboy pedindo desculpas pela ação dos policiais.

    Crime

    O motoboy Eduardo Luís Pinheiro dos Santos morreu após ser espancado. Horas antes, na noite de 9 de abril, ele havia sido detido com outras três pessoas pelos policiais que foram atender uma ocorrência de furto de bicicleta na esquina da rua Maria Curupaiti com a avenida Casa Verde (zona norte de São Paulo). Segundo a corregedoria da PM, os suspeitos foram levados para o batalhão da PM ao invés de irem para a delegacia.

    No mesmo dia, por volta da meia-noite, a vítima foi encontrada caída no chão por outros policiais na esquina da rua Voluntários da Pátria com a avenida Brás Leme, também na zona norte. O homem foi levado a um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos.

    Os nove policiais militares suspeitos de envolvimento na tortura e assassinato do motoboy negaram ter cometido o crime. Nos depoimentos prestados à Corregedoria da PM, todos disseram que a vítima foi morta depois que deixou as dependências da 1ª companhia do 9º batalhão, localizado no bairro Casa Verde.

    O secretário de segurança pública Antônio Ferreira Pinto determinou que as polícias Militar e Civil façam a mais rigorosa apuração dos fatos na esfera administrativa e penal. Ferreira Pinto também declarou que não tem dúvidas de que a morte do motoboy foi resultado das torturas que ele sofreu de policiais militares.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022