• Cotidiano

    Sunday, 09-Dec-2018 20:19:02 -02

    Fundador da Nenê de Vila Matilde é enterrado ao som da bateria da escola

    MARIANA DESIDÉRIO
    COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

    05/10/2010 12h04

    O corpo do fundador e presidente de honra da escola de samba Nenê de Vila Matilde, Alberto Alves da Silva, conhecido como seu Nenê, foi enterrado ao som da bateria da escola, às 11h45 desta terça-feira, no cemitério da Quarta Parada, na zona leste de São Paulo. Cerca de 300 pessoas acompanharam o enterro, de acordo com a Guarda Civil Metrotopolitana. Todos cantavam sambas da escola, e homenageavam seu Nenê com o coro de "Alberto Alves, orgulho do samba brasileiro". O corpo de seu Nenê foi acompanhado por bandeiras de sua escola e de outras que estavam presentes.

    Corpo de fundador será velado na quadra da escola
    Morre fundador da escola de samba Nenê de Vila Matilde

    O enterro teve a presença de familiares, diretores da escola, membros da comunidade da Vila Matilde, além de representantes de outras escolas de samba, como Vai-Vai, Gaviões da Fiel, Unidos de Vila Maria, Águia de Ouro, Unidos do Peruche, Leandro de Itaquera e Mocidade Alegre. O corpo de Alberto Alves da Silva chegou por volta das 11h ao cemitério da Quarta Parada, na zona leste de São Paulo.

    Seu Nenê recebeu uma pequena homenagem antes do enterro. Foi rezado o Pai Nosso e a Ave Maria e algumas pessoas falaram sobre o fundador da Nenê de Vila Matilde. "Seu Nenê não vai, porque nós somos seus discípulos e estamos aqui para dar continuidade ao seu trabalho. O samba continua e ele agora batuca no céu", disse Eduardo de Oliveira, ex-presidente da União das Escolas de Samba Paulistas.

    O atual presidente da união também estava presente. "Temos o compromisso do carnaval de São Paulo a dar continuidade ao que ele fez. Seu Nenê é comparável ao Cartola. A outros baluartes do samba. Perdemos um grande mestre", afirmou.

    Seu Nenê deixa saudades na escola que fundou, mas a ideia dos diretores é de que o samba não pode parar. "Ele representava tudo, é um sambista que vai ser difícil substituir. Mas agora vamos fazer melhor ainda", disse o diretor de harmonia da Nenê de Vila Matilde, Antônio Wagner Pinto. "Agora vamos brigar pelo título para dedicar esse título a ele. Ele deixou um legado histórico e a Nenê vai dar continuidade a isso", afirmou Ediléia dos Santos, diretora de carnaval da escola.

    Para as outras escolas de samba, a perda também foi grande."Esse momento é triste porque seu Nenê é do primeiro escalão, que são os fundadores do samba de São Paulo. Dos que estavam em atividade, Nenê foi o último", afirmou Carlos Egidio Penteado, da velha guarda da Vai-Vai.

    Seu Nenê morreu na madrugada de ontem, aos 89 anos, após apresentar complicações pulmonares. O sambista estava internado em uma clínica particular de São Paulo após um resfriado muito forte. O filho de seu Nenê, Adalberto Alves da Silva, afirmou ter recebido a notícia da morte do pai por volta das 4h30. O velório ocorreu ontem, na quadra da escola, na rua Júlio Rinaldi, região da Penha, também na zona leste.

    Seu Nenê fundou a escola de samba Nenê da Vila Matilde em 1949 e foi presidente dela por 47 anos, até passar o comando da entidade em 1996 para seu filho, em razão de alguns problemas de saúde. A Nenê possui onze títulos do Carnaval de São Paulo, entre eles dois tricampeonatos.

    Robson Ventura/Folhapress
    Centenas de pessoas acompanharam na manha de hoje o enterro de Alberto Alves, o seu Nenê
    Centenas de pessoas acompanharam na manha de hoje o enterro de Alberto Alves, o seu Nenê

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2018