• Cotidiano

    Saturday, 17-Apr-2021 15:06:41 -03

    Em anotações, atirador culpa pessoas que o "humilharam"

    DO RIO

    11/04/2011 07h54

    Em anotações encontradas pela polícia em sua casa, o atirador Wellington Menezes de Oliveira, 23, pôs a culpa pelo massacre em Realengo nos que o humilharam na escola na adolescência. Os manuscritos foram exibidos ontem à noite no "Fantástico", da Rede Globo.

    Vítimas de massacre recebem homenagens em Copacabana
    Só bullying não é capaz de explicar massacre no Rio
    Abraço pede paz e homenageia vítimas de massacre
    Casa de atirador tem muro pichado e portão arrombado
    Leia carta deixada pelo atirador
    Veja galeria de fotos da escola
    Leia cobertura sobre o massacre em Realengo

    "Muitas vezes, aconteceu comigo de ser agredido por um grupo e todos os que estavam por perto debochavam, se divertiam com as humilhações que eu sofria sem se importar com meus sentimentos", escreveu ele.

    "Não sou eu o responsável pela morte de todos", prosseguiu. A culpa, de acordo com o atirador, é dos que "se aproveitam da bondade ou da inocência de um ser".

    Ele chama, ainda, o sul-coreano Cho Seung-hui e Edmar Aparecido Freitas de irmãos. O primeiro matou estudantes no campus da Virgínia Tech, nos Estados Unidos; o brasileiro foi o autor de atentado em uma escola de Taiúva, no interior paulista.

    Em vários trechos das cartas, Wellington demonstra simpatia ao terrorismo e faz referência a um suposto grupo islâmico extremista.

    Ricardo Moraes/Reuters
    Pessoas prestaram homenagem neste domingo em Copacabana às vítimas do massacre em uma escola municipal
    Pessoas prestaram homenagem neste domingo em Copacabana às vítimas do massacre em uma escola municipal

    TIROS

    A tragédia ocorreu por volta das 8h30 de quinta-feira (7), após Wellington entrar na escola onde cursou o ensino fundamental e dizer que buscaria seu histórico escolar. Depois, disse que daria uma palestra e, já em uma sala de aula, começou a atirar nos alunos.

    Relatos de sobreviventes afirmam que ele mirava na direção nas meninas. Uma das alunas contou aos policiais que, ao ouvir apelos para não atirar, Oliveira mirava na direção delas, tendo como alvo a cabeça.

    Os policiais informaram ainda que, pelas análises preliminares, há indicações de que Oliveira treinou para executar o crime.

    Durante o tiroteio, um garoto, ferido, conseguiu escapar e avisar a Polícia Militar. O policial Márcio Alexandre Alves relatou que Oliveira chegou a apontar a arma para ele quando estava na escada que dá acesso ao terceiro andar do prédio, onde alunos estavam escondidos. O policial disse ter atirado no criminoso e pedido que ele largasse a arma. Em seguida, Oliveira se matou com um tiro na cabeça.

    A motivação do crime será investigada. De acordo com a polícia, o atirador usou dois revólveres e tinha muita munição. Além de colete a prova de balas, usava cinturão com armamento. Em carta (leia íntegra aqui), o criminoso fala em "perdão de Deus" e diz que quer ser enterrado ao lado de sua mãe.

    Arte/Folha

    ARMA

    Na última sexta-feira, a polícia prendeu o chaveiro Charleston Souza de Lucena, 38, e do segurança desempregado Izaías de Souza, 48, acusados de vender um revólver calibre 32 que Wellington usou no ataque.

    No fim de semana, eles foram transferidos ao presídio Ary Franco, em Água Santa, na zona norte do Rio. Em depoimento, eles confessaram terem intermediado a venda da arma para Wellington.

    Lucena, que tem um quiosque nas proximidades da casa de Wellington, em Sepetiba (zona oeste), disse que o atirador lhe perguntou se conhecia alguém que pudesse lhe fornecer uma arma para se proteger, já que morava sozinho.

    No ataque à escola, Wellington matou 12 estudantes e feriu outros 12. Dez permanecem internados, sendo alguns em estado grave. A polícia ainda não sabe como o atirador obteve o outro revólver, de calibre 38, também usado no crime.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021