• Cotidiano

    Thursday, 30-May-2024 10:32:59 -03

    Coronel Ubiratan morreu antes de terminar processo do Carandiru

    DE SÃO PAULO

    04/04/2014 03h41

    Apesar de 73 dos 76 policiais acusados pela mortes de presos terem sido condenados, o comandante da PM na operação Carandiru na época do massacre, coronel Ubiratan Guimarães, não chegou a ser punido.

    Ele morreu em 2006 -antes de esgotar todos os recursos na Justiça.

    Em 2001, ele foi condenado a 632 anos de prisão por 105 das 111 mortes.

    Cinco anos depois, o Tribunal de Justiça absolveu o coronel ao entender que o júri quis inocentá-lo ao aceitar a tese de estrito cumprimento do dever.

    Depois de responder a esse item, os jurados decidiram que houve excesso doloso (criminoso) na ação de Ubiratan, o que deu base para a primeira sentença.

    A decisão em segunda instância causou polêmica reações contrárias.

    Na época, a maioria dos jurados que participou do julgamento de 2001 afirmou que votou conscientemente e que a condenação representou a vontade do júri.

    O processo, porém, foi extinto com o assassinato do coronel, antes do final do imbróglio.

    "O processo acaba quando o réu morre. Não tem condenação nem absolvição definitiva", afirma o juiz José Augusto Nardy Marzagão.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024