• Cotidiano

    Friday, 18-Oct-2019 23:30:34 -03

    Reforma do Anhangabaú é aposta de Haddad para recuperar centro

    VANESSA CORREA
    BRUNO FÁVERO
    DE SÃO PAULO

    25/01/2015 02h00

    A vida que em décadas anteriores se esvaiu do centro de São Paulo está voltando.

    A prova maior dessa tendência de reversão do êxodo, que poderia retroceder a degradação urbana, é a proliferação de empreendimentos residenciais e comerciais no miolo da cidade.

    Várias gestões tentaram estratégias de repovoamento: de operações para atrair a atenção do mercado imobiliário a incentivos fiscais para empresas de tecnologia, passando por criação de equipamentos culturais como Sala São Paulo e Pinacoteca.

    Ainda assim, a chamada "revitalização" teima em não chegar. O atual prefeito, Fernando Haddad (PT), também tem seu plano, embora use o termo "requalificação".

    A ação mais ambiciosa da prefeitura para deixar a região central "segura, animada e atraente" é a reforma do vale do Anhangabaú.

    Estimado em R$ 100 milhões, o projeto de reurbanização cria uma grande "área molhada", com fontes que podem ser ligadas e desligadas conforme o uso, ladeada por quiosques de comércio.

    Jorge Araujo/Folhapress
    Sao paulo SP 16 01 2015 ESPECIAL ANIVERSÁRIO DE SAO PAULO Ensaio fotografico no vale do Anhangabau que parece mais vale do abandono com gframas sem aparar mendigos dormindo e locais de espelhos d'agua e chafariz com aguas podres mostrando total abandono COTIDIANO ESPECIAL 2E DE JANEIRO. Jorge Araujo Folhapress 703 ORG XMIT: XX
    Projeto prevê espelho-d'água e quiosques até 2016

    Mas a mudança, prevista para até 2016, divide urbanistas. A começar pela consultoria do projeto, a cargo do arquiteto dinamarquês Ian Gehl, alvo de crítica pelo fato de ser estrangeiro e supostamente não conhecer a fundo a realidade paulistana.

    Gehl, por outro lado, assinou reformulações de espaços públicos em todos os continentes. É dele a reforma que converteu o Times Square Garden, em Nova York, em área exclusiva de pedestres.

    ESCALA HUMANA

    Uma de suas principais premissas é retomar a "escala humana", que as cidades brasileiras abandonaram a partir dos anos 1950 para dar espaço aos automóveis e aos grandes edifícios.

    Esguichos de água e quiosques seguem essa lógica: a água ajuda a concentrar pessoas na borda do espaço; os quiosques funcionam como nova fachada nas laterais.

    A ideia é domar a área de escala monumental, cercada de prédios tão monumentais quanto, entre eles o Mirante do Vale, mais alto da cidade.

    Para o arquiteto Álvaro Puntoni, um dos fundadores da Escola da Cidade, o centro "tem urgência" de algum tipo de atuação municipal para os espaços públicos, que estão "abandonados". A proposta, diz, "tem potencial para induzir outras transformações na região".

    Já Eduardo Nobre, professor da FAU-USP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo), diz não saber como a obra milionária poderia mudar a atual dinâmica do centro.

    "Fazer intervenções menores, regularizar o comércio de rua, construir uma praça e estabelecer uma ligação entre o vale e o Theatro Municipal podem dar vitalidade maior ao Anhangabaú", contrapõe.

    Editoria de arte/Folhapress
    Anhangabau

    O urbanista Nestor Goulart Reis Filho, também da FAU, classifica o projeto de "perfumaria" perto dos problemas estruturais da região.

    Um dos principais fatores de degradação do centro, diz o professor, é a obsolescência dos edifícios que, apesar da excelente arquitetura, não atraem moradores e escritórios por fatores como falta de garagens. Para complicar, emenda, a lei dificulta a readequação de prédios velhos.

    Sobre isso, a prefeitura diz que a revisão do Código de Obras, neste ano, deve inserir novidades que facilitem a atualização dos edifícios do centro.

    Outra crítica da proposta da prefeitura é Rosa Klias, autora do projeto atual do Anhangabaú, que foi reformado em 1990.

    Ela, que fez o desenho em parceria com Jorge Wilheim (um dos maiores urbanistas paulistanos, morto em 2014, ao 85), diz que é "absurdo um espelho-d'água numa cidade que não consegue manter nem uma cascatinha".

    O secretário de Desenvolvimento Urbano, Fernando de Mello Franco, admite que a obra não é suficiente para a "requalificação do centro", mas argumenta que ela é necessária e faz parte de "um conjunto de ações que se articulam" na região.

    Entre elas estão medidas de mobilidade, com ciclovias e reforma de calçadões, e de moradia de baixa renda via adequação de prédios velhos.

    Mas o mais importante, ele diz, é o repovoamento da região, que já está ocorrendo.

    Editoria de Arte/Folhapress
    Passeio de bike revela surpresas da região central

    ELITIZAÇÃO

    Até os anos 1960, o centro era mesmo o "centro". Reunia as lojas refinadas, as sedes das maiores empresas, os endereços glamourosos e o grosso da vida cultural.

    A partir dos anos 1970, quando grandes companhias se mudaram para a avenida Paulista, e, depois, para a Faria Lima (1990) e a Berrini (2000), a região perdeu um terço dos habitantes.

    O processo em curso de reocupação promete, mas também preocupa. Urbanistas temem as consequências da "requalificação" para quem tem baixa renda e já habita essa parte da cidade, agora elevada à bola da vez em folhetos imobiliários.

    "Precisamos nos perguntar qual é a classe social que está indo agora para o centro e se alguma classe social que já estava lá corre o risco de ser expulsa pelo aumento nos preços", diz Nobre.

    O receio é que a revitalização repita aqui o que ocorreu em bairros antes degradados de outras cidades do mundo -como Shoreditch, em Londres, e Brooklyn, em Nova York.

    Nesses locais, a chegada da classe média alta, após a ocupação pioneira por artistas, gerou alta nos aluguéis e serviços, empurrando para fora a população pobre.

    Tal processo é conhecido pelo anglicismo "gentrificação" (vem do termo "gentry", nobreza, e poderia ser traduzido como "elitização").

    GESTÃO DO VALE

    Mais controverso que o projeto de espelho-d'água é a proposta da prefeitura de um conselho gestor para a área, nos moldes do que é feito hoje em parques fechados.

    A Associação Viva o Centro, que já se manifestou contra a obra no Anhangabaú por não considerá-la prioridade, apoia, entretanto, uma estratégia de gestão do espaço.

    A prefeitura diz que o local será mais controlado.

    Com o projeto implantado, surgirá uma barreira real a eventos espontâneos: as fontes obstruem a área livre do parque e não podem ser desativadas sem consulta ao órgão responsável pela gestão.

    "O Anhangabaú é um dos poucos grandes espaços de manifestação da cidade, essa é sua grande vitalidade. Se colocar espelho-d'água, as pessoas serão desestimuladas a protestar", diz Nobre.

    De fato, além de playground de skatista e dormitório de sem-teto, o local é palco de eventos tão díspares quanto as aulas do Movimento Passe Livre ou a formatura de oficiais da PM. Lá também ocorreu a passeata das Diretas Já, em 1984, com 1,5 milhão de pessoas.

    Curioso que o debate sobre a recuperação da região tenha como alvo o Anhangabaú, espaço cuja transposição, a partir da criação do viaduto do Chá, em 1892, foi justamente o primeiro passo da cidade rumo sudoeste, deixando o centro para trás.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019