• Cotidiano

    Thursday, 25-Apr-2024 01:23:42 -03

    mosquito aedes aegypti

    Em SP, 9 de 10 mortos por dengue são idosos

    JAIRO MARQUES
    DE SÃO PAULO

    05/05/2015 02h00

    Nove em cada dez mortos pela dengue neste ano no Estado de São Paulo eram pessoas com 60 anos ou mais –das quais 75% tinham algum tipo de doença preexistente.

    O perfil foi mapeado pela Folha com informações de 130 dos 169 óbitos registrados –recorde desde 2010, quando houve 141 mortes, conforme balanço desta segunda (4) do Ministério da Saúde.

    Curta a página de Cotidiano no Facebook

    Na prática, embora representem perto de 12% da população paulista, os idosos são 87% das vítimas da dengue.

    Editoria de arte/Folhapress

    O número de mortos é a segunda marca negativa gerada por São Paulo durante a epidemia em 2015. O Estado também registrou recorde histórico de casos de dengue, com 222 mil confirmações.

    O levantamento feito pela reportagem nos municípios indica que, em média, as pessoas ficaram uma semana internadas antes de morrer.

    O infectologista Esper Kallas, da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), diz que alguns fatores são determinantes para uma morte por dengue –idosos são as principais vítimas porque, na prática, estão mais sujeitos a esses agravantes.

    Entre eles estão as condições gerais de saúde da pessoa e a falta de diagnóstico rápido da doença e de medidas de atenção ao doente, além do sorotipo do vírus que a contaminou e a quantidade de vezes que ela foi infectada.

    "A chance de um adulto saudável, que recebeu os cuidados necessários prontamente, morrer de dengue é muito pequena. A doença vai ser mais letal em um senhor com 78 anos, que tenha asma, ou em um recém-nascido desnutrido", diz Kallas.

    Mesmo com um número recorde de mortes em SP, ele é considerado "relativamente pequeno" se comparado a outras doenças epidêmicas –como ebola ou sarampo.

    "Apesar da perda irreparável para as famílias, com menos de 0,1% de letalidade diante do número de casos, podemos dizer que esse índice de morte ainda é tecnicamente baixo, algo comparável com morrer pela gripe", afirma o infectologista.

    Dengue

    O levantamento da Folha aponta que Catanduva (23), Sorocaba (19), Limeira (9) e Itapira (9) lideravam as mortes por dengue no Estado.

    Uma mulher de 94 anos, de Penápolis (a 479 km de SP), e uma criança de 11 anos, que aguardava por um transplante de medula na capital paulista, eram as vítimas mais idosa e mais jovem da doença, respectivamente, conforme as 130 mortes mapeadas.

    No país, 229 pessoas já morreram de dengue este ano (74% em SP) e 746 mil casos da doença foram notificados, alta de 234% em relação ao mesmo período de 2014.

    O ministro Arthur Chioro (Saúde) disse que o avanço da dengue "é uma vergonha" depois do bom desempenho contra a doença em 2014. "Não posso deixar de admitir que estamos com dificuldade com a dengue", afirmou, durante aula na Faculdade de Saúde Pública da USP.

    Colaboraram FERNANDA PEREIRA NEVES e a sucursal de Brasília

    Assista

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024