• Cotidiano

    Sunday, 14-Jul-2024 02:17:59 -03

    Enchentes em São Paulo aumentam riscos de leptospirose e hepatite A

    JULIANA CUNHA
    DE SÃO PAULO

    11/03/2016 11h22

    Ao menos 18 pessoas morreram em decorrência da forte chuva que atingiu a Grande São Paulo e o interior do Estado entre a noite de quinta (10) e a madrugada desta sexta (11).

    O contato com a água da enchente traz ainda riscos de contaminação, sobretudo por leptospirose, doença infecciosa causada pela bactéria leptospira, encontrada principalmente na urina de ratos.

    Segundo Ralcyon Teixeira, infectologista e chefe do pronto-socorro do Hospital Emílio Ribas, pessoas que tiveram contato intenso com a água —quem, por exemplo, teve que sair nadando de um carro ou viu a enchente invadir sua casa— deve procurar um pronto-socorro.

    "Os sintomas da leptospirose demoram cerca de sete dias para se manifestar, mas em casos de contato extremo o médico pode receitar um antibiótico profilático antes que a pessoa manifeste qualquer sintoma", explica Teixeira.

    Os sintomas lembram uma gripe comum —febre, dor de cabeça e dores pelo corpo, sobretudo nas panturrilhas—, por isso as pessoas costumam demorar a buscar orientação médica.

    Chuva na cidade de São Paulo

    "Quem teve contato com água suja e apresentar sintomas que pareçam de gripe nos próximos dias, precisa ir ao pronto-socorro. A leptospirose é uma doença simples, mas pode matar, precisa ser tratada logo", diz Teixeira.

    Não é apenas o contato com a água que determina quem vai ter leptospirose. O problema da enchente é que ela faz esgotos e bueiros —locais que costumam ter ratos— transbordarem, espalhando a urina. Em contato com a pele, a bactéria entra no corpo através de ferimentos, frieiras, cortes, unhas encravadas, lesões e arranhões. Àreas com menos ratos e pessoas sem ferimentos estão, portanto, menos sucetíveis.

    Keiny Andrade/Folhapress
    Alagamento interdita parcialmente a Rua Maua no centro de SP, próximo à estação da Luz
    Alagamento interdita parcialmente a Rua Mauá, no centro de SP, próximo à estação da Luz

    Casas e áreas invadidas pela água devem ser lavadas com água sanitária para eliminar a leptospira e é preciso cuidado na hora de fazer a higienização: levar a mão suja à boca pode trazer outra doença, a hepatite A.

    Para Teixeira, a solução pública para o problema está no combate às enchentes, não aos ratos. "É importante controlar a população de ratos, mas sempre vai ter rato, bueiro sempre vai ser fonte de leptospirose. O que tem como evitar é a difusão dessa urina", afirma.

    Reprodução
    Confira em tempo real a intensidade da chuva em São Paulo
    Confira em tempo real a intensidade da chuva em São Paulo

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024