• Cotidiano

    Friday, 20-Sep-2019 02:49:47 -03

    Número de mortes no trânsito de São Paulo tem a maior queda desde 1998

    PAULO GOMES
    DE SÃO PAULO

    22/03/2016 02h00

    A cidade de São Paulo teve, em 2015, uma queda de 20,6% no número de mortos em acidentes viários em relação ao ano anterior. É a maior baixa desde 1998, quando passou a vigorar o novo Código de Trânsito Brasileiro e a redução atingiu 23,7%.

    O número de mortes no trânsito, 992, é também o menor da série histórica registrada pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) - que teve início em 1979.

    Pela primeira vez, o total ficou abaixo de mil -os dados entre 2000 e 2004 não são mais considerados em relatórios oficiais, por não serem comparáveis em razão de divergências nas medições.

    Os resultados são atribuídos por especialistas a fatores diversos. Por um lado, a crise econômica contribui com a redução das viagens e, com isso, de acidentes -conforme dados parciais, a tendência de queda, ainda que em menor escala, se repete no restante do Estado.

    Além disso, houve medidas específicas na capital paulista relacionadas à segurança viária -como diminuição de limites de velocidade e maior fiscalização por radares, que resultaram numa disparada de 40% no total de multas.

    Em 1998, a redução das vítimas no trânsito ocorreu em meio à implantação do novo código, que trouxe punições mais rigorosas e um sistema de pontuação para cassar a carteira dos infratores. Anos depois, porém, houve relaxamento na aplicação da lei, segundo especialistas.

    MORTES NO TRÂNSITO EM SÃO PAULO - Pela primeira vez em 10 anos, número de vítimas de acidentes fica abaixo de 1.000

    PEDESTRES

    Para Tadeu Leite Duarte, diretor de planejamento, projetos e educação da CET, a baixa histórica das mortes no ano passado decorre de um conjunto de medidas de mobilidade urbana que são tomadas desde 2013 pela gestão Fernando Haddad (PT).

    Ele considera determinantes duas delas, acentuadas nos últimos meses e que geraram polêmica. "A redução de [limites de] velocidade impacta diretamente. E não existe outra maneira de manter esse número tão baixo sem ser pela fiscalização", afirma ele, em relação ao aumento de radares na cidade. Na pista expressa das marginais, por exemplo, a máxima permitida passou de 90 km/h para 70 km/h.

    Os números fechados pela CET apontam uma queda de 34% nas mortes de ciclistas, 24,5% na de pedestres, 16,9% na de motoristas/passageiros e 15,9% na de motociclistas.

    O engenheiro e consultor em trânsito e transporte Luís Antônio Seraphim considera que a redução de velocidade nas vias é o fator principal para a queda substancial no número de acidentes fatais. "É um somatório de fatores, mas a redução de velocidade é sem dúvida a que mais contribuiu", diz Seraphim.

    mortes no trânsito - Por tipo de usuário

    O urbanista e especialista de trânsito Flamínio Fichmann concorda que a diminuição das mortes acima de 20% é "bastante expressiva", mas relativiza os dados e aponta outros aspectos de influência. "Nos municípios da região metropolitana e nas rodovias estaduais também houve queda", afirma.

    Um dos principais fatores, na avaliação dele, é a diminuição dos veículos em circulação –um impacto da recessão econômica. "Com menos atividade econômica há menor mobilidade de pessoas e cargas. Isso diminui o potencial de acidentes", diz.

    Fichmann critica também o aumento de radares. "A prefeitura não está tão preocupada com a letalidade, essa política é mais arrecadatória do que objetiva a redução de acidentes no trânsito. Grande parte dos lugares onde estão aumentando os radares não são locais em que acontecem acidentes."

    Para ele, os números seriam ainda mais eficientes se houvesse um esforço conjunto da CET com o governo estadual para maior fiscalização, especialmente se aumentada a quantidade de blitze, que "seriam muito mais eficientes do que qualquer outra medida".

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019