• Cotidiano

    Tuesday, 21-Jan-2020 00:23:30 -03

    mosquito aedes aegypti

    OMS declara que surto da zika não é mais uma emergência internacional

    DA REUTERS
    DE BRASÍLIA
    DE SÃO PAULO

    18/11/2016 17h40 - Atualizado às 19h26

    A OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou nesta sexta-feira (18) que a zika e complicações neurológicas relacionadas ao vírus não constituem mais uma emergência de saúde internacional. Afirmou, entretanto, que continuará a trabalhar contra o surto com um "programa robusto".

    O Comitê de Emergência da OMS, que em fevereiro havia declarado a zika uma emergência de saúde internacional, ainda disse que "o vírus zika e consequências associadas continuam sendo um desafio duradouro de saúde pública exigindo ação intensa".

    "Não estamos diminuindo a importância da zika ao colocá-la como um programa de trabalho mais longo, estamos enviando a mensagem de que a zika está aqui para ficar", disse Peter Salama, diretor-executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, em entrevista coletiva, na sede da organização, em Genebra, na Suíça.

    Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a zika pode provocar microcefalia em bebê quando contraída pela mãe ainda grávida, além de outros problemas neurológicos em crianças e adultos. A doença já foi diagnosticada em mais de 60 países desde o surto detectado no Brasil, no ano passado.

    Apesar do anúncio, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, já havia dito mais cedo nesta sexta que a situação de emergência será mantida no Brasil por tempo indeterminado. Ele também anunciou novos critérios e exames que devem ser aplicados na rede de saúde para gestantes e bebês com suspeita de zika.

    A partir de agora, bebês cujas mães tiveram zika devem ser acompanhados até os três anos, independente de terem ou não o quadro de microcefalia. O objetivo é identificar outros danos relacionados ao vírus, conforme a Folha divulgou em julho deste ano.

    O último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, no início de novembro, aponta 10.119 notificações suspeita de microcefalia provocada pela zika, sendo que 2.143 casos foram confirmados e outros 3.086 ainda estão em investigação.

    O Nordeste é a região que concentra o maior número de casos, chegando a 1.680, com destaque para os Estados de Pernambuco (393 casos), Bahia (339) e Paraíba (186). O pico de notificações, porém, aconteceu entre os meses de novembro de 2015 e janeiro de 2016, durante o verão.

    Apesar disso, Wanderson Kleber Oliveira, coordenador geral de vigilância e resposta a emergências em saúde, disse nesta sexta que ainda não é possível saber se a circulação do vírus zika tem tido redução no país e qual o risco para o próximo verão, quando aumenta incidência do mosquito transmissor.

    "Temos, diferente de outros países, três diferentes vírus circulando no país transmitidos pelo mesmo mosquito. A dinâmica ainda está em estudo e não sabemos ainda qual vírus vai sobressair em determinado momento. Precisamos acompanhar mais alguns anos. Por analogia, comparado com outros países que tiveram epidemia de zika, acreditamos que o vírus confere imunidade. Não sabemos por quanto tempo", afirma.

    Zika e microcefalia

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020