• Cotidiano

    Monday, 20-May-2019 10:20:18 -03

    Não foi crime de homofobia, afirma advogado de agressores de ambulante

    ROGÉRIO PAGNAN
    RODRIGO RUSSO
    DE SÃO PAULO

    27/12/2016 16h25 - Atualizado às 22h33

    O advogado Marcolino Nunes Pinho, defensor da dupla que espancou até a morte do ambulante Luiz Carlos Ruas, 54, disse que eles não vão se apresentar à polícia. "Eles não vão se entregar não, por enquanto", disse à Folha nesta terça (27).

    Ainda segundo o defensor, ele vai tentar revogar a prisão temporária decretada pela Justiça de São Paulo antes de decidir a situação dos dois.

    Pinho disse que não se trata de um caso de homofobia. Disse que seus clientes alegam que partiram para briga naquela noite porque Alípio dos Santos, 26, teve o celular roubado por um grupo de pessoas do lado de fora da estação Pedro 2°, da linha 3-vermelha do Metrô paulista, entre elas uma travesti, onde as câmeras do Metrô não conseguem captar.

    Arquivo pessoal
    Um homem de 54 anos foi espancado até a morte na noite deste domingo (25) dentro da estação dom Pedro II, da linha 3-vermelha do Metrô paulista, na região central de São Paulo. A polícia afirmou que o ambulante Luiz Carlos Ruas foi agredido por dois homens na área livre do mezanino, próximo à bilheteria da estação. O crime teria acontecido por volta das 20h50. A polícia apura um possível envolvimento de um grupo de intolerância na autoria do crime.
    O ambulante Luiz Carlos Ruas, espancado até a morte na estação de metrô Pedro 2º

    Ainda segundo a defesa, os dois agrediram Ruas porque o vendedor também teria se envolvido na briga. "O senhor Luiz Ruas foi tentar ajudar os travestis, que ele conhecia, e deu uma garrafada na cabeça do Alípio. Aí, ficou nervoso porque tomou a garrafada e foi para cima dele. Ele disse que nem entendeu porque aquele senhor se envolveu na confusão", disse o advogado.

    Imagens de câmeras do Metrô mostram Ruas sendo agredido a socos e chutes na cabeça pelos dois.

    Pinho afirmou ainda que fotografias das lesões sofridas por Alípio dos Santos estão sendo anexadas no pedido de revogação da prisão. "Se você perceber nas imagens, ele [Alípio] está sangrando bastante. Está bastante lesionado. Na boca, no joelho, nos braços, na barriga. Uma pessoa que só bate não teria essas lesões todas", afirmou.

    A reportagem solicitou cópias das fotos, mas o advogado não as forneceu.

    Veja

    O defensor também negou que os agressores tenham usado soco inglês contra Ruas, como a polícia suspeita. Pinho disse que são anéis os objetos brilhantes que aparecem na mão de um deles nas imagens captadas por testemunhas.

    Uma delas, ouvida pela Folha, porém, tem outra versão.

    Afirma que Ruas apenas pediu para que os dois parassem com as agressões. "O Índio foi defender. Disse; 'Não faz isso com o rapaz'. Aí, começou a confusão", disse a dona de casa Ivani Kohara.

    A família do vendedor também afirma que Ruas, que tinha o apelido de "Índio", não gostava de violência e não se envolvia em brigas.

    A família de Ruas será assessorada pelo advogado Augusto de Arruda Botelho, importante criminalista de São Paulo. Botelho trabalhará para a família sem cobrança de honorário e será assistente de acusação.

    "Estou muito revoltado com essa história. Dentro dos limites da lei, os crimes de intolerância precisam ser severamente punidos", afirmou o advogado.

    MANIFESTAÇÃO

    Cerca de cem pessoas, entre elas de defesa da causa LGBT, compareceram no início da tarde desta terça (27) para um protesto na estação Pedro 2º. Convocada pelas redes sociais pelo jovem Bruno Diego Alves, 25, a manifestação pediu mais segurança aos usuários do sistema metroviário de São Paulo e o fim da homofobia.

    "Espero que fique de exemplo, para que a morte do Luiz Carlos Ruas não se repita. Pagamos imposto caro, tarifa alta, e não temos segurança ao usar o metrô. Dinheiro tem, o que falta é vontade", criticou.

    RECOMPENSA

    O corpo do vendedor foi enterrado nesta terça (27) no Cemitério da Paz, em Diadema (Grande SP), com a presença de parentes e amigos.

    Também nesta terça, o governo de São Paulo anunciou uma recompensa de R$ 50 mil para quem repassar informações que possam levar à prisão dos dois agressores.

    "Não há a necessidade de realizar cadastro ou identificação pessoal, garantindo assim o sigilo absoluto", diz nota do governo paulista.

    A polícia confirmou que, horas antes de Santos agredir o vendedor no metrô, ele chegou a ser levado para uma delegacia no Brás por ter ameaçado uma vizinha de 19 anos e destruído móveis e a porta da casa dela. Ele alegou que a moça fazia fofocas sobre sua vida privada.

    Reprodução
    Alipio Rogerio Belo dos Santos e Ricardo Martins do Nascimanto, suspeitos de espancar o ambulante Luiz Carlos Ruas até a morte dentro da estação dom Pedro II, da linha 3-vermelha do Metrô paulista, na região central de São Paulo
    Alipio dos Santos e Ricardo do Nascimento, suspeitos de espancar o ambulante até a morte
    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019