• Cotidiano

    Monday, 20-May-2019 09:43:04 -03

    Morador de rua levado a emprego por Doria volta a fazer 'casa' sob Minhocão

    DHIEGO MAIA
    EDUARDO ANIZELLI
    DE SÃO PAULO

    26/06/2017 12h00

    Eduardo Anizelli/Folhapress
    Nova casa de Wlademir Delvechio, sob o Minhocão, no centro da capital paulista
    Nova casa de Wlademir Delvechio, sob o Minhocão, no centro da capital paulista

    A vida do morador de rua Wlademir Delvechio, 33, deu várias voltas. De abril para cá, ele deixou as calçadas de São Paulo, ganhou teto num abrigo, fez cursos, terapia e entrevista de emprego por meio de um programa de reinserção de sem-teto ao mercado de trabalho da gestão João Doria (PSDB), mas...voltou à estaca zero.

    Delvechio vive há uma semana no mesmo lugar onde foi descoberto pela Folha: sob o Elevado Presidente João Goulart, em frente ao metrô Marechal Deodoro, no centro da capital paulista.

    Reergueu a casa improvisada que o destacou entre os colegas de rua com móveis retirados do lixo. No local, há sofá, tapete, armários, muitos livros, utensílios domésticos e um colchão. Tudo é muito limpo e organizado. "Não é porque estou na rua que tenho que morar na sujeira", afirma.

    A moradia chegou a ser destruída pela prefeitura um dia antes de ele conseguir uma vaga num abrigo público, no dia 24 de abril. Na única parede que tem à disposição, uma pilastra do Minhocão com o grafite de uma sereia, pendurou um quadro, onde se lê "Deus é pai" e sobre um armário, outro, com "Jesus é a causa."

    Wlademir Delvechio nos dias 20 e 24 de abril, antes e depois de ter suas coisas levadas pela prefeitura
    Eduardo Anizelli/Folhapress
    SAO PAULO, SP, BRASIL, 20-04-2017, 23h30: Retrato de Wlademir Delvechio, 33, que mora na rua e fez sua casa na parte de baixo do minhocao, no centro de Sao Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress, COTIDIANO) ***EXCLUSIVO***
    SAO PAULO, SP, BRASIL, 20-04-2017, 23h30: Retrato de Vlademir Delveccio, 33, que mora na rua e fez sua casa na parte de baixo do minhocão, no centro de Sao Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress, COTIDIANO) *EXCLUSIVO*

    FRUSTRAÇÃO

    O retorno às ruas ocorreu após ouvir um não, diz ele. "Fiz uma entrevista de emprego, mas não fui contratado. Eles acharam que eu ainda não tinha condições."

    Conhecido como alemão, apelido que recebeu dos colegas do Minhocão, disputou a vaga por meio do Trabalho Novo, programa social da prefeitura que dá emprego e capacitação aos sem-teto.

    Deixou as ruas no dia 25 de abril e ficou sob os cuidados da prefeitura na casa de acolhimento Prates 2, no Bom Retiro (centro). Lá tirou os documentos, entre eles, a carteira de trabalho. A última vez que deu as caras no abrigo foi no dia 8 deste mês.

    "Eles garantiram que eu teria um emprego. Fui fazendo todo tipo de curso que surgia. Fiz até terapia de grupo, mas não me acostumei", conta.

    Alemão também diz que foi vítima de preconceito. "Você acha que eles contratam morador de rua?" A entrevista de emprego ocorreu em uma lanchonete, uma das 116 empresas parceiras da prefeitura.

    O não também desencadeou uma recaída ao álcool, diz à reportagem da Folha, que o visitou por duas vezes ao longo da semana passada.

    O morador de rua também luta para não ser mais uma vez dominado pelo crack. O vício surgiu quando ganhou uma pedra da droga de um traficante. Foi internado mais de uma vez e acabou preso por furto, aos 19.

    Após chegar em São Paulo há três anos para tentar um emprego como pintor, acabou na rua atrás da pedra. Vivia pela cracolândia até "fugir" para debaixo do elevado.

    Prefeitura de São Paulo/Divulgação
    Wlademir Delvechio em capacitação profissional para trabalhar em programa de Doria
    Wlademir Delvechio em capacitação profissional para trabalhar em programa de Doria

    FAMÍLIA

    Após deixar o abrigo da prefeitura, foi amparado pelo irmão, um pastor evangélico que descobriu seu paradeiro pelo jornal. Alemão foi levado pelo irmão a Itajaí (SC), onde mora a família. Ele chora ao se lembrar do reencontro com a mãe. "Ela queria que eu ficasse lá, mas gosto de fazer meus 'corres' com liberdade."

    De volta à capital paulista, diz que se batizou. Um dia resolveu descer às águas na Igreja Internacional da Graça de Deus, do missionário R.R Soares, por conta própria. Escolheu o prédio da igreja na Avenida São João, também no centro, para realizar o ato de fé. "Me senti muito bem."

    Vive de fazer bicos. No último serviço executado, ganhou alguns trocados como pintor. Sempre acorda muito cedo. Diz que os colegas dormem o dia todo porque são depressivos.

    O primeiro "corre" do dia é com a higiene pessoal. A água que usa para lavar o rosto e escovar os dentes vem de uma lanchonete. Também usa o banheiro do metrô para tomar banho improvisado.

    Alemão é muito benquisto por todos. "Ele é diferenciado dos demais. Sempre que posso sento lá e converso com ele", diz a atendente Vanessa Santos, 23. Nunca foi visto sujo e sempre está de barba feita, dizem os vizinhos.

    Agora, Alemão tem dois problemas a resolver. O primeiro, diz ele, mais fácil, é achar um carregador para voltar a fazer vídeos de um celular que achou no lixo. "É ele [aparelho] que me tira das ondas."

    O segundo, mais difícil, é rever os filhos, de oito e 16 anos, que moram com a ex-mulher, em Ilha Comprida (no litoral sul de SP). "Eu ainda não tenho condições para isso", afirma, emocionado.

    OUTRO LADO

    A Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social diz, por meio da assessoria, que Wlademir Delvechio foi atendido por assistentes sociais e psicólogos como uma das fases para ser encaminhado ao mercado de trabalho.

    A pasta confirmou que Delvechio fez uma entrevista de emprego, porém, "deveria ter continuado a capacitação a fim de participar de novos processos", segundo a nota.

    A secretaria afirmou ainda que estava à procura de Delvechio e que existe uma nova vaga de emprego no perfil dele. A ver.

    Morador de rua improvisa casa no Minhocão

    TRABALHO NOVO

    Programa quer empregar todos os sem-teto até o fim do ano

    53 moradores de rua demitidos desde janeiro
    764 moradores de rua contratados desde janeiro
    20.000 meta de número de empregados até dez.2017
    10 mil vagas de emprego anunciadas pela prefeitura

    número de sem-teto - Segundo censo de 2015, em milhares

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019