• Empreendedor Social

    Sunday, 03-Mar-2024 15:12:30 -03

    Fundação Schwab

    Fundacao Schwab

    Missão

    Reconhecida mundialmente, a Fundação Schwab é uma organização sem fins lucrativos com sede em Genebra, na Suíça, que tem como missão fornecer uma plataforma global para disseminar modelos socioambientais inovadores e sustentáveis.

    O que faz

    A Fundação Schwab identifica e promove a troca de know-how entre empreendedores socioambientais inovadores, viabilizando o contato deles com grandes patrocinadores internacionais, ao incluí-los na Rede de Líderes Globais do Fórum Econômico Mundial, e com representantes das áreas empresarial, política, acadêmica e de mídia. A organização não tem escritório no Brasil, país em que é representada pela Folha de S.Paulo para temas referentes ao Prêmio Empreendedor Social. A Fundação Schwab não investe financeiramente nas organizações dos empreendedores socioambientais selecionados.

    As principais atividades da Fundação Schwab incluem:

  • Identificação e exposição de lideranças mundiais em empreendedorismo socioambiental: anualmente, a Fundação Schwab e os seus parceiros selecionam até 25 empreendedores de um total de mil candidatos em todo o mundo, por meio do Prêmio Empreendedor Social. Os vencedores são destaque nas cerimônias de seus países e durante as principais sessões plenárias das reuniões regionais do Fórum Econômico Mundial;
  • Criação de uma comunidade de empreendedores socioambientais: atualmente, mais de 320 líderes fazem parte da Rede de Empreendedores Sociais de Destaque da Fundação Schwab. Embora trabalhem em lugares variados do planeta e em uma ampla gama de setores, eles apresentam muitos desafios e características em comum. A fundação promove o intercâmbio entre os empreendedores socioambientais e apoia a replicação de suas metodologias;
  • Networking de empreendedores socioambientais: a fundação apoia a participação e o envolvimento ativo dos empreendedores nas reuniões regionais e globais do Fórum Econômico Mundial. Essas reuniões oferecem oportunidades únicas para empreendedores sociais se conectarem com líderes empresariais, políticos, acadêmicos, de mídia, entre outras áreas;
  • Geração de soluções em parceria: os empreendedores participam da Agenda Global do Fórum Econômico Mundial, trocando e propondo experiências e soluções socioambientais;
  • Fomentar a próxima geração de empreendedores: a fundação trabalha, no Fórum de Jovens Líderes Globais, para identificar e promover o networking de empreendedores de até 40 anos de idade que tenham um perfil potencial de transformação;
  • Bolsas de estudo: a fundação trabalha em parceria com a Universidade Harvard, com a Universidade Stanford e com o Insead para oferecer oportunidades de bolsas de estudo nos melhores cursos de educação executiva para os empreendedores socioambientais selecionados. A fundação trabalha em estreita colaboração com as principais instituições acadêmicas com o intuito de publicar estudos de caso sobre empreendedorismo socioambiental em cursos de graduação e pós-graduação.
  • Histórico

    O professor Klaus Schwab criou o Fórum Econômico Mundial como uma organização independente e sem fins lucrativos em 1971 e o transformou na principal comunidade global de líderes mundiais em negócios, governo, academia e sociedade civil empenhada em melhorar o estado do mundo.

    Em 1998, Klaus Schwab e sua mulher, Hilde, decidiram criar uma segunda e complementar instituição, a Fundação Schwab para o Empreendedorismo Social, com a finalidade de promover soluções empreendedoras e de compromisso social com um claro impacto na base da pirâmide.

    O Fórum Econômico Mundial e a Fundação Schwab trabalham em estreita parceria para fornecer aos empreendedores sociais uma plataforma que ressalte seu importante papel na sociedade atual. Desde a sua criação, a Fundação Schwab tem apoiado os empreendedores sociais selecionados para participar ativamente nos eventos e nas iniciativas do Fórum Econômico Mundial, proporcionando-lhes uma oportunidade de contar com o suporte, os conhecimentos e as redes de contato de seus membros.

    Além disso, a fundação disponibiliza bolsas de estudo para cursos de educação executiva nas principais universidades aos seus empreendedores sociais e fornece consultoria e apoio jurídico gratuito.

    Apesar de o Fórum Econômico Mundial e a Fundação Schwab cooperarem estreitamente, eles têm identidades legais distintas e conselhos de administração diferentes.

    Rede Schwab de Empreendedores Sociais

    Para catalisar mudança em larga escala sistêmica, a Fundação Schwab construiu uma rede global de empreendedores sociais. Presente em todos os continentes, a organização já selecionou para a sua rede social mais 360 organizações em cerca de 60 países para a sua rede social.
    No Brasil, são 20 participantes, sendo 13 eleitos pelo Prêmio Empreendedor Social em parceria com a Folha de S.Paulo:

  • Adair Antonio de Freitas Meira, da Fundação Pró-Cerrado, que defende a preservação do ecossistema do cerrado, um dos mais ameaçados do planeta;
  • André Luis Cavalcanti de Albuquerque (Prêmio Empreendedor Social 2008), da Terra Nova Regularizações Fundiárias, primeira empresa social do país especializada em regularização fundiária sustentável, além de pioneira na realocação integral de famílias afetadas em razão de grandes obras;
  • Carlos Pereira (Prêmio Empreendedor Social 2016), do Livox, aplicativo que permite a comunicação com pessoas que possuem algum tipo de deficiência cognitiva;
  • Claudio Benedito Valladares-Padua (Prêmio Empreendedor Social 2009), do IPÊ (Instituto de Pesquisas Ecológicas), terceira maior ONG ambiental do país, que cria modelos inovadores de conservação da biodiversidade com benefícios socioeconômicos às populações locais;
  • Claudio Sassaki (Prêmio Empreendedor Social 2015), da Geekie, uma empresa social que desenvolveu uma plataforma de educação adaptativa capaz de personalizar e conferir autonomia à experiência de aprendizagem do aluno a partir da análise de seu desempenho (forças e deficiências);
  • Cybele Amado de Oliveira (Prêmio Empreendedor Social 2012), do Icep (Instituto Chapada de Educação e Pesquisa), que criou uma metodologia para melhorar a educação pública por meio do apoio à formação continuada de educadores e gestores educacionais;
  • Dener Giovanini, da Renctas (Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres), que combate o tráfico de animais silvestres em todo o Brasil;
  • Eduardo Bontempo (Prêmio Empreendedor Social 2015), da Geekie, uma empresa social que desenvolveu uma plataforma de educação adaptativa capaz de personalizar e conferir autonomia à experiência de aprendizagem do aluno a partir da análise de seu desempenho (forças e deficiências);
  • Eugenio Scannavino Netto (Prêmio Empreendedor Social 2005), do Saúde e Alegria, que combina saúde, educação, economia e gestão participativa para o desenvolvimento de comunidades carentes ribeirinhas da Amazônia paraense;
  • Fábio Bibancos (Prêmio Empreendedor Social 2006), da Turma do Bem, que atende adolescentes com graves problemas bucais em consultórios particulares de 16 mil dentistas voluntários, reinserindo-os na sociedade e na busca pelo primeiro emprego;
  • Fabio Rosa, do Ideaas (Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas e da Auto Sustentabilidade), que constrói modelos de desenvolvimento sustentável para populações rurais de baixa renda;
  • Gisela Maria Bernardes Solymos (Prêmio Empreendedor Social 2011), do Cren (Centro de Recuperação e Educação Nutricional), primeira iniciativa no Brasil a combater a desnutrição infantil, o sobrepeso e a obesidade exógena com uma equipe de saúde integrada interdisciplinarmente dentro de um modelo de centro de saúde infantil;
  • Helio Mattar, do Instituto Akatu, que dissemina o conceito e a prática do consumo consciente;
  • Ismael Ferreira, da Apaeb (Associação de Desenvolvimento Sustentável e Solidário da Região Sisaleira), que trabalha pelo desenvolvimento econômico sustentável da população sisaleira do semiárido nordestino;
  • Maria Elena Johannpeter, da Parceiros Voluntários, atua na capacitação do trabalho voluntário organizado no Rio Grande de Sul;
  • Merula Steagall (Prêmio Empreendedor Social 2013), da Abrale (Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia) e da Abrasta (Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia) que produz e dissemina conhecimento, oferece suporte e mobiliza parceiros para alcançar a excelência e a humanização no cuidado integral de pacientes onco-hematológicos;
  • Roberto Kikawa (Prêmio Empreendedor Social 2010), do Projeto Cies (Centro de Integração de Educação e Saúde), que leva atendimento médico-preventivo especializado a comunidades carentes por meio de um centro médico móvel avançado, também conhecido como carreta da saúde;
  • Rodrigo Baggio, do CDI (Comitê para Democratização da Informática), que promove inclusão social por meio da tecnologia;
  • Sergio Andrade, da Agenda Pública (Prêmio Empreendedor Social 2015), que aprimora a gestão pública e a amplia a participação social por meio da construção de capacidades em municípios impactados por grandes obras;
  • Suzana Machado Padua (Prêmio Empreendedor Social 2009), do IPÊ (Instituto de Pesquisas Ecológicas), que beneficia mais de 10 mil pessoas em cinco Estados brasileiros ao introduzir educação ambiental com alternativas de desenvolvimento em comunidades empobrecidas, a fim de integrá-las ao seu ambiente;
  • Tião Rocha (Prêmio Empreendedor Social 2007), do CPCD (Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento), que criou plataformas de transformação social e desenvolvimento sustentável em cidades com menos de 50 mil habitantes;
  • Vera Cordeiro, da Associação Saúde Criança, que visa melhorar as condições de vida de crianças pobres e doentes internadas no Hospital da Lagoa, no Rio.
  • Conheça os "Empreendedores Sociais de Destaque" da Rede Schwab no Brasil e no mundo.

    notícias
    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024