• Esporte

    Sunday, 05-Dec-2021 21:12:05 -03

    Kassab assina isenção fiscal para Itaquerão, e Andres chora

    THIAGO BRAGA
    COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

    20/07/2011 12h25

    O prefeito Gilberto Kassab assinou nesta quarta-feira a lei que pode conceder incentivos fiscais de até R$ 420 milhões para o Corinthians construir o seu novo estádio na zona leste de São Paulo, orçado em R$ 820 milhões. No momento em que recebeu o documento oficialmente sancionado, o presidente do clube paulista, Andres Sanchez, chorou.

    Luiz Carlos Murauskas/Folhapress
    O presidente do Corinthians, Andres Sanchez, se emociona em cerimônia
    O presidente do Corinthians, Andres Sanchez, na cerimônia

    Como já havia declarado, Kassab vetou o artigo proposto pela Câmara Municipal de só liberar o benefício mediante a confirmação da abertura da Copa do Mundo de 2014 na capital paulista. Brasília, Belo Horizonte e Salvador também concorrem.

    "Foi vetado porque seria impossível para o empreendedor e para o desenvolvimento da zona leste contar com uma obra dessa importância se esse artigo fosse mantido", justificou Kassab.

    O prefeito de São Paulo também falou sobre a entrada de recursos na zona leste. "As isenções justificam o investimento na região, independentemente do jogo inaugural. Mas, com a abertura, a receita gerada será de R$ 1,5 bilhão porque serão semanas com a presença de turistas, imprensa, Congresso da Fifa. Sem ela, a receita ficará entre R$ 700 e 800 milhões", declarou o prefeito.

    Luiz Carlos Murauskas/Folhapress
    Obras nesta quarta-feira no terreno em Itaquera; clique na foto e veja galeria de julho
    Obras nesta quarta-feira no terreno em Itaquera; clique na foto e veja galeria de julho

    Porém, quando questionado sobre quanto desse montante seria revertido especificamente para a zona leste, Kassab disse que "o orçamento não é da zona leste. É da cidade de São Paulo."

    Para exemplificar, ele citou a F-1 no autódromo de Interlagos. "Todo ano, são investidos R$ 30 milhões para o evento, mas o lucro é de R$ 100 milhões."

    O governador do Estado, Geraldo Alckmin ratificou a fala de Kassab e garantiu que as obras de infraestruturas estarão prontas a tempo do Mundial.

    "Todas as obras do governo do Estado são do sistema viário. São R$ 470 milhões que serão investidos. As principais obras são na Radial Leste, melhorando a acessibilidade, o acesso à na avenida Jacu-Pêssego e viadutos e passarelas sobre estradas de ferro. Além de obras na Linha 11-Coral (Luz-Guaianazes), da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e na linha 3-vermelha, do Metrô. Esse vai ser um legado importante para a zona leste, que tem uma população de quase 4 milhões de pessoas", concluiu o governador.

    Rivaldo Gomes - 16.jul.2011/Folhapress
    Obras no terreno do futuro estádio corintiano; clique na imagem e veja outras fotos
    Obras no terreno do futuro estádio corintiano; clique na imagem e veja outras fotos

    Um dos principais entraves para a realização da obra, a retirada dos dutos da Petrobras que passam debaixo do terreno, levou Andres à irritação. Ele garantiu que já está incluído no preço total de R$ 820 milhões da arena a retirada dos dutos. Técnicos da construtora Odebrecht, porém, alegam que isso ainda não entrou na conta.

    "É um terreno que está concedido ao Corinthians. É um terreno público. Quando passa um duto embaixo, tem que pagar. Na [avenida] Paulista também passa. [A questão é] aqui é o único estádio do país que tem dinheiro privado. O Corinthians arca com os R$ 400 milhões do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que qualquer cidadão pode pegar empréstimo no BNDES", disparou.

    Ao falar do contrato entre clube e construtora, ele foi irônico.

    "Vocês estão preocupados com contrato. Está tudo adiantado. O contrato são detalhes jurídicos que vai [sic] se resolver nos próximos dias. [Não falo data] porque se eu falar uma data e errar um dia, vocês [jornalistas] falam que eu sou mentiroso.

    Também presente, o ministro do Esporte, Orlando Silva Jr., afirmou que enviou nesta terça-feira (19) um documento para o presidente do COL (Comitê Organizador Local do Mundial), Ricardo Teixeira, decidir o palco da abertura da maneira mais rápida possível, antes de outubro (novo prazo), para não atrapalhar o planejamento do país.

    "O estádio de São Paulo é um assunto resolvido. Vamos virar a página. Vamos olhar para frente, para a execução das obras. Torcer para que elas andem o mais rápido possível", acrescentou.

    Editoria de Arte/Folhapress

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021