• Esporte

    Wednesday, 29-Jun-2022 09:46:13 -03

    Crefisa também anuncia nos calções e meiões e coloca R$ 66 mi no Palmeiras

    GUILHERME SETO
    DE SÃO PAULO

    29/01/2016 07h00 - Atualizado às 13h30

    Em 2016, o Palmeiras terá crescimento considerável no valor de patrocínios recebido por seu uniforme. Na noite desta quinta-feira (28), o clube fechou ampliação de contrato com o grupo Crefisa/Fam, de propriedade de José Roberto Lamacchia e Leila Mejdalani.

    As marcas ocuparão espaços deixados na camisa com a saída de TIM e Prevent Senior neste início de ano e também anunciarão nos calções e nos meiões do time. O valor investido chegará à casa dos R$ 66 milhões.

    A aquisição dos espaços de todo o uniforme será anunciada nesta sexta-feira (29) pelo presidente Paulo Nobre e Leila Mejdalani, proprietária do grupo Crefisa/FAM ao lado de seu marido José Lamacchia.

    Guilherme Seto/Folhapress
    Uniforme do Palmeiras para 2016Guilherme Seto/Folhapress
    Gabriel Jesus e Lucas Barrios fazem a apresentação do novo uniforme

    Dessa forma, as marcas do grupo de patrocinadores aparecerão na frente (master), no número, na omoplata, na manga, nos calções e nos meiões do uniforme do Palmeiras.

    "Acredito ser algo inédito no Brasil, o patrocínio no meião. Vejo que a grandeza do clube soube agradar a Crefisa e a Fam e por isso que eles querem continuar. Com certeza, essa ampliação vai gerar a era Crefisa no Palmeiras", disse Nobre.

    "Nós fizemos [a ampliação] porque acreditamos no projeto, no gigantismo do Palmeiras. Para a nossa marca, [a parceria] só trouxe muita força, isso pela força da torcida e do palmeiras. Tenho certeza que essa era Crefisa vai durar muito tempo", destacou Leila.

    "A parceria entre o Palmeiras, a Crefisa e o Fam se iniciou há um ano. Foi um sucesso, agradou muito a ambas as partes, tanto que ela se amplia agora em 2016", completou Nobre.

    Além disso, o Palmeiras receberá da multinacional Adidas mais de R$ 9 milhões em 2016 pelo contrato de patrocínio de material esportivo. Por contrato, a TIM ainda pagará em janeiro deste ano R$ 150 mil.

    No ano passado, somados os valores recebidos da fornecedora de material esportivo e os patrocínios, o clube acumulou cerca de R$ 60 milhões. Em 2016, os valores devem se aproximar dos R$ 75 milhões.

    Em termos de comparação, o rival Corinthians deve receber menos de Caixa e outros patrocinadores, cerca de R$ 40 milhões. Contudo, o contrato de patrocínio com a fornecedora de material esportivo Nike está atrelado ao dólar, e o clube projeta receber cerca de R$ 58 milhões em 2016 dessa fonte.

    Edição impressa
    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022