• Ilustrada

    Tuesday, 16-Aug-2022 11:05:04 -03

    "Se Eu Fosse Você 2" quebra o recorde de "2 Filhos de Francisco"

    SILVANA ARANTES
    da Folha de S.Paulo

    04/03/2009 08h16

    A comédia "Se Eu Fosse Você 2", de Daniel Filho, atingiu a marca de 5,324 milhões de espectadores ontem e tornou-se o filme nacional mais visto nos cinemas desde 1995, início do período chamado "retomada".

    Divulgação
    Glória Pires e Tony Ramos em "Se Eu Fosse Você 2", que teve público de 5,324 milhões
    Glória Pires e Tony Ramos em "Se Eu Fosse Você 2", que teve público de 5,324 milhões

    O termo designa o reaquecimento da produção, proporcionado pelas leis de incentivo à cultura via renúncia fiscal, após o colapso do modelo assentado na distribuição de verbas pela Embrafilme, extinta pelo presidente Fernando Collor de Mello (1990-1992).

    Além de ultrapassar os 5,319 milhões de espectadores de "2 Filhos de Francisco" (2005), de Breno Silveira, "Se Eu Fosse Você 2" registra a quinta maior renda (R$ 44,9 milhões) da história do país, considerados títulos nacionais e estrangeiros. Apenas sete filmes arrecadaram acima de R$ 40 milhões.

    A renda obtida pelos filmes na bilheteria é dividida entre os exibidores, o distribuidor e os produtores, depois de descontado o pagamento de impostos.

    "É a vitória contra o 'derrotismo' que paira sobre as artes brasileiras. Ser a quinta bilheteria do Brasil, atrás de 'Titanic' e dos três 'Homem-Aranha', mostra que temos fôlego e que o público brasileiro está pronto para receber o que é nosso --cinema popular bom e sem legendas", diz Daniel Filho.

    O resultado de "Se Eu Fosse Você 2" expulsa "Tropa de Elite" (2007), de José Padilha, da lista dos dez filmes de maior público da retomada --ele ocupava o décimo lugar e era o único sem o selo Globo Filmes.

    Assim, a liderança do longa de Daniel Filho devolve à produtora Globo Filmes, da qual ele é diretor-artístico, o domínio absoluto do ranking de êxitos da história recente do país.

    A questão do incentivo

    A sequência da história da troca de corpos entre o casal Helena (Glória Pires) e Cláudio (Tony Ramos) foi produzida com R$ 6 milhões, reunidos pela produtora Total Entertainement com o uso das leis Rouanet e do Audiovisual.

    Como coprodutora deste e de outros quase 80 longas, a Globo Filmes é sócia de títulos beneficiados por incentivo fiscal. Nos bastidores do mercado, há quem julgue incorreto que a divisão de cinema da maior emissora de TV aberta do país beneficie-se indiretamente de mecanismos criados para impulsionar a produção "independente" dos atores hegemônicos da cadeia audiovisual.

    "Quando dizem isso, eu falo: era preferível que todos comprassem a mídia que a gente coloca [na divulgação de suas coproduções], porque a Globo ia ficar muito mais feliz. A Globo Filmes iria faturar tranquilamente umas dez vezes mais do que fatura por ano", diz Carlos Eduardo Rodrigues, diretor-executivo da Globo Filmes.

    Segundo Rodrigues, a Globo Filmes "se paga operacionalmente, mas é altamente deficitária, se for olhar a conta da mídia". A empresa investe por ano, de acordo com ele, em torno de R$ 25 milhões em spots publicitários na TV Globo.

    Arte/Folha online

    Não entram nessa conta, diz ele, "outros tantos [milhões] em ações de merchandising e outras mídias", cujos valores "nem são contabilizados, para efeitos de negociação e de retorno, senão seria impossível" estabelecer os acordos de coprodução, em que a Globo Filmes é sempre sócia minoritária --possui entre 15% e 20% dos filmes--, em respeito a determinações legais.

    A divisão de cinema das organizações Globo foi lançada em 1998, com um "objetivo estratégico", diz Rodrigues. "A Globo entende que, se o conteúdo nacional for dominante na TV, no cinema e em outras mídias, a gente estará fortalecendo a cultura brasileira e as produtoras brasileiras, inclusive a Globo, que é a maior delas", afirma.

    É meta da Globo Filmes "apoiar o cinema a conquistar mercado dentro do Brasil", diz Rodrigues. A ocupação do filme nacional no mercado interno ronda os 10% no período da retomada, excetuando-se o ano de 2003, quando a fatia do produto brasileiro foi de 21%.

    A estimativa de Rodrigues é que "Se Eu Fosse Você 2" atinja público de 5,5 milhões até ser retirado de cartaz (está em 287 salas), para dar lugar à campanha de lançamento do DVD, etapa essencial para a expansão do lucro de filmes de sucesso.

    A produtora Walkiria Barbosa (Total Entertainement) lamenta que o Brasil tenha só 2.102 salas de cinema. "Se tivéssemos um parque exibidor como o do México [mais de 3.000 salas], esse filme poderia facilmente chegar aos 10 milhões de espectadores", diz.

    É de 1976, quando o país possuía mais cinemas, o recordista nacional de público da história: "Dona Flor e Seus Dois Maridos" (1976), de Bruno Barreto, com cerca de 11 milhões.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022