• Ilustrada

    Saturday, 04-Dec-2021 07:58:07 -03

    Documentário sobre "Vogue" mostra Anna Wintour mais humana

    PAOLA MESSANA
    da France Presse, em Nova York

    05/09/2009 15h12

    A todo-poderosa chefe da revista americana "Vogue", Anna Wintour, que foi caracterizada no filme "O Diabo Veste Prada", mostra sua face mais humana no documentário "The September Issue", que acaba de estrear com estardalhaço nos Estados Unidos. O filme muda a imagem de impiedosa da mulher que dita a moda no mundo.

    Wintour, que completará 60 anos de idade em novembro próximo, já era conhecida na moda por fazer estilistas tremerem. Sua fama, porém, extrapolou o setor com a publicação do livro escrito por uma de suas ex-assistentes, Lauren Weisberger, e rodou o mundo após a estreia do filme, no qual ela é interpretada pela atriz Meryl Streep.

    O personagem que evoca Wintour é Miranda Priestly, a gélida chefe de redação da revista imaginária "Runway" (passarela, em inglês).

    Fotomontagem/Folha Online
    A chefe de "Vogue", Anna Wintour (à esq.), e sua versão má para o cinema, no filme "O Diabo Veste Prada"
    A chefe de "Vogue", Anna Wintour (à esq.), e sua versão má para o cinema, no filme "O Diabo Veste Prada"

    Passando da ficção para a realidade, a equipe do documentarista R.J.Cutler passou meses filmando a preparação da edição de "Vogue" mais grossa da história, em setembro de 2007 --antes, portanto, da crise financeira global e da deserção dos anunciantes. Foram, ao todo, 840 páginas, das quais 727 são de anúncios publicitários --cifras da hegemonia da indústria do luxo nas revistas de moda, realidade com a qual a chefe de "Vogue" lida desde 1988.

    No documentário, Wintour aparece em uma reunião com o proprietário da cadeia de lojas Nieman Marcus, que afirma que "ninguém punha os pés na loja" até que a chefe de "Vogue" decidiu devolver a marca às páginas da publicação. "Foi Anna quem teve a ideia de colocar famosos na capa" --estratégia editorial que faz vender revistas e roupas, mas incomoda os puristas--, lembra a diretora de criação de "Vogue", Grace Coddington.

    PUBLICIDADE

    Coddington ocupa seu cargo há 20 anos e é responsável por organizar as reportagens de moda, que podem ser cortadas por Wintour com uma simples careta. "O ponto de vista de Anna sempre ganha, no fim", diz o editor de "Vogue", Tom Florio.

    Mas, ainda que "O Diabo Veste Prada" se concentrasse nos ódios, rancores e traições ligados à editora, o documentário apresenta uma realidade menos crua. Nele, Wintour aparece com o sorriso sincero, é afável e chega a tirar os óculos escuros.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021