• Ilustrada

    Sunday, 14-Jul-2024 02:38:42 -03

    Livro reúne o melhor de Paulo Francis em seus 15 anos de Folha

    FABIO VICTOR
    DE SÃO PAULO

    28/04/2012 07h12

    Um espectro ronda o jornalismo nacional. Jovens, esqueçam o sossego que hoje se vê nas páginas: Paulo Francis está voltando.

    Nascido no Rio em 1930 e morto em Nova York em 1997, aos 66 anos, Francis foi ator, crítico teatral, romancista e comentarista de TV mas, acima de tudo, jornalista.

    Tornou-se um articulista referencial no país --polemista admirado e odiado, influente sempre-- nos 15 anos em que escreveu na Folha, de 1975 a 1990.

    Uma antologia de suas crônicas no período acaba de ser editada pelo Três Estrelas, selo editorial do Grupo Folha.

    Organizado e apresentado por Nelson de Sá, articulista do jornal, "Diário da Corte" contempla as mais notórias facetas de Francis.

    Luiz Carlos Murauskas/Folhapress
    O jornalista Paulo Francis na redação da Folha, em 1982
    O jornalista Paulo Francis na redação da Folha, em 1982

    Lá estão o crítico cultural antenado e erudito, o satirista do cotidiano, o correspondente que, como ele mesmo gostava de dizer, ajudou a desmistificar os EUA.

    Também ressurgem o comentarista político que foi do trotskismo ao conservadorismo, o bufão preconceituoso, o estilista de texto e ideias.

    Nelson de Sá selecionou 76 artigos entre os mais de 8.000 textos que Francis assinou em 15 anos de Folha.

    Explica que buscou: 1) ser fiel às diferentes fases de Francis; 2) sublinhar sua trajetória política, da esquerda para a direita (elogiava Lula quando o petista surgiu como líder sindical e o desancou quando concorreu à Presidência em 89; com o economista Roberto Campos ocorreu o contrário); 3) reproduzir as polêmicas mais célebres em que ele se envolveu, como os embates com o diplomata José Guilherme Merquior e com o primeiro ombudsman da Folha, Caio Túlio Costa.

    Correspondente assistente de Francis em Nova York em 1987, Nelson de Sá lembra que naquele ano o colega registrou numa coluna que o jornal abrira concurso para assistentes dele na cidade. "Aviso desde já aos candidatos que, entre três e seis da tarde, ladro e mordo."

    Na apresentação do livro, o organizador escreve que não, "Francis não latia nem mordia". Ao contrário, era "carinhoso, quase paternal".

    No posfácio "Paulo Francis contra os jecas", o filósofo e colunista da Folha Luiz Felipe Pondé relata que lia Francis pelos corredores da USP, "às vezes escondido". "[...] Ele era o que eu queria ser quando crescesse."

    Assinantes da Folha e do UOL podem ler íntegra da reportagem sobre livro "Diário da Corte" publicada neste sábado (28) na Folha.

    Editoria de arte/folhapress
    Francis sobre...
    Francis sobre...

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024