• Ilustrada

    Saturday, 02-Jul-2022 15:04:07 -03

    Crítica: Epopeia de Aimé Césaire expõe condição oprimida dos negros

    FELIPE FORTUNA
    ESPECIAL PARA A FOLHA

    11/05/2013 03h20

    Poeta negro, militante da descolonização, Aimé Césaire (1913- 2008) buscou no seu engajamento um sentido mais puro às palavras da raça.

    Revolucionário, o poeta, nascido na Martinica, encontrou no surrealismo o discurso --que Jean-Paul Sartre denominou de método-- para projetar uma transfiguração irrefreável, em várias dimensões: a língua francesa, imposta, seria agora convertida em instrumento de contestação.

    A representação do negro antilhano, antes idealizada, agora exibe aspectos de violência, de ressentimento, de reivindicação e de poder

    Gerard Malie/AFP
    O poeta francês Aimé Césaire, em foto de 1987
    O poeta francês Aimé Césaire, em foto de 1987

    O anticolonialismo de Césaire se revelou uma novidade potente na política e na literatura, a clamar por engajamento e por independência.

    "Diário de um Retorno ao País Natal", obra escrita e reescrita ao longo de quase duas décadas, é o depoimento em forma de epopeia, ao mesmo tempo biográfico e profético, de quem expõe uma condição oprimida.

    Criou-se com esse poema-prosa, lançado inicialmente em 1939, a primeira manifestação da negritude -palavra inventada e conduzida por Césaire.

    A revolta do poeta é evidente: ao vislumbrar cidades como Liverpool e Nova York, por exemplo, ele afirma: "Não há nem um pedaço desse mundo que não tenha minha impressão digital".

    Mais do que a marca na superfície, contudo, o "Diário" revela um processo de infiltração gradativa, pelo qual o negro denuncia a passividade do seu povo --deformado na alma e aculturado-- e as formas de opressão trazidas pelo colonizador.

    A negritude, potência libertadora, impede que os antilhanos permaneçam vítimas; impede também que a palavra civilização tenha apenas o sentido de desenvolvimento e progresso.

    O retorno do poeta ao seu país é um episódio biográfico que resulta numa queda no inferno.

    "Mas quem muda minha voz? Quem esfola minha voz? Enfiando-me na garganta mil estacas de bambu. Mil espinhos de ouriço. (...) És tu peso do insulto e cem anos de chicote. És tu cem anos da minha paciência, cem anos dos meus esforços só para não morrer."

    MONUMENTO LÍRICO

    Mas o projeto político de Césaire --robusto e inconfundível-- é igualmente transmitido por meio de metáforas desconcertantes, que tanto atraíram o francês André Breton (1896-1966), o autor de "Os Campos Magnéticos" (1920), que declarou ser o "Diário" "o maior monumento lírico deste tempo".

    O surrealismo permitiu ao poeta da negritude combinar rigor e delírio, criação e destruição, o que parecia descrever com maior força a realidade do seu povo e o impulso de mudar.

    "Olha, prefiro confessar que generosamente delirei, meu coração no cérebro como um joelho bêbado. (...) E sobre esse sonho antigo minhas crueldades canibais: (...) (As balas na boca saliva espessa nosso coração de quotidiana baixeza explode)", escreveu.

    A edição bilíngue de Lilian Pestre de Almeida, tradutora que assina um ensaio rico de interpretações e informações, tem numerosos méritos.

    O principal deles, o de finalmente fazer circular em português um texto de muito interesse para as obrigatórias reflexões sobre o Brasil que foi longamente escravocrata.

    Pode-se discordar de trechos da tradução por serem eventualmente literais e sem total atenção à expressão poética.

    Mas em nenhum momento se deixa de transmitir a novidade, as reivindicações e as aflições do poeta-narrador, que oscilam entre o pessoal e o cósmico.

    O leitor poderá lembrar que Cruz e Sousa (1861-1898) escreveu "Emparedado", texto doloroso no qual denuncia o racismo e "a ciência ditadora" que reduziu o seu destino do poeta.

    Ali ocorreu o protesto, mas não a libertação do negro. Com Césaire, tudo parece quebrar-se e erguer-se, a partir das imagens críticas que rumam à libertação.

    FELIPE FORTUNA é poeta e ensaísta. Publicou "A Mesma Coisa" (Topbooks).

    DIÁRIO DE UM RETORNO AO PAÍS NATAL
    AUTOR Aimé Césaire
    EDITORA Edusp
    TRADUÇÃO Lilian Pestre de Almeida
    QUANTO R$ 38 (164 págs.)
    AVALIAÇÃO ótimo

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022