• Ilustrada

    Saturday, 16-Oct-2021 05:34:07 -03

    Escritor Karl Ove Knausgard esmiúça intimidades da família

    DA COLUNISTA DA FOLHA

    11/05/2013 03h15

    O mais ambicioso projeto literário do norueguês Karl Ove Knausgard, 44, o transformou, em 2009, numa espécie de celebridade de "Big Brother", com canais de TV locais esmiuçando sua vida em entrevistas com quem quer que o conhecesse.

    Isso já seria incomum o suficiente se levássemos em conta que Knausgard (pronuncia-se "quenausgorde") era, àquela altura, muito mais um autor elogiado pela crítica do que frequentador das listas de mais vendidos.

    Mas muito mais estranho que isso é saber que o tal projeto, que acabou por vender 500 mil exemplares -num país de 5 milhões de habitantes-, tratava-se de uma caudalosa autobiografia romanceada de 3.500 páginas em seis volumes, à moda de "Em Busca do Tempo Perdido", do francês Marcel Proust.

    Chester Higgins Jr./The New York Times
    Karl Ove Knausgard, que teve 500 mil cópias vendidas na Noruega
    Karl Ove Knausgard, que teve 500 mil cópias vendidas na Noruega

    A razão do sucesso de público, é claro, foi muito mais o fator "big brotheriano" que a qualidade da narrativa, esta reconhecida por críticos celebrados como James Wood, autor de "Como Funciona a Ficção" (Cosac Naify).

    A questão foi que, nos seis volumes de "Minha Luta", Knausgard não poupou ninguém que conhecesse. Nem mesmo (ou principalmente) seu pai, morto em 1998, vítima do alcoolismo, e a avó paterna, cuja demência senil e incontinência urinária nos últimos anos de vida ele descreve com riqueza de detalhes.

    CONCESSÕES

    "A Morte do Pai", o primeiro dos seis livros, que chega em breve às livrarias do país pela Companhia das Letras, fez com que metade da família de Knausgard tentasse impedir a publicação da obra e cortasse relações com ele.

    O autor, confirmado no time internacional que participa da próxima Festa Literária Internacional de Paraty, em julho, fez só algumas poucas concessões -trocou nomes de familiares e cortou uma cena do segundo livro que incomodara sua mulher.

    Mostra-se dividido sobre como lida com as consequências do projeto do qual mais se orgulha literariamente. Mas diz que ninguém poderia lhe tirar o direito de contar uma história que era sua.

    "Tive a chance de não ir em frente, já que minha família conheceu o conteúdo antes. Publicar o livro seria como dizer a eles 'minha literatura é mais importante que suas vidas', o que não é certo. Por outro lado, quem teria o direito de me impedir de escrever sobre minha relação com o meu pai?", argumenta.

    RELAÇÃO

    O pai de Knausgard morreu em 1998, no verão em que o autor publicava seu primeiro e elogiado romance, "Ute av Verden" (Fora do Mundo).

    As lembranças turbulentas que tinha da relação com o pai logo o fizeram perceber que a história que queria contar num livro, na realidade, era sua história com o pai, figura enigmática cujo declínio ele acompanhou aos poucos, enquanto se preocupava mais com típicos dilemas juvenis, como a descoberta da maturidade sexual.

    Mas foi só quando completou 40 anos, idade com que o pai morreu, que Knausgard se sentiu confiante para escrever. "Eu me senti mais identificado com ele. Já era pai e tinha atribulações como ele. Mas, em vez de me destruir com o alcoolismo, como ele fez, usei a literatura"

    O fato é que ninguém pode acusar Karl Ove Knausgard de não gostar de uma polêmica. Não bastasse a abordagem dos livros, resolveu batizar o conjunto com o nome nada inocente de "Minha Luta", título que remete às memórias de Adolf Hitler.

    "O título tem a ver com a vida de todo mundo, viver é uma luta. Mas é claro que foi uma provocação. Meu editor não queria aceitar de jeito nenhum. Bati o pé", diz.

    Mas a provocação dentro dos livros era tanta que até que não pegaram no pé dele por causa do que vinha escrito na capa. (RAQUEL COZER)

    A MORTE DO PAI
    AUTOR Karl Ove Knausgard
    TRADUÇÃO Leonardo Pinto Silva
    EDITORA Companhia das Letras
    QUANTO R$ 49,50 (512 págs.)

    *

    RAIO-X
    KARL OVE KNAUSGARD

    ORIGEM
    Nasceu em Oslo, na Noruega, em 6 de dezembro de 1968

    FORMAÇÃO
    História da arte e literatura na Universidade de Bergen

    CARREIRA
    Estreou com "Ute av Verten" (1998); virou best-seller com "Minha Luta" (2009-2011)

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021