• Ilustrada

    Thursday, 26-May-2022 20:18:25 -03

    Crítica: Musical 'Jacinta' reafirma clichês sobre portugueses

    CAROLIN OVERHOFF FERREIRA
    COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

    04/09/2013 03h38

    O musical "Jacinta", escrito por Newton Moreno, Aderbal Freire-Filho (direção) e Branco Mello (direção musical), revisita os clichês acerca da colonização portuguesa do Brasil e brinca com mais um para homenagear o teatro mundial, sobretudo, o popular ibérico: a pior atriz do mundo era portuguesa até tornar-se a melhor atriz brasileira. A ideia oferece uma visão inédita nacional sobre a troca cultural entre os palcos portugueses e brasileiros.

    Porém, a sátira dos colonos, aliada a reflexões sobre o ofício teatral em tom de farsa, não se evidenciam e acabam reforçando os estereótipos mais do que conhecidos. A razão: o enredo é fraco e a música algo repetitiva, carecendo ainda de qualidade sonora no palco.

    O problema não são as letras rimadas e muitas vezes espirituosas, inspirados em poetas como Gil Vicente e Shakespeare, que contam a falta de talento de Jacinta (Andrea Beltrão).

    Tomás Rangel/Folhapress
    A atriz Andrea Beltrão em cena da peça 'Jacinta'
    A atriz Andrea Beltrão em cena da peça 'Jacinta'

    É a história em si que dá margem para excessos e repete lugares-comuns.

    Tudo começa quando a mão de Gil Vicente é cortada após ela representar uma de suas obras perante a rainha Maria que, desgostada, manda-a para o exílio no Brasil. No país tropical, habitado por desbravadores incivilizados, ela tenta nas mais diversas ocasiões aprender o ofício, mas vai de mal a pior. É criticada e --apelativamente-- diversas vezes violada.

    Sua vida muda quando reencontra um poeta que conheceu na travessia. A seu lado vive a fama na colônia. Quando retorna a Portugal, ouve finalmente os aplausos que tanto desejava.

    Cantando música pop-rock que faz citações a outros estilos musicais mas permanece pouco expressiva e variada, Beltrão contracena com cinco atores-cantores (Augusto Madeira, Gillray Coutinho, Isio Ghelman, José Mauro Brant, Rodrigo França) em constante troca de papéis.

    Impressiona a disposição com que enfrenta duas horas agitadas no palco. Procura dar uma dimensão mais densa e humana à personagem burlesca: nos momentos em que o musical aponta para um viés critico ao expor sua pobreza --quando trabalha como provedora do palácio-- ou explora a paixão pelo teatro no encontro com outra atriz, provavelmente sua mãe, que a abandonou para dedicar-se aos palcos.

    Mas a disposição e boa forma não conseguem iludir: a comédia possui graça apenas em poucos momentos.

    Há muitas cenas nas quais o exagero, as extravagâncias e a frouxa história chegam a ser entediantes. Por exemplo, quando Jacinta e uma trupe de marginais --previsivelmente um travesti, um cristão-novo e uma prostituta-- são introduzidos na arte da interpretação por um coveiro e antigo ator, após terem matado de rir um inquisidor com uma apresentação teatral.

    As lições de Shakespeare em meio do Amazonas convencem mais, devido à interpretação inspirada de Ghelman (engraçado também como rainha), mas sobretudo porque Hamlet sempre oferece elementos interessantes.

    Não são poupados os esforços dos atores que trabalham de forma versátil a teatralidade do espetáculo e dão conta da troca de figurino (Antonio Medeiros) e do cenário (Fernando Mello da Costa) que se prestam de forma bem pensada às mudanças. Mas os problemas permanecem as inconstâncias e clichês no enredo e o excesso na sua tradução como comédia física.

    Assim, o desempenho admirável dos atores não consegue afirmar a celebração do teatro intencionada.

    JACINTA
    QUANDO sex. e sáb., às 21h; dom., às 18h; até 22/9
    ONDE Sesc Vila Mariana (r. Pelotas, 141, tel. 0/xx/11/5080-3000)
    QUANTO ingressos esgotados
    AVALIAÇÃO regular

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022