• Ilustrada

    Saturday, 16-Oct-2021 04:52:50 -03

    Reginaldo Rossi, o rei do brega, morre aos 70 no Recife

    DE SÃO PAULO

    20/12/2013 11h54

    O cantor Reginaldo Rossi morreu às 9h25 desta sexta (20), aos 70 anos, em sua cidade natal, Recife.

    O velório acontece nesta tarde no Plenário da Assembleia Legislativa de Recife. O corpo do músico deve chegar ao local às 17h e será velado até as 15h de sábado (21). O enterro acontece no mesmo dia, no cemitério Morada da Paz, às 20h.

    De acordo com comunicado oficial do hospital Memorial São José, onde o cantor estava internado desde o dia 27 de novembro, Rossi morreu devido a complicações derivadas de um câncer de pulmão recém-descoberto.

    Reginaldo Rossi criou um estilo próprio: o trovador brega
    'Ele era endeusado no Nordeste'; veja repercussão
    Erramos: Reginaldo Rossi, o rei do brega, morre aos 70 no Recife

    O músico foi internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do hospital após sentir fortes dores no peito e chegou a ser transferido para um quarto, mas voltou em 8 de dezembro à UTI com insuficiência renal e hipertensão. Depois disso, uma intervenção cirúrgica levou ao diagnóstico do câncer.

    Na quinta (19) o cantor voltou a respirar com a ajuda de aparelhos. De acordo com boletim médico divulgado na tarde de ontem, a entubação se deveu a uma "fadiga muscular" e "queda da saturação de oxigênio" do cantor.

    Rossi havia sido diagnosticado com câncer de pulmão no início deste mês. Ele fazia quimioterapia.

    "Estou pronto para a batalha e tenho certeza que vencerei", havia dito o cantor ao saber do diagnóstico da doença, de acordo com boletim médico divulgado pelo hospital em 11 de dezembro.

    Rossi, que completaria 70 anos em fevereiro, deixa a mulher, Celeide Rossi, e um filho, Roberto.

    TRAJETÓRIA

    Nascido no Recife em 1943, Rossi –na verdade Reginaldo Rodrigues dos Santos, sendo o sobrenome famoso uma criação artística– foi, antes da fama, estudante de engenharia civil, mas não conclui o curso.

    Sua carreira artística começou na capital pernambucana nos anos 1960 em conjuntos da Jovem Guarda que tocavam iê-iê-iê, como o The Silver Jets –primeiro conjunto de rock do Nordeste, como definia ele. Imitava Roberto Carlos no jeito de se vestir, de cantar e até no cabelo.

    No final dos anos 1980, já como cantor de músicas românticas (preferia que chamassem assim, alegava que defini-lo como brega era preconceito), ficou mais conhecido em Pernambuco por músicas como "Garçom", "A Raposa e as Uvas", "Pedaço de Mau Caminho" e "Mon Amour, Meu Bem, Ma Femme".

    O sucesso no Sudeste e no Sul do Brasil ganhou força em 1998, quando a gravadora Sony lançou seus principais hits no mercado nacional. Em menos de um ano, o disco vendeu 300 mil cópias.

    Passou a ser cultuado por músicos jovens e da cena roqueira do Recife, que em 2000 gravaram o CD "Reiginaldo", com releituras de suas principais canções.

    "Eu canto o brega-chique. Comecei a fazer engenharia, falo várias línguas, faço canções populares com concordância bem-feita. Não sou trouxa", disse Rossi em entrevista à Folha em maio de 1999.

    Era famoso pelas ótimas performances no palco, como a do show que fez em 2009 durante a Virada Cultural em São Paulo, levando ao delírio a multidão que lotou o Largo do Arouche.

    Em 2009, Reginaldo Rossi fez show animado e lembrou Susan Boyle

    O cantor também tentou fazer carreira política. Em 2008, se candidatou a vereador do município de Jaboatão dos Guararapes (região metropolitana do Recife), onde morava e, em 2010, concorreu a deputado estadual de Pernambuco pelo PDT, mas não alcançou votos para se eleger.

    Seu último lançamento foi o DVD "Cabaret do Rossi", de 2010. Até pouco antes da internação, o cantor estava fazendo shows pelo Nordeste com o repertório do álbum, pelo qual, em 2011, ganhou o reconhecimento de melhor cantor popular no Prêmio da Música Brasileira.

    O cantor estava escalado para ser uma das atrações da festa de Ano-Novo do Recife, na praia do Pina.

    Veja os principais acontecimentos na vida do cantor:

    1943
    Nasce em 14 de fevereiro, no Recife

    1964
    Inicia carreira artística com o grupo de rock The Silver Jets, sob influência da Jovem Guarda

    1966
    Lança o primeiro disco, "O Pão"

    1971
    Com o álbum "Reginaldo Rossi", inicia uma fase de grandes hits, como "Tô Doidão" e "O Gênio Cabeludo"

    1998
    O álbum "Reginaldo Rossi Ao Vivo - Grandes Sucessos" vende 300 mil cópias em menos de um ano e o alça às paradas nacionais

    1999
    Ganha o tributo "Reginaldo Rossi", álbum em que artistas como Otto, Zé Ramalho e Lenine cantam suas músicas

    2009
    Faz um dos shows mais disputados na Virada Cultural paulistana, cantando uma versão de "I Will Survive", "o hino das bichas"

    2010
    Candidata-se a deputado estadual de Pernambuco pelo PDT, mas não é eleito

    27.nov.2013
    Com câncer de pulmão, sentindo dores no peito, é internado no Hospital Memorial São José, no Recife

    20.dez.2013
    Morre, no Recife, aos 70 anos

    PRINCIPAIS DISCOS

    "Reginaldo Rossi" (1971)
    Hits - "Tô Doidão", "O Gênio Cabeludo"

    "Nos Teus Braços" (1972)
    Hits - "Mon Amour, Meu Bem, Ma Femme", "Tenta Esquecer"

    "Reginaldo Rossi" (1973)
    Hit - "O Rock Vai Voltar"

    "A Raposa e as Uvas" (1982)
    Hit - canção-título

    "Teu Melhor Amigo" (1987)
    Hit - "Garçom"

    "Reginaldo Rossi Ao Vivo - Grandes Sucessos" (1998)
    Reunião das principais músicas do cantor

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021