• Ilustrada

    Tuesday, 25-Jun-2024 19:39:15 -03

    Arte cintilante do grupo Zero chega à Pinacoteca, em SP

    SILAS MARTÍ
    DE SÃO PAULO

    03/04/2014 03h29

    Uma sala escura é atravessada por linhas elásticas brancas, que recortam o espaço. De repente, a trama se contorce movida a motores, e as paredes parecem vivas.

    Na instalação do italiano Gianni Colombo, fica clara a ideia de seu grupo Zero, movimento surgido na Alemanha nos anos 1950, agora tema de uma grande exposição na Pinacoteca do Estado.

    Zero, nas palavras de um de seus idealizadores, o artista alemão Otto Piene, é a "zona de silêncio, semelhante a uma contagem regressiva antes do lançamento de um míssil", ou "espaço para pureza e claridade", uma "vivacidade espacial reconquistada".

    Joel Silva/Folhapress
    Funcionária do museu observa montagem da instalação 'Spazio Elastico', de Gianni Colombo
    Funcionária do museu observa montagem da instalação 'Spazio Elastico', de Gianni Colombo

    De certa forma, o vocabulário bélico, de mísseis e reconquistas, entra nesse discurso para ser sublimado. Na Alemanha do pós-Guerra, um país que se reerguia da tragédia do nazismo, a arte tomava um rumo mais luminoso, como se das trevas ressurgisse uma nova matriz visual.

    Não por acaso, as primeiras manifestações do Zero, famoso pelo uso de espelhos, jogos de luz e uma cartela de cores minimalista, aconteciam à noite, em ateliês nos sótãos de Düsseldorf e até nas florestas à beira do Reno.

    Enquanto os alemães, além de outros europeus que se juntaram ao grupo, pensavam uma nova estética ancorada em fenômenos luminosos, surgia no Rio o movimento neoconcreto, que também pregava a dissolução do objeto artístico, ou a tão alardeada fusão entre arte e vida.

    Sem querer, esse ideal de uma arte imaterial, feita de quase nada ao mesmo tempo em que era capaz de dominar a percepção do espaço, acabou abraçando o mundo.

    Não demorou para que neoconcretistas como Lygia Clark ou Almir Mavignier entrassem na mesma frequência cintilante do grupo Zero.

    Na Pinacoteca, um "Bicho" dourado, uma das esculturas de metal articulado de Clark, está ao lado de uma tela toda azul do francês Yves Klein, que então criava a cor que virou sua marca registrada.

    Klein, alinhado ao discurso quase hippie dos Zero, falava em libertar as cores das amarras da composição. Seus campos cromáticos, sempre naquele mesmo tom de azul ultrapotente, seriam então tentativas de abalar o espaço, ou forjar outra dimensão.

    É a mesma ideia do argentino Lucio Fontana, que rasgava suas telas ao meio, ou do italiano Piero Manzoni, que guardava quilômetros de linhas dentro de pequenos tubos -uma arte que é ao mesmo tempo a mais depurada expressão do espaço físico.

    'CÓSMICO E INFINITO'

    "Eles queriam integrar o movimento à pintura", diz Heike van den Valentyn, curadora da mostra. "É a ideia de espaço cósmico, infinito."

    Talvez por isso, por maior que seja a exposição, a sensação de flanar pelas salas seja a de cruzar um campo vazio, entrecortado por raios de luz mais ou menos intensos.

    Isso transparece no pano que flutua sobre um ventilador, obra de Hans Haacke, no jogo de espelhos de Christian Megert ou na vibração das telas de Jesús Rafael Soto.

    Em contraponto à leveza, obras que absorvem a luz, como o mural de pneus do holandês Armando ou a parede de caixas de papelão de Jan Schoonhoven, também holandês, são o avesso acachapante dessa estética. São obras que fazem ver a própria ausência da luz como espécie de lampejo fulminante.

    ZERO
    QUANDO abre hoje, às 19h; ter. a sex., das 10h às 17h30; até 15/6
    ONDE Pinacoteca, pça. da Luz, 2, tel. (11) 3324-1000
    *QUANTO * R$ 6

    Joel Silva/Folhapress
    'Autobanden', mural de pneus criado pelo artista holandês Armando
    'Autobanden', mural de pneus criado pelo artista holandês Armando

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024