• Ilustrada

    Thursday, 23-Sep-2021 21:59:13 -03

    Crítica: Para filósofo em ensaio, atos de junho foram 'profanações'

    ELEONORA DE LUCENA
    DE SÃO PAULO

    10/05/2014 02h18

    Protestos, greves e ocupações se multiplicam, e a Copa está aí na esquina. Como entender o contexto mais amplo desses movimentos e a reação do Estado? O filósofo Paulo Eduardo Arantes oferece sua densa visão em "O Novo Tempo do Mundo", que traz um conjunto de textos que trafegam entre história, política, filosofia e teatro.

    Para ele, há um "Himalaia de humilhações ressentidas pelos milhões na fila de espera à boca dos guichês de ingresso num mundo afluente que não para de encolher". Na era do capitalismo turbinado pelas finanças, o Brasil se transformou de economia industrial periférica a plataforma de valorização financeira.

    O que exige um "estado de emergência econômica permanente". Por isso, na avaliação de Arantes, é central "o Estado-guardião da renda mínima do capital" e a posse "do aparelho político de acesso, gestão e açambarcamento de recursos num universo discricionário de monopólios, privilégios e compadrios".

    Marcelo Justo/Folhapress
    O filosofo Paulo Eduardo Arantes, em sua casa, em 2013
    O filosofo Paulo Eduardo Arantes, em sua casa, em 2013

    "Estamos diante de uma máquina infernal de produção de hierarquias e extorsões em todos os recantos de uma sociedade congenitamente regida pelo nexo da violência econômica", resume o autor.

    Com essa moldura, Arantes percorre as manifestações de junho, prestes a completar um ano. Na sua definição, os atos foram "profanações cometidas por gente sem nome que não está nem pedindo para sair nem aceitando as porradas da vida".

    E o país "não voltará mais a ser o mesmo" depois dos protestos. Avaliando a repressão que houve e a programada para a Copa e a Olimpíada, aponta a existência de "um processo de guerra interna não declarada", e de "criminalização de direitos assegurados pela Constituição".

    Combatendo as políticas de segurança, ele afirma que as UPPs no Rio formam "um cinturão de segurança para os megaeventos a caminho". Na estratégia carioca de pacificação enxerga traços da doutrina americana da contrainsurgência, que proliferou aqui a partir dos anos 1960.

    O autor não abre espaço para visões róseas: "O empreendedorismo dos pobres não é nenhuma esquina da história nacional, mas uma saída de emergência para o colapso da sociedade salarial no Brasil e no mundo".

    O trabalho em tempos de neoliberalismo —"uma verdadeira carnificina"— é objeto de reflexão no ensaio "Sale Boulot". Nele, o filósofo fala do precário emprego.

    Crítico ácido das linhas que nortearam os governos FHC e Lula ("Zero à Esquerda", Conrad, 2004), Arantes retoma sua análise provocativa.

    No ensaio que dá título ao seu novo livro, o autor observa uma nova era de expectativas decrescentes e de vivências em regime de urgência. Já o texto "Zonas de Espera" faz o leitor lembrar desde as condições de prisões e de campos de refugiados pelo mundo até das filas prosaicas em fast-foods e aeroportos.

    O filósofo fala das "elites cinéticas", que pagam para passar na frente dos mortais comuns e ataca: "O tempo morto da espera punitiva é uma questão de classe".

    No prefácio dos textos, o filósofo Marildo Menegat (UFRJ) descreve Arantes como um "intelectual engajado na era do ocaso das utopias", adepto da "crítica demolidora". Afirma que ele é forte influência na jovem intelectualidade que elabora uma crítica radical da sociedade.

    De fato, na última página do livro está a foto do autor, megafone na mão, durante as manifestações de junho, numa aula pública convocada pelo Movimento Passe Livre. Aguardemos os novos capítulos dos protestos —ou as novas aulas.

    O NOVO TEMPO DO MUNDO
    AUTOR Paulo Eduardo Arantes
    EDITORA Boitempo
    QUANTO R$ 52 (464 págs.)
    AVALIAÇÃO bom

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021