• Ilustrada

    Monday, 23-Nov-2020 21:52:06 -03

    Osgêmeos trocam a rua por universo psicodélico

    SILAS MARTÍ
    DE SÃO PAULO

    09/06/2014 02h01

    Diante de uma de suas telas na galeria Fortes Vilaça, em São Paulo, Gustavo Pandolfo, metade da dupla Osgêmeos, aponta o chão "molinho" e fala como quis pintar o "cheiro da terra", a "umidade do ar" e o sorriso tremeliquento no rosto de um de um de seus homenzinhos.

    "Tudo que a gente pinta tem muita vida", diz Otávio Pandolfo, o outro gêmeo. "É uma fuga, mas ao mesmo tempo é descobrir por onde a gente anda, abrir portas e janelas para outra dimensão."

    Entre o "carnal" e o "espiritual", Osgêmeos agora descrevem seus trabalhos com ares esotéricos e psicodélicos, tomando distância do universo urbano e cinzento do hip-hop em que começaram para "canalizar" um Brasil mais onírico e profundo.

    Veja vídeo

    Imagens: Isadora Brant | Edição: Bruno Scatena e Bia Bittencourt

    "É como se a gente estivesse meditando, orando", diz Gustavo. "Tem uma onda que passa pelas nossas cabeças. É uma parada espiritual."

    De fato, sentados lado a lado, Osgêmeos parecem ser um só. Enquanto um fala, os olhos do outro parecem se perder no horizonte distante só para voltar à conversa no momento certo, completando o pensamento do irmão.

    Essa sintonia entre os dois parece se igualar à força da empatia que despertam no público. Um caso raro nas artes visuais, Osgêmeos estão entre os poucos artistas plásticos que conseguiram despertar a devoção das massas, rompendo as barreiras elitistas dos museus e das galerias.

    "Eles têm uma popularidade que poucos têm", diz Baixo Ribeiro, da galeria Choque Cultural e um dos pioneiros no mercado da chamada arte de rua no país. "Eles foram os primeiros a entender a amplitude de sua própria obra."

    Logo, o mercado também entendeu. Osgêmeos se tornaram a menina dos olhos de departamentos de marketing e já emprestaram suas criações para grifes como Nike, Louis Vuitton e Hermès.

    Na última operação do gênero, pintaram um avião da Gol, com direito até a latinhas de spray usadas na obra enviadas a jornalistas culturais.

    "É normal que queiram usar nosso trabalho, que é muito visual", diz Otávio. "A gente continua sendo os mesmos caras. A fama é só consequência do trabalho", completa Gustavo. "Acreditamos no nosso universo paralelo."

    Divulgação
    "Meus Pés Estão Flutuando", obra da dupla Osgêmeos presente em mostra na Fortes Vilaça
    "Meus Pés Estão Flutuando", obra da dupla Osgêmeos presente em mostra na Fortes Vilaça

    'SONHO LEVE E FELIZ'

    Críticos de arte também acreditam, mas em geral são estrangeiros. Enquanto a acolhida no Brasil é tímida entre acadêmicos, Roberta Smith, do jornal "The New York Times" enxergou na obra da dupla "um sonho leve feliz".

    "É um trabalho visceral e alegre", diz Pedro Alonzo, curador de uma grande mostra da dupla em Boston há dois anos. "Mas, com isso, eles acabam alienando os intelectuais. E não fazem questão de agradar a elite, senão pintariam só quadrados e círculos como os neoconcretistas."

    Nesse ponto, Alzonzo vai mais longe e compara a estratégia blockbuster da dupla à teatralidade dos gestos de Michelangelo durante o Renascimento, que fazia estripulias para conquistar o papado.

    "É como a se a vida fosse um teatro", diz Otávio. "E todos nós fazemos parte desse espetáculo."

    OSGÊMEOS
    QUANDO abre no domingo (29), às 14h; de ter. a sex., das 10h às 19h; sáb., 10h às 18h; até 16/8
    ONDE Fortes Vilaça, r. James Holland, 71, tel. (11) 3392-3942
    QUANTO grátis

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020